Polícia prende suspeitos de fazer salgados com carne humana em Pernambuco

Crime  Macabro – Pedaços dos corpos das mulheres assassinadas por membros de uma seita em Garanhuns (234 km de Recife) eram utilizados para rechear salgados vendidos por uma das suspeitas, diz a Polícia Civil.

De acordo com o comissário da Delegacia de Garanhuns, Demócrito de Oliveira, a comerciante ambulante Isabel Cristina Oliveira da Silva, 51, confessou em seu depoimento que fazia e vendia pastéis e empadas nas ruas da cidade com se fossem salgados de carne bovina.

Isabel é casada com Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 51. O casal vivia com a amante dele, Bruna Cristina Oliveira da Silva, 25.

Os três são suspeitos de matar, esquartejar e comer pedaços dos corpos de pelo menos três mulheres nas cidades de Olinda e Garanhuns.

Uma menina de 5 anos morava com eles. A polícia diz que ela é filha de Jéssica, morta por eles em 2008, em Olinda, quando tinha 17 anos.

A morte de Jéssica é contada em detalhes no livro “Revelações de um esquizofrênico”, escrito por Jorge em 2009 e registrado em cartório em 28 de março deste ano.

No livro, a amante de Jorge, Bruna, aparece com o nome de Jéssica, porque usava a identidade da vítima.

“Ao olhar para o corpo já sem vida da adolescente do mal, sinto um alívio. Pego uma lâmina e começo a retirar toda a sua pele, e logo depois a divido. Eu, Bel e Jéssica nos alimentamos com a carne do mal, como se fosse um ritual de purificação, e o resto eu enterro no nosso quintal“, diz um trecho.

Segundo a polícia, eles disseram agir por orientação de uma voz que indicava mulheres “que não prestavam” e que estariam “superpovoando a Terra”. Todas as vítimas tinham filhos.

Na quarta-feira (11), a Polícia Civil prendeu os três suspeitos e encontrou os corpos de Alexandra Falcão, 20, e Gisele Helena da Silva, 31. Elas estavam desaparecidas desde o início do ano.

A menina está sob os cuidados do Conselho Tutelar de Garanhuns.

A polícia acredita que outras cinco mulheres podem ter sido assassinadas pelo trio.

Fonte: FOLHA

Deixe seu comentário