Mais de 200 mulheres participam deencontro durante o Bahia Rural Contemporânea

Música, poesia e reflexões sobre o papel e o valor das mulheres rurais na agricultura familiar marcaram a abertura do II Encontro de Mulheres intitulado “Ater e a construção da autonomia das mulheres rurais”.

Com muita animação, o evento abriu a programação técnica do Bahia Rural Contemporânea –  VIII Feira Baiana de Agricultura Familiar, Economia Solidária e Reforma Agrária (FEBAFES), que acontece no Parque de Exposição de Salvador até o domingo dia 3.

Mais de 200 mulheres rurais dos 27 territórios de identidade do estado estão reunidas até esta segunda-feira (27) para debater o papel da assistência técnica e extensão rural (ATER) no reconhecimento do trabalho realizadoporelas.

A programação consta de palestras, rodas de conversas com especialista, intercâmbio de experiência sobre comercialização, organização e ATER Mulheres. 

Presente na abertura do encontro, o secretário de Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues,destacou que a feira reflete a autonomia das mulheres rurais: “Cerca de 70% dos expositores presentes na FEBAFES são mulheres, o que demonstra a força delas no mundo rural, com seus projetos que geram renda e sustentabilidade a toda família.

Aqui é uma oportunidade de interação e que elas troquem experiências de negócio e de vida e ganhe ascensão a futuros negócios”.

Célia Watanabe, gestora da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater/SDR), destacou que o encontro é importante para evidenciar o protagonismo das mulheres nas unidades produtivas familiares. Watanabe ressaltou que a ATER precisa considerar as diferentes percepções dos sujeitos do campo, pois é porta de entrada para o acesso outras políticas públicas: “Na visão das mulheres, o rural se caracteriza por várias dimensões: é o espaço de vida e de produção, é o quintal, é o cuidado com a natureza, com a terra e com a água, é a vivência dos princípios agroecológicos. É importante dar visibilidade ao papel das mulheres na produção rural, como gestoras que apresentam resultados econômicos e sociais’.

A secretária de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Fabya Reis,parabenizou a SDR  pela realização do encontro, com uma diversidade de representação de mulheres:  “O processo de ATER é fundamental para organizar o modelo da agricultura familiar sustentável e visibilizando  a presença expressiva das mulheres. É uma decisão acertada pois somos a maioria da população”.

Autonomia

Denise Cardoso, presidente da Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), é um das mulheres presentes no evento.  Ela conta que na cooperativa  70% do seu quadro de cooperados  são mulheres: “Cada vez mais estamos conseguindo, por meio da luta e da organização, o acesso às políticas públicas e o alcance dos espaços representativos da sociedade. O bacana de um evento como este é conhecer as experiências de outras mulheres, o que nos ajuda a reforçar a luta no nosso território”.

Denise também destaca que representar as mulheres à frente dos seus negócios é um grande desafio: “Nesta sociedade extremamente machista, ser mulher, jovem e negra e presidente de uma cooperativa do porte da Coopercuc significa muito para  as mulheres, pois estamos mostrando que somos capazes de gerenciar e ocupar espaços que sempre foram, em sua maioria, masculinos”.

Presenças

Participaram também da abertura do evento a secretaria de Mulheres (SPM) em exercício,Karla Ramos, a coordenadora executiva da Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA/SDR), Renata Rossi, a representante da Superintendência de Políticas Territoriais e Reforma Agrária(Sutrag/SDR), Sarana Brito, a coordenadora do Fórum da Agricultura Familiar,  Elisângela Araújo, a presidente da União das Cooperativas da Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Unicafes), Iara Trindade, a gerente executiva do Banco do Nordeste,  Patrícia Bastos, da delegada federal do Desenvolvimento Agrário, Thais Bispo, representante dos Colegiados Territoriais e grupos de mulheres de toda Bahia.

Por | Ascom CAR