Prado: Mototaxista de Itamaraju é preso em Prado

No início da tarde deste domingo (15), uma operação do 4º Pelotão da Polícia Militar do Prado conseguiu surpreender quatro acusados em suposta participação no tráfico de drogas.

A ação é resultado do trabalho do Serviço de Investigação que levantou a informação de que os suspeitos estavam comercializando drogas entre os municípios de Prado e Itamaraju.

 

EDINALDO DA CONCEIÇÃO OLIVEIRA, conhecido como ‘Caboclo’ (30), HUMBERTO DOS SANTOS LAGO (31) e duas menores foram detidos no Restaurante do Jamanta, proximidades da Lagoa Pequena, no bairro Basevi, orla da cidade do Prado. Com eles foram apreendidos R$ 1.235,45 (hum mil, duzentos e trinta e cinco reais e quarenta e cinco centavos), três buchas de maconha, três papelotes de cocaína, aparelhos celulares, além de vários cartões bancários.

Todos os acusados residem na cidade de Itamaraju. O ‘Caboclo’ trabalha no comércio daquela cidade, atuando na atividade de mototaxista. Policiais que coordenam as ações de repressão ao tráfico de drogas, tanto no município do Prado, quanto em Itamaraju, acreditam que o acusado pode estar utilizando a função que ocupa, como preposto no ponto da cidade alta da cidade itamarajuense, para facilitar a entrega e distribuição de drogas.

 

Tanto o material apreendido, quanto os acusados foram apresentados na Delegacia de Polícia Civil do Prado. A Justiça Criminal no município pradense é implacável com crimes que envolvam o tráfico de drogas.

Diante da volumosa quantia em dinheiro, o mototaxista alegou que é resultado do trabalho que realizou, nos últimos dias. Também afirmou que possui conta bancária e, mesmo assim, preferiu manter a quantia consigo. ‘Caboclo’ afirma que a droga é para manter seu vício.

As alegações serão investigadas por inquérito criminal presidido pela Delegada Titular da Polícia Civil de Prado, Dra. Rosângela Santos.

A lei criminal permitiu uma brecha aos traficantes, que passaram a circular com pequena quantidade de droga, no intuito de, se forem detidos, se passarem por usuários. Também não é por isto, que todos os usuários devam ser autuados como traficantes. Daí a necessidade de um trabalho sério e rígido da Justiça Criminal.

Fonte / Primeiro Jornal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *