InícioEditorialPolítica NacionalAGU pede que financiadores dos atos de 8 de janeiro sejam condenados...

AGU pede que financiadores dos atos de 8 de janeiro sejam condenados a pagar R$ 100 milhões por dano moral coletivo

A Advocacia-Geral da União (AGU) formalizou um pedido à Justiça Federal do Distrito Federal nesta sexta-feira, 3, através de uma ação civil pública para que os financiadores dos atos de 8 de janeiro sejam condenados a pagarem um montante de R$ 100 milhões por dano moral coletivo. Entre os alvos da ação estão 54 pessoas físicas, três empresas, uma associação e um sindicato. No caso, são os mesmos acusados que já haviam sido incluídos na ação movida pela União que cobra dos envolvidos o valor dos custos para reparação dos prédios sedes dos Três Poderes, estimado em R$ 20,7 milhões. Na nova petição, a AGU ressalta que, além dos prejuízos materiais causados pelos atos de vandalismo, houve clara violência frontal e grave lesão aos “valores jurídicos superiores, caros a nossa comunidade”, como a democracia. “Os atos foram praticados em desfavor dos prédios federais que representam os três Poderes da República, patrimônio tombado da Humanidade, com a destruição de símbolos de valores inestimáveis, deixando a sociedade em estado de choque com os atos que se concretizaram no fatídico 08 de janeiro de 2023”, diz trecho da ação civil pública. O órgão também pontua que, “além da tentativa de subversão ao regime democrático, desrespeitou-se os próprios poderes constituídos, ambos os valores de índole constitucional”, já que houve a invasão de “espaços dedicados às deliberações dos poderes da República”.

Ao final, a Advocacia-Geral pontua que o Brasil é signatário de compromissos internacionais – Carta das Nações Unidas, a Declaração do Milênio, a Carta Democrática da Organização dos Estados Americanos (OEA), a Convenção Americana sobre Direitos Humanos e o Protocolo de Ushuaia – que o obriga a defender a democracia em solo nacional e que a União tem “a responsabilidade de garantir o pleno funcionamento das instituições democráticas, defendê-las ante ameaças como os eventos objetos deste processo, e de assegurar o pleno funcionamento dos Poderes constituídos”. Anteriormente, a União já entrou com outras ações contra o grupo responsável pelos atos de invasão à sede dos Três Poderes. Na primeira delas, houve um bloqueio de bens de maneira cautelar dos supostos financiadores de fretamento de ônibus para os atos. Em seguida, foi solicitada a condenação definitiva das 54 pessoas físicas, três empresas, uma associação e um sindicato para que estes custeassem os reparos aos prédios públicos depredados. Na segunda ação, houve o bloqueio de bens de 40 pessoas presas em flagrante por participarem da invasão em Brasília. Na terceira e quarta ação, outros pedidos para que 42 presos participantes tivessem seus bens bloqueados.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Alvo de Aras, jornalista tenta tirar vice do ex-PGR de ação no STF

O jornalista André Barrocal, alvo de uma ação movida pelo ex-procurador-geral da República Augusto...

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Ação protocolada pelo PT defende que grupo tenha acesso assegurado aos serviços públicos de...

Silvio de Almeida é aplaudido em culto evangélico ao falar de aborto

São Paulo — O ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida, participou, na noite dessa...

Renascer: abandonada por Rachid, dona Patroa tem virada inédita

Reprodução/Globo 1 de 1 Foto colorida de Dona Patroa (Camila Morgado), em Renascer -...

Mais para você