Baiano de 11 anos é aprovado no Bolshoi e vai morar em SC

Após passar por seleção com 2,8 mil candidatos de todo Brasil, o baiano Thiago Nascimento de Jesus, de 11 anos, está de viagem marcada para Joinville (SC), para integrar a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil. Ele e a mãe permanecerão em Santa Catarina por, no mínimo, oito anos, menor prazo para concluir o curso básico em dança clássica, o qual o baiano foi aprovado. Mas o caminho para chegar até uma das escolas de dança mais importantes no mundo foi trilhado há quatro anos, quando Thiago começou a estudar balé. “Ele tentou karatê, judô, capoeira, nossa família é toda de capoeiristas, mas ele levava tudo na brincadeira. Na verdade ele já dançava, ouvia uma música e saia dançando. Aí um colega da rua começou a frequentar a Escola de Dança Juliana Stagliorio como bolsista, comentou com ele e ele se interessou. A mãe do colega levou Thiago para fazer o teste, ele passou e começou a fazer as aulas”, lembra Helenice Nascimento, mãe de Thiago, contando ainda que em 2015 a professora pediu sua autorização para inscrever o aluno nos testes do Bolshoi. “Eu permiti, fomos para a pré-seleção em Camaçari, e despois de passar fomos para a seleção em Joinville”, explica.

capaadolescente1

A professora Juliana Stagliorio foi a responsável por inscrever o baiano na seleção do Bolshoi | Foto: Divulgação / Matheus Pirajá

De acordo com Helenice, apesar de alguns poucos comentários preconceituosos a respeito da escolha de Thiago pela dança, ele teve muito apoio. “No começo comentaram que balé é coisa de menina, ficaram com pé atrás, mas nunca foram contra. Ele teve apoio, e o meu sempre”, conta a cozinheira, que pediu demissão do trabalho e com a rescisão do contrato garantiu as passagens para Joinville, que tem data marcada para a próxima quinta-feira (21). Com a mesma naturalidade que enfrentou a seleção, Thiago também se prepara para a próxima jornada. “Foi bom ter feito o teste e ter passado. Foi difícil, mas não fiquei nervoso”, conta o dançarino baiano, que já se despediu dos amigos em Salvador e está pronto e ansioso para a mudança.

Apesar da animação, o futuro ainda é incerto para a dupla, já que a bolsa do Bolshoi garante apenas alimentação e transporte do aluno. “O que a gente tem é a passagem e pronto. Dinheiro para comer, pagar aluguel, está na mão de Deus. Vou correr atrás de emprego, mas tenho fé de que vamos conseguir”, afirma Helenice, que na etapa anterior teve ajuda da comunidade onde mora e da escola de dança de Thiago para custear a viagem para participar da seleção.

Por | Bahianoticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *