InícioEditorialPolítica NacionalBolsonaro critica correção da PF em cálculo no caso das joias

Bolsonaro critica correção da PF em cálculo no caso das joias

“Aguardemos muitas outras correções”, diz o ex-presidente; a cifra foi corrigida de R$ 25 milhões para R$ 6,8 milhões

O ex-presidente (foto) se manifestou sobre o caso em suas redes sociais Reprodução/6.jul.2024

PODER360 8.jul.2024 (segunda-feira) – 19h29

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou nesta 2ª feira (8.jul.2024) a correção feita pela PF (Polícia Federal) do valor desviado no caso das joias sauditas. Em relatório enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal), informava que o montante era de R$ 25,2 milhões, no entanto, a corporação retificou que a cifra correta é de R$ 6,8 milhões, como consta em outros trechos do relatório.

“Aguardemos muitas outras correções. A última será aquela dizendo que todas as joias ‘desviadas’ estão na CEF [Caixa Econômica Federal], acervo ou PF, inclusive as armas de fogo”, declarou o ex-presidente em seu perfil no X (ex-Twitter).

Bolsonaro também disse aguardar um posicionamento indicando o possível mandante da facada contra ele em 2018. O autor do crime foi Adélio Bispo. A corporação concluiu que o homem agiu sozinho e sem mandantes. 

Leia abaixo o que disse Bolsonaro: 

O QUE DIZ A PF Em nota, a PF disse haver um erro no material e que uma retificação já foi enviada. Segundo a corporação, o montante de R$ 6,8 milhões não consideraria os bens ainda pendentes de perícia, além das esculturas douradas de um barco e uma árvore, e o relógio da marca de luxo Patek Philippe, desviados do acervo público brasileiro e ainda não recuperados.

ENTENDA O CASO A investigação apura o desvio de 3 kits de presentes luxuosos destinados ao então presidente Bolsonaro por governos estrangeiros.

kit 1: uma escultura de árvore e outra de barco; kit 2: conjunto de joias composto por abotoaduras, um terço, anel e relógio confeccionados em ouro rosê; kit 3: conjunto de joias composto por um relógio Rolex, caneta da marca de luxo Chopard, par de abotoaduras, anel e rosário árabe.

Divulgação/PF

Escultura de árvore, recebida em Manama, no Bahrein, pelo então presidente Jair Bolsonaro (PL) em novembro de 2021

Divulgação/PF

Escultura de barco, recebida durante compromissos oficiais na Arábia Saudita em novembro de 2021

Divulgação/PF

Joias que fazem parte do kit 2, recebido pelo ex-ministro de Minas e Energia Bento Albuquerque na Arábia Saudita em outubro de 2021

Divulgação/PF

Joias que fazem parte do kit 3, entregue ao então presidente durante visita oficial à Arábia Saudita em outubro de 2019 As investigações que constam no relatório serviram para embasar o indiciamento do ex-presidente e de outras 11 pessoas no inquérito que apura a venda ilegal de joias da Arábia Saudita no exterior.

Leia abaixo quem são e quais os crimes:

Jair Bolsonaro, ex-presidente da República (associação criminosa, lavagem de dinheiro e apropriação de bens públicos); Fabio Wajngarten, advogado do ex-presidente (associação criminosa, lavagem de dinheiro); Mauro Cesar Barbosa Cid, tenente-coronel e ex-ajudante de ordens do ex-presidente (associação criminosa, lavagem de dinheiro e apropriação de bens públicos); Mauro Cesar Lorena Cid, general e pai de Mauro Cid (associação criminosa e lavagem de dinheiro); Frederick Wassef, advogado (associação criminosa e lavagem de dinheiro); Bento Albuquerque, ex-ministro de Minas e Energia (associação criminosa e apropriação de bens públicos); Marcos André dos Santos Soeiro, ex-assessor de Bento Albuquerque (associação criminosa e apropriação de bens públicos); Julio Cesar Vieira Gomes, ex-secretário da Receita Federal (associação criminosa, lavagem de dinheiro, apropriação de bens públicos e advocacia administrativa); Marcelo da Silva Vieira, ex-chefe do Gabinete de Documentação Histórica da Presidência da República (associação criminosa, lavagem de dinheiro e apropriação de bens públicos); José Roberto Bueno Júnior, ex-chefe de gabinete do Ministério de Minas e Energia (associação criminosa, lavagem de dinheiro e apropriação de bens públicos); Osmar Crivelati, assessor de Bolsonaro (associação criminosa e lavagem de dinheiro); Marcelo Costa Câmara, ex-assessor de Bolsonaro (lavagem de dinheiro). Quais são os próximos passos? a PGR (Procuradoria-Geral da União) vai analisar as provas colhidas pela PF em até 15 dias e decidir se vai arquivar o caso, pedir mais investigações ou denunciar os envolvidos –a lista de crimes pode mudar; caso a PGR resolva denunciar os envolvidos, a denúncia será analisada pelo STF; o STF, então, pode decidir se aceita a denúncia ou se arquiva o caso. Se escolher aceitar a denúncia, os envolvidos viram réus e responderão ação penal –podendo ser condenados ou absolvidos. O Supremo também pode mandar o caso para a 1ª Instância.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Vaidebet: A Plataforma Definitiva para Apostas Online

O mercado de apostas online está em constante evolução, oferecendo cada vez mais opções...

Partido Democrata avalia antecipar nomeação de Biden

Integrantes querem oficializar a candidatura antes da Convenção Nacional, em 19 de agosto; buscam...

“Ninguém vai te roubar”, diz Nego Di para vítima de golpe: veja prints

O influenciador e humorista Nego Di foi preso em 14 de julho, em Santa...

Dólar vai a R$ 5,58, à espera de reunião de Lula com Haddad. Entenda

O dólar opera em forte alta nesta quinta-feira (18/7). Às 16h20, a moeda americana...

Mais para você