InícioNotíciasPolíticaA gripe aviária H5N1 pode ser a próxima pandemia?

A gripe aviária H5N1 pode ser a próxima pandemia?

Animais e seres humanos compartilham cerca de 300 doenças infecciosas, e novas doenças surgem todos os anos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal, cerca de 75% das novas infecções humanas emergentes são de origem animal.

Realizado em Barcelona de 27 a 30 de abril, o Congresso Mundial da Sociedade Europeia de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas (ESCMID) teve como um de seus principais tópicos a ameaça de uma nova pandemia.

Ninguém duvida que ela ocorrerá, o problema é que não sabemos o que a causará, nem quando. Anos atrás, a OMS já definia a doença X como uma ameaça à saúde global. O microrganismo causador provavelmente seria um vírus facilmente transportado pelo ar, muito virulento e “novo” para nosso sistema imune humano.

A grande maioria dos cientistas achava que o candidato mais provável seria um novo vírus da gripe, mas o coronavírus SARS-CoV-2 nos venceu. Embora a ameaça de um novo coronavírus permaneça latente, o vírus da gripe ainda é o candidato mais provável a causar a próxima pandemia.

O campeão da variabilidade O vírus da gripe, ou influenza, pertence à família Orthomyxovirus. Na verdade, existem quatro tipos geneticamente distintos de influenza (A, B, C e D). Nos seres humanos, a influenza A é a mais comum; a influenza B aparece a cada 2 a 4 anos e geralmente é menos problemática; a influenza C é mais rara e geralmente causa infecções leves; e os vírus do tipo D afetam o gado.

O vírus da gripe é envolvido por uma membrana, ou “envelope”, e tem um genoma distribuído em oito fragmentos de RNA com informações para a fabricação de dez proteínas. No vírus da influenza A, duas dessas proteínas são chamadas de hemaglutinina (abreviada como H) e neuraminidase (N). Até o momento, são conhecidos 18 tipos diferentes de H e 11 tipos diferentes de N. O tipo com H tipo 1 e N tipo 1 é chamado de H1N1; o tipo com H tipo 1 e N tipo 2, H1N2, e assim por diante até H18N11, dependendo das combinações possíveis.

Esse vírus varia de duas maneiras. Ao replicar seu genoma, ele pode sofrer erros ou mutações nos genes H e N, que dão origem a subtipos ou cepas que mudam com o tempo. Essas são as causas das epidemias de gripe sazonal e da necessidade de renovar as vacinas a cada um ou dois anos. Em geral, elas são preparadas com um coquetel dos vírus que foram transmitidos entre a população no ano anterior.

Além disso, como seu genoma é composto de vários segmentos, o vírus pode se misturar ou recombinar quando diferentes cepas infectam o mesmo animal ao mesmo tempo. Por exemplo, isso pode acontecer em um porco infectado por um vírus da influenza humana do tipo H2N2 e um vírus da influenza aviária do tipo H3N8. No porco, é produzida a nova cepa H3N2 – que leva o H3 do vírus da ave e o N2 do humano – e pode infectar e se multiplicar em nossa espécie.

Portanto, o porco funcionaria como um verdadeiro tubo de ensaio natural. Isso explica o surgimento de novos tipos de vírus da gripe, que podem causar pandemias porque a população humana nunca foi exposta ao novo patógeno, então não tem defesas contra ele, e ele pode ser facilmente transmitido.

A gripe é um vírus de aves Os hospedeiros naturais dos vírus da gripe não são os seres humanos, mas as aves aquáticas, como patos ou gansos, os grandes reservatórios ou depósitos naturais da maioria dos subtipos de influenza A. Essas aves podem disseminar o patógeno e transmiti-lo facilmente para aves domésticas, mas também podem infectar porcos, cavalos, morcegos, animais domésticos, mamíferos marinhos e, é claro, seres humanos.

Os vírus da gripe capazes de se ligar a receptores nas células humanas geralmente são dos tipos H1N1, H2N2 ou H3N2. Trata-se, portanto, de uma zoonose: uma doença de animais que passa para os seres humanos.

Pandemias de influenza Segundo dados da OMS, a gripe sazonal pode afetar até um bilhão de pessoas por ano. Ela causa entre 290 mil e 650 mil mortes anualmente devido a complicações da infecção viral, principalmente em crianças com menos de cinco anos de idade.

Até o momento, aconteceram quatro pandemias dessa doença: a cepa de influenza de 1918, que era de origem aviária H1N1 e causou a maior pandemia de gripe da história, com 20 a 40 milhões de mortes em todo o mundo; a de 1957, que se originou do surgimento de um novo patógeno do tipo H2N2 por recombinação entre vírus de aves e humanos; a de 198, que causou uma nova cepa H3N2 também originada da mistura de vírus de aves e humanos; e a ameaça de pandemia em 2009 de uma cepa H1N1 cuja origem foi a recombinação entre cepas de vírus influenza de suínos, aves e humanos. Nesse caso, diferentemente do H1N1 de 1918, causou “apenas” cerca de 200 mil mortes.

