InícioNotíciasPolíticaApós reforma ministerial, antipetismo toma conta do PSB paulista

Após reforma ministerial, antipetismo toma conta do PSB paulista

São Paulo – A saída de Márcio França do Ministério dos Portos e Aeroportos, somada ao apoio do PT à candidatura de Guilherme Boulos (PSol-SP) à Prefeitura de São Paulo no próximo ano, tem levantado forte sentimento antipetista na ala paulista do PSB.

O presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira, criticou publicamente o embarque de quadros do Centrão para compor o governo Lula (PT) no lugar de aliados de primeira hora. Mas nos diretórios estadual e municipal do PSB, o sentimento, descrito ao Metrópoles por filiados, é de “profunda traição”.

Integrantes do PSB paulista não enxergam mais o PT como um partido aliado no estado e reclamam que os petistas descumprem, frequentemente, acordos firmados com outras legendas.

Em 2022, Márcio França desistiu da disputa ao Palácio dos Bandeirantes para apoiar a então candidatura de Fernando Haddad (PT), hoje ministro da Fazenda, e compor o palanque petista no estado. Na costura já havia sido acertado que ele integraria o governo Lula caso não fosse eleito para o Senado.

Ex-governador paulista e ex-prefeito de São Vicente, França é o grande expoente do PSB paulista. Ele ironizou, nas redes sociais, a entrega do ministério dos Portos e Aeroportos para Silvio Costa Filho, correligionário do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

Embora Tarcísio tenha dito, inicialmente, que se desfiliaria caso o Republicanos embarcasse no governo Lula, o Metrópoles apurou que ele continuará no partido, já que é defensor de uma das bandeiras mais combatidas por França nos oito meses em que o pessebista esteve à frente da pasta: a privatização do Porto de Santos.

Márcio França (PSB) ironizou embarque do Republicanos no governo Lula após deixar o ministério de Portos e Aeroportos PSB x PT: Efeito Alckmin e candidatura de Tabata Os pessebistas também enxergam falta de comprometimento do PT com o PSB após a sigla ter emplacado Geraldo Alckmin como vice na chapa presidencial. O bom desempenho de Lula em São Paulo é visto, internamente, como um trunfo de Alckmin – e portanto, na visão dos filiados, do próprio PSB.

Para eles, a cereja do bolo tem sido o isolamento do PSB na disputa à Prefeitura de São Paulo para 2024, com a pré-candidatura da deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP).

Embora o Metrópoles tenha mostrado que existe um acordo para que Tabata seja poupada de ataques durante a campanha, filiados disseram que o sentimento é de “menosprezo” à entrada dela na disputa e que faltou mais diálogo do PT com o partido para as eleições do próximo ano.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

STF valida uso de vestimenta religiosa em fotos oficiais

Por unanimidade, Corte estabeleceu que é constitucional o uso de acessórios de cunho religioso...

PETO recupera veículo, onde vítima chegou a ser baleado durante assalto

Nesta quarta-feira (17) de abril, militares do PETO conseguiram recuperar um veículo com restrição...

Com plenário vazio, deputados veem futebol em meio a articulação quente entre Lira e governo Lula

Foto: Levy Teles/Estadão Deputados assistem à cobrança de pênaltis entre Manchester City e...

Regulamentos sobre a nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos

A Lei Federal nº 14.133/2021 representa um marco importante no cenário das licitações públicas...

Mais para você