InícioEditorialEconomiaBC fará consultas públicas para regular mercado de criptoativos

BC fará consultas públicas para regular mercado de criptoativos

Logo Agência Brasil

A sociedade poderá apresentar em breve sugestões para regular uma das principais ferramentas de inovação no sistema financeiro: os criptoativos. Estabelecido desde o fim de junho como regulamentador de ativos virtuais no país, o Banco Central (BC) pretende lançar editais de consulta pública neste semestre.

A regulação, explicou o BC, tem como objetivo limitar os riscos de sistemas virtuais sem administração centralizada, ao mesmo tempo em que tentará não impedir o surgimento de novidades no setor. Entre os princípios a serem observados, estão a livre iniciativa, a livre concorrência, além da proteção e da defesa de consumidores e usuários.

Notícias relacionadas:

  • PF investiga grupo que movimentou R$ 600 milhões em criptoativos.
  • Banco do Brasil permite pagamento de tributos com criptomoedas.

Assim que a regulação entrar em vigor, as empresas que atuam no mercado de ativos virtuais terão pelo menos seis meses para se adaptarem à legislação e às novas exigências.

Segundo o BC, os editais de consultas públicas serão lançados ao longo do segundo semestre para receber sugestões e manifestações de especialistas e do público em geral, antes da regulamentação final sobre o tema. A autoridade monetária estuda as recomendações internacionais sobre o tema e o desenvolvimento do mercado de criptoativos no Brasil e no exterior. O órgão também acompanha as interações desse segmento com o sistema financeiro tradicional.

Os ativos virtuais, informou o BC, representam importante oportunidade de inovação no sistema financeiro, por meio da gestão descentralizada, da redução de custos de negociação, de ganhos de transparência e da integração entre diferentes tipos de produtos e serviços. Essas ferramentas, ressaltou o órgão, ajudam a aumentar a eficiência e a inclusão financeira.

Para reduzir os riscos da nova tecnologia, a regulação pretende evitar que investidores sejam expostos a esses ativos sem os devidos níveis de transparência no fornecimento de informações. O BC informou que a Receita Federal e a Comissão de Valores Mobiliários também participarão do processo, de forma “transversal e coordenada”.

No fim do ano passado, a Lei 14.478 trouxe diretrizes para a prestação de serviços de ativos virtuais no país. Em junho, o Decreto 11.563 estabeleceu o Banco Central como o órgão competente para regular o setor.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Segmento de alimentação abre oportunidades às empresas no Ceará

Saúde, bem-estar e inovação também impulsionam empreendedores no Estado, segundo o Sebrae No Ceará,...

Sete anos após Joesley delatar, Lula vai à JBS e critica a “mentira”

Lula visitou nessa sexta-feira uma indústria de processamento de carne da JBS, elogiou os...

O candidato de Lula a presidente da Câmara não será o de Arthur Lira

A fala original de Ulysses Guimarães, presidente do MDB, da Câmara dos Deputados e...

Atletas olímpicos “convocam” a população para votar nas Eleições 2024

No ano em que o mundo voltará os olhos para os Jogos Olímpicos de...

Mais para você