Fim da Inspetoria da Secretaria da Fazenda em Eunápolis causa protestos

A região que muito contribui com a sustentação do estado da Bahia, torna-se alvo da crise administrada pelo governador Rui Costa, cultuado por muitos como o melhor gestor da federação.

O município de Itamaraju, por seguir uma política paradoxal ao governo da Bahia, por anos tem sofrido duras medidas. Na região ainda podemos listar o abandando de municípios, a exemplo de Caravelas e Prado, que deixam de ampliar suas receitas, por não possuírem rodovias convidativas, conhecidas por muitos como “estradas da morte”.

As cidades de Eunápolis e Porto Seguro, sempre foram aliados do governo, mas esses laços não evitaram a extinção da unidade, que nesta semana tornou-se alvo dos aliados de Rui Costa. Com receio das perdas a sociedade organizada decidiu confrontar sobre a decisão.

Abaixo nota de repudio do advogado Leo Maia:

O presidente da OAB Subseção de Eunápolis, vem a público externar preocupação com a recente notícia veiculada pela imprensa regional, que repercutiu a extinção da Inspetoria Fazendária no Município de Eunápolis, conforme ato publicado no Diário Oficial da última quarta-feira, dia 02/01/2019.

O órgão extinto pelo ato do Governador desempenhava importante função à sociedade regional e a sua extinção à revelia da sociedade e das instituições constituídas, representam verdadeira incoerência com a situação fiscal do Estado da Bahia.

Além de ser um importante centro de arrecadação de impostos, representava ainda essencial mecanismo de diálogo entre o contribuinte e a receita estadual.

Valioso ponderar, que conforme se observa da notícia veiculada, a extinção decorreu de ato sem planejamento prévio, tendo em vista que os servidores sequer sabem como serão desenvolvidas as demais ações do órgão, tendo em vista a falta de informação.

Como a situação afeta sobremaneira a sociedade em geral tanto de forma direta, porque furta do contribuinte a possibilidade de acesso e diálogo com a receita estadual, como indireta, porque impede que o Estado continue arrecadando impostos daquele contribuinte que procurava o órgão para regularizar sua situação fiscal, é dever da OAB, como órgão que busca e zela por justiça social e bom funcionamento das instituições do Estado, se manifestar e intentar todas as medidas legais e necessárias contra a conduta estatal.

Assim, a OAB manifesta o mais profundo repúdio ao ato do Governador, ao passo que informa que já produziu expediente administrativo próprio, para tentar evitar os futuros impasses que o ato impensado do Estado pode gerar aos seus administrados e a máquina estatal, o qual será protocolizado já na segunda-feira (07/01/2018), junto à Governadoria e demais órgãos interessados.

 

Deixe seu comentário. Interaja Você Também!