Moto Facil

[Jucuruçu] Famílias Sem Terra são despejadas e denunciam poder judiciário

Nas primeiras horas desta quarta-feira (11), 110 famílias Sem Terra que estão acampadas na fazenda Pedra Redonda (1.460 ha), em Jucuruçu, no extremo sul da Bahia, começaram a recolher seus pertences e abandonar seus barracos.

IMG_0475

Esta ação cumpre as exigências de uma liminar de despejo emitida pelo poder judiciário local, representado pelo juiz Rafael Siqueira Montoro.

As famílias ocuparam a fazenda após cumprir um primeiro mandato de despejo realizado de maneira desrespeitosa e truculenta no dia 22/10. 

Na ocasião, os trabalhadores foram surpreendidos com a ordem judicial solicitada pelo proprietário, Ivan José de Santana, que ameaçou destruir a produção e os pertences pessoais dos acampados com um trator.

Em resposta a esta agressão, as famílias impediram que seus pertences fossem destruídos, gerando uma repercussão negativa em toda região e sendo caracterizados como “organização criminosa e uso de táticas de guerrilhas” neste segundo mandato de reintegração de posse pelo juiz Rafael.

IMG_0643

Para direção estadual do MST, os trabalhadores são tratados como bandidos e baderneiros pelo poder público que deveria cumprir a função de proteger os cidadãos e garantir o que está escrito na Constituição Federal, inclusive a lei que assegura a desapropriação de terra improdutiva para fins de Reforma Agrária. 

“Este modelo burguês de sociedade possui um lado e este não está em defesa dos interesses da classe trabalhadora, pois utiliza as instituições do estado para validar o seu poder. Não vamos parar de fazer luta e vamos avançar no diálogo com a sociedade”, destacou.

Pistolagem

De acordo com as famílias, “além da criminalização da luta por parte do poder judiciário, estamos sendo ameaçados cotidianamente por seis pistoleiros que estão sob as ordens do latifundiário”. 

IMG_0465

Nos arredores do acampamento, foi visto homens circulando frequentemente em uma caminhonete Hilux preta, com óculos escuro, gorros na cabeça, e em alguns momentos, realizando diversos disparos de armas de fogo durante as noites.

“Este tipo de ação é para humilhar e coagir as famílias”, enfatiza a direção.

 

Violação dos Direitos Humanos

O latifundiário possui outra grande fazenda na região e os poucos trabalhadores de ambas propriedades vem denunciando o método desumano utilizado. 

“Trabalhei de segunda a segunda em uma das propriedades do fazendeiro e nenhuma oportunidade era dada para a gente. Não tínhamos horário de descanso e quando eu saí da fazenda não tive direito a nada, mesmo depois de dois anos de serviços prestados”, destacou Manoel Firmino, acampado.  

Segundo os Sem Terra, este método “desrespeita os Direitos Humanos e se configura como trabalho semiescravo”.

Produção de alimentos

A ocupação é fruto da Jornada Nacional de Lutas em defesa da Reforma Agrária, realizado no mês de abril deste ano, para denunciar a concentração de terra e os altos índices de violência no campo. 

Na ocasião, os Sem Terra relatam que encontraram a fazenda em total abandono.

IMG_0524

“Aqui não tinha nada. A fazenda estava abandonada e os pastos estavam cheios de mato. Não tinha nenhum gado. Quando nós entramos e começamos a plantar, o fazendeiro alugou os pastos e colocou vacas e bois para maquiar uma falsa produção de gado leiteiro”, denunciou os trabalhadores.

As famílias, em apenas seis meses, construíram barracos, ruas no acampamento, estradas, garantiram água potável, energia e uma diversidade de produtos, como: milho, feijão, mandioca, verduras e temperos.

A produção estava sendo fornecida nas feiras, semanalmente, em Jucuruçu e povoados vizinhos.

“Eu sempre tive muita vontade de morar no campo de novo, mas nunca tive condições para comprar meu pedaço de terra. Junto com os outros companheiros, a única coisa que eu quero é plantar, colher e ter fartura na minha casa”, disse Marilene Brito, acampada.

Já Ueliton Meneses, também acampado, sonha em garantir o futuro melhor para seu único filho. “Quero que minha família possa ter vida digna e que meu filho possa cursar uma faculdade. Isso eu vou conseguir produzindo na terra”. 

Após a saída dos trabalhadores da fazenda um trator derrubou os barracos, fogo foi ateado em alguns pertences e a produção destruída. 

Neste momento, as famílias encontram-se acampadas a três quilômetros da fazenda, obedecendo a ordem judicial.

Por | Coletivo de Comunicação do MST

Comentários no Facebook