InícioEditorialPolítica NacionalArticulação do governo sobre vetos incomoda cúpula do Congresso 

Articulação do governo sobre vetos incomoda cúpula do Congresso 

Falhas do Planalto em negociações desagradam até aliados e colocam votação da agenda econômica no Legislativo em risco

Da esquerda para a direita: o líder do Governo no Congresso, Randolfe Rodrigues; o ministro Alexandre Padilha (Relações Institucionais); e o líder do Governo na Câmara, deputado José Guimarães; articulação do governo é alvo de críticas de congressistas Sérgio Lima/Poder360

Emilly Behnke 12.dez.2023 (terça-feira) – 21h12

As divergências na articulação do governo com o Legislativo podem comprometer o avanço da pauta econômica. Congressistas criticam o atraso na análise de vetos presidenciais e afirmam que parte dos trechos rejeitados pelo Planalto não havia sido acordada. Para integrantes da cúpula do Congresso, o governo tem adiado as sessões para a análise de vetos para ganhar tempo e renegociar acordos já fechados.

O Poder360 apurou que o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, é o maior alvo de críticas pelas falhas nas negociações com deputados e senadores. Congressistas cobram mais organização e o cumprimento dos acordos feitos como condição para avançar na pauta econômica prioritária do Ministério da Fazenda.

Como o Poder360 mostrou, a Câmara dos Deputados deve aguardar a votação dos vetos antes de analisar a medida provisória que altera regras da subvenção do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), mesmo se a proposta for aprovada na comissão mista. A MP é considerada a maior prioridade até o final do ano. Se aprovada, o governo estima ter arrecadação de R$ 35 bilhões em 2024.

Aliados do governo avaliam que o governo deve sofrer derrotas na sessão do Congresso de 5ª feira (14.dez.2023). A reunião conjunta de deputados e senadores foi marcada depois de 3 adiamentos. Há 39 vetos na pauta.

O líder do Governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), tenta costurar acordo com as bancadas, mas devem ir para o voto separado os vetos aos projetos do marco temporal de demarcações, das regras do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) e do novo regime fiscal.

Apesar de Lula planejar liberar R$ 11 bilhões em emendas nas próximas semanas, partidos do Centrão e “independentes” resistem a ceder nas votações. A articulação política do governo negocia para que o veto à desoneração da folha de pagamentos fique de fora da pauta da sessão desta semana. O governo quer ganhar tempo para evitar uma derrota que pode custar R$ 18,4 bilhões.

Em reunião de líderes da base de apoio ao governo na Câmara nesta 3ª (12.dez), Randolfe pediu “paciência” aos chefes de bancada para aguardarem a apresentação da proposta alternativa da equipe econômica sobre a desoneração. Segundo ele, o texto deve ser anunciado via medida provisória até 5ª feira (14.dez), quando está marcada a sessão do Congresso.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Reforma tributária assegura isenção para taxistas e motoristas de Uber

Profissionais poderão comprar carros com alíquota zero; a regulamentação também beneficia frutas, ovos e...

Jorge Solla completa lista tríplice para relatar cassação de Brazão

Foto: Lula Marques/ Agência Brasil Jorge Solla (BA) substitui a deputada Rosângela Reis...

Mãe que ameaçou professora deu “carteirada” citando Nikolas Ferreira

A mãe que ameaçou uma professora do Distrito Federal e a acusou de “doutrinar”...

Sarney reúne do governo à oposição para comemorar 94 anos

Ex-presidente recebeu convidados em sua casa para festa de aniversário em Brasília e mostrou...

Mais para você