InícioEditorialEconomiaBalança comercial tem superávit recorde de US$ 8,959 bi em outubro

Balança comercial tem superávit recorde de US$ 8,959 bi em outubro

Logo Agência Brasil

Beneficiada pela queda nas importações de combustíveis e pela safra recorde de soja, a balança comercial – diferença entre exportações e importações – fechou outubro com superávit de US$ 8,959 bilhões, informou, nesta quarta-feira (1º), o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços. O resultado é o melhor para meses de outubro e representa alta de 140,1% em relação ao mesmo mês do ano passado, pelo critério da média diária.

Com o resultado de outubro, a balança comercial encerrou os dez primeiros meses do ano com superávit acumulado de US$ 80,212 bilhões, maior resultado para o período desde o início da série histórica, em 1989. Desde agosto, o saldo positivo acumulado ultrapassa o superávit comercial recorde de US$ 61,525 bilhões de todo o ano passado.

Notícias relacionadas:

  • Produção industrial registra 0,1% em setembro, aponta IBGE.
  •  Copom decide nesta quarta corte dos juros básicos da economia.
  • Decreto altera IPI sobre armas e munições.

Quanto ao resultado mensal, as exportações ficaram estáveis e as importações despencaram em outubro. No mês passado, o Brasil vendeu US$ 29,484 bilhões para o exterior, recuo de 0,7% em relação ao mesmo mês de 2022 pelo critério da média diária. As compras do exterior somaram US$ 20,525 bilhões, recuo de 20,9% pelo mesmo critério.

Do lado das exportações, a safra recorde de grãos e o aumento da produção de petróleo compensaram a queda internacional no preço de algumas commodities (bens primários com cotação internacional). Do lado das importações, o recuo no preço do petróleo e de derivados foi o principal responsável pela retração.

Depois de baterem recorde no primeiro semestre do ano passado, após o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, as commodities recuaram nos últimos meses. Apesar da subida do petróleo e de outros produtos em outubro, os valores continuam inferiores aos do mesmo mês do ano passado.

No mês passado, o volume de mercadorias exportadas subiu 13,7%, enquanto os preços caíram 3,7% em média na comparação com o mesmo mês do ano passado. Nas importações, a quantidade comprada caiu 5%, e os preços médios recuaram 7,4%.

Setores

No setor agropecuário, a safra recorde de grãos pesou mais nas exportações. O volume de mercadorias embarcadas subiu 28,8% em outubro na comparação com o mesmo mês de 2022, enquanto o preço médio caiu 16,2%. Na indústria de transformação, a quantidade subiu 0,9%, com o preço médio recuando 0,8%. Na indústria extrativa, que engloba a exportação de minérios e de petróleo, o volume exportado subiu 35,3%, enquanto os preços médios aumentaram 3,5%.

Os produtos com maior destaque nas exportações agropecuárias foram animais vivos, exceto pescados ou crustáceos (+147,7%); frutas e nozes não oleaginosas (+20,5%) e soja (+12,2%). Em valores absolutos, o destaque positivo é a soja, cujas exportações subiram US$ 559,3 milhões em relação a outubro do ano passado. A safra recorde fez o volume de embarques de soja aumentar 31,8%, mesmo com o preço médio caindo 14,9%.

Na indústria extrativa, as principais altas foram registradas em minérios de cobre e concentrados (+46,3%) e petróleo bruto (+22,8%). No caso do ferro, o valor exportado subiu 36%. A quantidade exportada aumentou 14,6%, e o preço médio subiu 18,6%, puxados principalmente pelos estímulos para a economia chinesa.

Em relação aos óleos brutos de petróleo, também classificados dentro da indústria extrativa, as exportações subiram 22,8%. Os preços médios recuaram 3,6% em relação a outubro do ano passado, mas a quantidade embarcada aumentou 27,4%, impulsionada pelo crescimento da produção.

Na indústria de transformação, as maiores baixas ocorreram na carne bovina fresca, refrigerada ou congelada (-29,7%), celulose (-43,8%) e gorduras e óleos vegetais (-63,3%). A crise econômica na Argentina, principal destino das manufaturas brasileiras, também interferiu no recuo das exportações dessa categoria.

Em relação às importações, os principais recuos foram registrados nos seguintes produtos: trigo e centeio não moídos (-40,7%), milho não moído (-52,4%) e látex e borracha natural (-63,8%), na agropecuária; óleos brutos de petróleo (-8,3%) e gás natural (-32,7%), na indústria extrativa; e compostos organoinorgânicos (-43,1%) e adubos ou fertilizantes químicos (-24,3%), na indústria de transformação.

Quanto aos fertilizantes, cujas compras do exterior ainda são impactadas pela guerra entre Rússia e Ucrânia, a queda deve-se principalmente à diminuição de 48,2% nos preços. A quantidade importada subiu 46,1% em outubro na comparação com outubro do ano passado.

Estimativa

Apesar da desvalorização das commodities, o governo prevê saldo positivo recorde de US$ 93 bilhões, contra projeção anterior de US$ 84,7 bilhões, feita em julho.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, as exportações ficarão estáveis em 2023, subindo apenas 0,02% e encerrando o ano em US$ 334,2 bilhões. As estimativas são atualizadas a cada três meses. As importações recuarão 11,5% e fecharão o ano em US$ 241,1 bilhões.

As previsões estão muito mais otimistas que as do mercado financeiro. O boletim Focus, pesquisa com analistas de mercado divulgada toda semana pelo Banco Central, projeta superávit de US$ 74,95 bilhões neste ano.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Sarney reúne do governo à oposição para comemorar 94 anos

Ex-presidente recebeu convidados em sua casa para festa de aniversário em Brasília e mostrou...

Cartões de confirmação do CNU, com locais de prova, saem nesta quinta

O governo federal disponibiliza, a partir das 10h desta quinta-feira (25/4), o cartão de...

Apostas em corte de 0,25 ponto percentual da Selic batem novo recorde

As apostas dos investidores num corte de 0,25 ponto percentual da taxa básica de...

Mais para você