InícioEditorialAdvogado egípcio processa Netflix por Cleópatra negra em série

Advogado egípcio processa Netflix por Cleópatra negra em série

A divulgação do trailer de Queen Cleopatra retratando a antiga rainha do Egito como uma mulher negra (intepretada pela atriz Adele James) motivou um advogado egípcio a entrar com um processo contra a Netflix em seu país.

A produção, que tem Jada Pinkett Smith como produtora-executiva, envolve uma série documental que “explora as vidas de icônicas e proeminentes rainhas africanas”. Em determinado trecho divulgado, há entrevistadas que dizem frases como “possivelmente ela [Cleópatra] não era egípcia” ou “eu lembro de minha avó me dizendo: ‘Não importa o que eles te digam na escola: Cleopatra era negra’”.

Segundo informações do Egypt Independent, o advogado Mahmoud al-Semary entrou com um processo no Ministério Público do Egito pedindo a investigação e até uma potencial suspensão da plataforma no país, já que, segundo ele, a série estaria distorcendo a história e a identidade do Egito.

“Muito do que a plataforma da Netflix exibe não está nos conformes dos valores e princípios islâmicos e da sociedade, especialmente os egípcios”, diz, na ação.

O ex-ministro de antiguidades do Egito, Zahi Hawaiss, também fez críticas à produção, afirmando que o retrato de Cleopatra como uma mulher negra é “completamente falso. Ela era grega”.

No Twitter, a protagonista Adele James compartilhou algumas ofensas recebidas por internautas e escreveu: “Para sua informação, esse tipo de comportamento não será tolerado em minha conta. Vocês serão bloqueados sem hesitação. Se você não gostou do elenco, não assista ao programa.”

Já a diretora de Queen Cleopatra, Tina Gharavi, deu um depoimento à revista Variety sobre a polêmica: “Fazendo minha pesquisa, percebi o ato político que seria se víssemos uma Cleópatra interpretada por uma atriz negra. Para mim, a ideia de que as pessoas estiveram tão inacreditavelmente erradas antes – historicamente, de Theda Bara a Monica Bellucci, e, mais recentemente, com Angelina Jolie e Gal Gadot na disputa para representá-la – significava que nós tínhamos que acertar ainda mais. A procura era para encontrar a intérprete certa para trazer Cleópatra ao século 21. Por que Cleópatra não deveria ser uma irmã com melanina? E por que algumas pessoas precisam que Cleópatra seja branca?”

“Então, Cleópatra era negra? Nós não sabemos com certeza, mas nós podemos ter certeza de que ela não era branca como Elizabeth Taylor. Temos que ter uma conversa com nós mesmos sobre colorismo e a supremacia branca internalizada com a qual Hollywood nos doutrinou. Acima de tudo, temos que perceber que a história de Cleópatra trata menos sobre ela do que trata de quem nós somos”, continua, em outro momento.
 

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

MPF investiga suposta omissão da PF em ação que matou 26 em Varginha

Polícia Federal indiciou 39 policiais do Bope e da PRF por supostos crimes de...

Casos TikTok e Musk põem holofote em debate político sobre redes e soberania digital

Foto: Tânia Rego/Arquivo/Agência Brasil Casos TikTok e Musk põem holofote em debate político...

Exclusivo: Rodrigão e Adriana Sant’Anna são condenados na Justiça

Quem aí não se recorda do caso babadeiro envolvendo uma briga do ex-BBB Rodrigão,...

CE: professor de muay thai e amigo são presos por golpe do falso Pix

Reprodução 1 de 1 imagem colorida dupla presa golpe pix loja suplementos ceara ...

Mais para você