Itamaraju: Ruas Maranhão e Acre serão as primeiras a serem asfaltadas

Ao longo dos últimos 40 anos, desde a fundação do Bairro de Fátima, que era conhecido como “Invasão”, devido à ocupação que deu origem ao bairro, que os moradores da Rua Acre sofrem com toda sorte de problemas. Uma via que corta a cidade de Itamaraju, quase que de um extremo a outro, passando por 18 ruas, permaneceu sem pavimentação por todo esse tempo. É nesse mesmo bairro que está localizado o trecho mais dificultoso, por conta da inclinação.

Quando faz sol, os moradores enfrentam a poeira e, quando chove, a água desce ladeira a baixo abrindo valetas que tornam a via intransitável, isso, sem falar na lama. Depois do cruzamento com a Rua Manuel Vitorino, á situação estava caótica, a via estava intransitável até para bicicletas, que dirá para veículos automotores.

Quando assumiu a Prefeitura de Itamaraju, há pouco mais de dois anos, o atual gestor, Manoel Pedro Rodrigues Soares (PSD), até tentou resolver o problema aterrando as enormes fendas abertas pela água da chuva e patrolando a via, mas bastava chover que todo o serviço era arrancado pela força da água. Por conta das enormes crateras abertas em forma de fendas, vários moradores ficavam impossibilitados até de colocar seus carros nas garagens de suas casas e, os que conseguiam, tinham dificuldade para retirá-los.

A Secretaria Municipal de Obras de Itamaraju chegou a anunciar o início da obra para o dia 30 de março, mas houve um atraso, que segundo Hélio Vieira, diretor de obras, foi por conta do processo licitatório para compra dos implementos como o solo brita. A obra acabou iniciada mesmo na manhã do dia 23 de abril, uma segunda-feira, com a implantação do sistema de drenagem pluvial. Hoje a primeira fase está praticamente concluída, as manilhas já foram assentadas, bem como as caixas de coleta.

O trecho que será pavimentado, com 725 metros de extensão, está localizado no Bairro de Fátima a partir do cruzamento com a Rua Amazonas até depois da Rua Manuel Vitorino. Isso porque a rua termina em um despenhadeiro. Nesse mesmo trecho, foram implantados cerca de 500 metros de tubulação para drenagem pluvial com várias caixas de captação. No cruzamento com a Rua Eurico Gaspar Dutra, está sendo implantado um captador de água da chuva chamado de ‘Engole Tudo’, que terá a finalidade de barrar a água que desce das ruas de cima.

Ao todo, são 1,525 quilômetro de extensão, mas apenas um terço deste perímetro está pavimentado (550 metros). A Acre liga a parte baixa do Bairro de Fátima ao Centro da Cidade. Um de seus extremos está na Rua Espírito Santo, de onde segue cortando a Imperatriz Leopoldina, Joana Angélica, Avenida Brasil, Dom Pedro I, Presidente Médici, Paulo VI e Avenida Fernando Martins [Perimetral], todas no Centro.

Continuando o seu trajeto a via segue rumo ao Bairro de Fátima, passando pelas ruas Amazonas, Maranhão, Pernambuco, Eurico Gaspar Dutra, Anísio Teixeira, Inácio Tosta Filho, João da Costa Fontoura e a Manuel Vitorino. O trecho já pavimentado por paralelepípedo está localizado entre a Imperatriz Leopoldina e a Rua Amazonas.

Quando receberam a informação de que a rua seria pavimentada, os moradores da Acre, com ouvidos já cansados e calejados das muitas promessas, duvidaram veementemente e, no dia em que a retroescavadeira iniciou os trabalhos de escavação do terreno para implantação das manilhas, eles assistiram meio que anestesiados, pareciam não acreditar no que estavam vendo. A via estava tão destruída que sua recuperação era vista como uma utopia, algo impossível de acontecer.

Entretanto, a atual administração, mais uma vez prova que veio pra fazer a diferença, em pouco mais de dois anos de gestão, várias obras foram feitas, as contas da Prefeitura foram saneadas, salários e fornecedores são pagos rigorosamente em dia e, agora, as ruas mais problemáticas do município estão sendo recuperadas.

Assim como a Rua Acre, diversas outras também serão recuperadas, não com medidas paliativas, mas com intervenções definitivas, que vão acabar de uma vez por todas com o problema. Aliás, essa tem sido mais uma marca da atual gestão, uma vez feita, a obra não volta a ser feita de novo, por que o serviço é de qualidade. 

Uma das ruas que também serão pavimentadas é a Maranhão, trecho localizado em frente à Escola Estadual Inácio Tosta Filho. A jaqueira que ficava na esquina da via, no cruzamento com a Rua Acre, teve que ser removida. Ontem (04/06) os operários da EMBASA foram ao local resolver os problemas das tubulações rompidas pela máquina, para que os trabalhos de pavimentação se iniciem.

O diretor de Convênios da PMI, Wilson Júnior, informou que serão utilizados 147 mil metros quadrados de asfalto, o que vai corresponder a, aproximadamente, 16 quilômetros de ruas pavimentadas num prazo de 120 dias.

POR / NILSON CHAVES

Deixe seu comentário