Procurador pede cancelamento do Enem 2016; provas diferentes ferem ‘isonomia’

O procurador da República Oscar Costa Filho pediu nesta quarta-feira (2) o cancelamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que será realizado neste sábado (5) e domingo (6).

A medida ocorre após o adiamento da prova para os mais de 190 mil candidatos que terão a prova adiada, devido à ocupação nos locais onde fariam a prova. O procurador, que atua no Ministério Público Federal no Ceará argumenta que, com provas em datas diferentes e temas de redação distintos, não há isonomia na seleção.

imagem_noticia_5

“O MEC aplica a teoria da resposta ao item na prova objetiva, o que equilibra o nível de dificuldade da prova para todos os candidatos, mesmo os que fazem uma segunda prova, mas eles mesmos dizem que essa teoria não se aplica à redação”, afirma Costa Filho na ação. O adiamento foi anunciado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) nesta terça-feira (1º). Os 191 mil candidatos que terão a avaliação adiada fariam prova em 304 escolas ou universidades que estão ocupadas por estudantes ou ainda estavam ocupadas na manhã de terça, em protesto contra a PEC 241 (que após ser aprovada na Câmara, se transformou, no Senado, na PEC 55). Costa Filho já havia pedido o cancelamento da prova na edição de 2011, quando ocorreu um vazamento de um pré-teste com mais de 20 questões da prova.

Por | Bahianoticias

Deixe seu comentário