H5N1: uma pandemia de gripe em aves No final da década de 1990, o vírus H5N1 apareceu na China, causando alta mortalidade em aves selvagens e casos humanos ocasionais. Posteriormente, ele chegou à Europa por meio de aves migratórias e começou a circular maciçamente e a se diversificar. Desde 2020, uma variante altamente virulenta do H5N1 (denominada 2.3.4.4b) foi detectada e infectou muitas aves: patos, gansos, gaivotas, galinhas, pelicanos, cisnes, abutres, águias, corujas, corvos. Espécies anteriormente livres da doença sofreram mortalidades sem precedentes.

Além disso, não apenas o número, mas a extensão dos surtos na Ásia, na Europa, na África e nas Américas aumentaram significativamente. Centenas de milhões de aves foram abatidas nos EUA e na Europa. O vírus H5N1 pode ser classificado como uma verdadeira pandemia em aves, o que é chamado de panzoótico.

Que passou para os mamíferos Nos últimos meses, o H5N1 também foi detectado em muitos mamíferos: texugos, ursos, gatos, linces, lontras, guaxinins, golfinhos e botos, furões, martas, raposas, leopardos, porcos. Em outubro de 2022, um surto foi identificado na Galícia (Espanha) em uma fazenda de martas e quase 50 mil animais tiveram que ser abatidos. Algumas semanas antes, o vírus havia sido detectado em alcatrazes e gaivotas, de modo que foi capaz de “saltar” dessas aves para o vison. O patógeno tinha uma mutação em um gene da polimerase que poderia facilitar a replicação em mamíferos.

Em 2023, houve surtos maciços em focas e leões-marinhos na Escócia, Peru, Brasil, Uruguai e Argentina, com mortalidades sem precedentes. Também foram relatados surtos em gatos domésticos na Polônia e na Coreia do Sul. A doença foi detectada até mesmo como causa de mortalidade em aves e mamíferos selvagens na região da Antártica.

Tudo isso mostra que não se trata de um salto esporádico de aves para mamíferos, mas de uma transmissão contínua. E confirma a transmissão do vírus H5N1 entre mamíferos, o que é incomum. Isso pode não apenas representar uma ameaça à saúde pública, mas também um problema para a preservação da biodiversidade.

E agora também no gado Em março passado, autoridades dos EUA anunciaram que o vírus H5N1 havia sido detectado pela primeira vez em gado leiteiro em oito estados. É o mesmo tipo 2.3.4.4b que se espalhou pelo mundo. Embora, como mencionado acima, ele seja altamente patogênico em aves, as vacas afetadas sofrem apenas de falta de apetite e redução da produção de leite.

Foi confirmada a infecção de um funcionário de uma das fazendas, mas o único sintoma foi conjuntivite. Os testes não encontraram alterações que tornassem o vírus mais transmissível aos seres humanos. A presença de fragmentos do vírus em amostras de leite pasteurizado também foi relatada.

Casos muito esporádicos do H5N1 foram registrados em humanos. Desde a primeira detecção em 1999 na China, cerca de 900 infecções foram relatadas, sempre em indivíduos em contato muito próximo com aves ou outros animais. Felizmente, o vírus não é transmissível de pessoa para pessoa. Entretanto, em determinadas situações, sua letalidade em humanos pode chegar a 50%. Devemos nos lembrar de que virulência e transmissibilidade são coisas diferentes.

Ainda longe de uma ameaça real O vírus H5N1 está se espalhando cada vez mais em aves e mamíferos. Mas, para se tornar pandêmico, ele teria de se tornar mais capaz de ser transmitido por via aérea entre humanos, melhorar sua capacidade de entrar em nossas células e se multiplicar, além de conseguir burlar o sistema imunológico.

É difícil que toda essa combinação correta de mutações ocorra, mas não impossível. É um vírus que vem nos alertando há muito tempo, e está cada vez mais próximo. O fato de que ele está afetando cada vez mais espécies de mamíferos e começando a ser transmitido aumenta as chances de que ele mude ou se recombine.

À medida que a população humana se expande e o meio ambiente se deteriora, a relação entre pessoas e animais é alterada e novas oportunidades de contato e transmissão de doenças são criadas. Isso ressalta a importância de uma estratégia colaborativa e da comunicação entre todos os setores envolvidos nos cuidados com a saúde humana, animal e ambiental: One Health, “Uma Saúde”, ou “Saúde Global”.

É necessário continuar a monitorar de perto os vírus da gripe e continuar a desenvolver novas terapias e vacinas universais contra ele, pois a influenza continua sendo uma ameaça real.

*O artigo foi escrito pelo membro de Sociedade Espanhola de Microbiologia e professor de microbiologia Ignacio López-Goñi, da Universidade de Navarra, na Espanha, e publicado na plataforma The Conversation Brasil.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Netto Galdino lança clipe de sua nova música chamada “SEXFLIX” com a Miss Alcobaça BA

https://youtu.be/seZHROyJmH8 Sexflix é uma faixa vibrante que funde sensações diversas e ritmos afro-brasileiros com R&B,...

Pré-candidato pelo PL no Rio posta foto com fuzil e faz ameaça

Reprodução/Instagram 1 de 1 rodrigo neves policia civil ...

Relembre a morte de 9 estrelas de Direito de Amar, de volta à Globo

Reprodução 1 de 1 Foto colorida da novela Direito de Amar - metrópoles ...

Mais para você