InícioEditorialPolítica NacionalApós operação, Senado se divide sobre cobranças a Pacheco

Após operação, Senado se divide sobre cobranças a Pacheco

Oposição quer pressionar por diretrizes para “resguardar as prerrogativas”; governistas buscam acesso à lista dos monitorados

Pacheco não deve dar qualquer retorno sobre os pedidos tanto dos senadores da oposição quanto sobre o dos governistas antes da volta dos trabalhos do Legislativo, em fevereiro; na imagem, o Congresso Nacional Sérgio Lima/Poder360 – 22.jun.2022

Gabriel Buss 25.jan.2024 (quinta-feira) – 19h21

O Senado se dividiu depois da operação da PF (Polícia Federal) contra o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ). Enquanto a oposição quer pressionar o presidente da Casa Alta, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), por diretrizes claras para “resguardar as prerrogativas” dos congressistas, governistas querem que Pacheco requisite ao STF (Supremo Tribunal Federal) , m nome do Congresso, a lista de monitorados ilegalmente pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência).

A operação da PF nesta 5ª feira (25.jan.2024) apura suposta espionagem ilegal realizada pela agência de inteligência no período em que Ramagem esteve à frente da agência.

Ao se manifestar sobre a operação, o líder da Oposição no Senado, Rogério Marinho (PL-RN), disse que “se estabeleceu um padrão” nas operações que miram integrantes na oposição. O congressista lembrou que na 5ª feira (18.jan) o alvo da PF foi o líder da Oposição na Câmara dos Deputados, Carlos Jordy (PL-RJ). A ação teve como objetivo identificar pessoas que tenham planejado, financiado e incitado atos extremistas de outubro de 2022 ao início do ano passado.

“Há uma clara ultrapassagem do limite constitucional que foi definido pelo próprio STF [Supremo Tribunal Federal]“, afirmou.

Assista (4min33s):

Já na ala governista, cresceu o desejo de saber quais congressistas podem ter sido monitorados ilegalmente depois que saíram os primeiros nomes de rastreados. Por isso, o plano de levar a Pacheco o pedido de uma solicitação formal ao STF.

Pacheco não deve dar qualquer retorno sobre os pedidos tanto dos senadores da oposição quanto sobre o dos governistas antes da volta dos trabalhos do Legislativo, em fevereiro. Apesar do recesso encerrar em 1º de fevereiro, o ano legislativo começará só dia 5.

Operação da PF A operação deflagrada pela Polícia Federal nesta 5ª feira apura suposta espionagem ilegal realizada pela Abin quando Ramagem era diretor da agência.

Ramagem chefiou o órgão na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) de julho de 2019 até março de 2022, quando deixou o cargo para concorrer às eleições.

Policiais realizaram buscas no gabinete de Ramagem na Câmara dos Deputados. A PF afirma que, além das buscas, há medidas alternativas à prisão sendo cumpridas, como a suspensão imediata do exercício das funções públicas de 7 policiais federais.

Agentes cumprem 21 mandados de busca em Brasília (18), Minas Gerais (2) e Rio de Janeiro (1). A investigação apura o uso irregular de sistemas de GPS da Abin para rastrear celulares de autoridades e cidadãos sem autorização judicial. Entenda mais nesta reportagem.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Mendonça dá 60 dias para empresas renegociarem acordos com Lava Jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu prazo de 60 dias...

Moraes derruba decisões de Receita e Carf contra Globo e atores

Depois de decisões favoráveis do ministro Cristiano Zanin e da Primeira Turma do STF,...

Canadá propõe regras para atuação de plataformas digitais

A Lei de Danos On-line foi apresentada ao Parlamento pelo governo de Justin Trudeau;...

Traficante preso por 720 kg de cocaína é sócio de rapper TZ da Coronel

São Paulo — No dia 22 de fevereiro de 2022, a Polícia Militar (PM)...

Mais para você