InícioEditorialPolítica NacionalCâmara dos EUA aprova impeachment de secretário do governo Biden

Câmara dos EUA aprova impeachment de secretário do governo Biden

Alejandro Mayorkas era responsável por lidar com as fronteiras do país; Casa Branca é criticada por onda de imigração ilegal

Alejandro Mayorkas, secretário de Segurança Interna DHSgov (via WikimediaCommons) – 4.jun.2021

PODER360 14.fev.2024 (quarta-feira) – 10h37

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou na noite de 3ª feira (13.fev.2024) o impeachment de Alejandro Mayorkas, secretário de Segurança Interna. A decisão é tomada em um momento em que o governo de Joe Biden é criticado pelo aumento no número de imigrantes entrando ilegalmente no país. Mayorkas era responsável pelo monitoramento das fronteiras.

A votação teve maioria mínima, com 214 votos favoráveis e 213 contrários ao impeachment. A Câmara norte-americana tem maioria republicana e é de oposição ao democrata Biden. As informações são da Reuters.

Segundo o jornal, a Casa aprovou 2 artigos de impeachment acusando Mayorkas de não aplicar as leis de imigração dos EUA. Integrantes favoráveis ao afastamento do secretário dizem que a omissão levou a fluxos recordes de migrantes pela fronteira entre os EUA e o México.

Esta é a 2ª vez na história dos EUA que a Câmara aprova o impeachment de um integrante do gabinete da presidência. A última vez foi há quase 150 anos. Agora, o caso é levado para o Senado.

Depois do resultado, segundo informou a Reuters, Mia Ehrenberg, porta-voz do Departamento de Segurança Nacional, disse que a Câmara afastou Mayorka “sem um pingo de evidência ou fundamentos constitucionais legítimos”.

“Os republicanos da Câmara caluniaram um funcionário público dedicado que passou mais de 20 anos aplicando nossas leis e servindo nosso país”, afirmou.

Em comunicado oficial sobre o caso, a Casa Branca disse que a medida era um “jogo político” e que não há “base” para o impeachment. “A história não olhará com bons olhos para os republicanos da Câmara por seu ato de partidarismo inconstitucional que teve como alvo um servidor público honrado”.

A questão da imigração ilegal não é um problema novo para o governo Biden. Ainda no final de 2023, o secretário de Estado, Antony Blinken, e o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, se reuniram na Cidade do México para discutir como reduzir a imigração ilegal na fronteira entre os 2 países.

Blinken afirmou que os EUA estão empenhados em resolver “desafios compartilhados” com o México, incluindo “fluxos de migração irregular sem precedentes”, tráfico de drogas e a reabertura de portos de entrada.

Mayorkas também se pronunciou à época, dizendo que o “desafio regional da migração exige soluções regionais, e apreciamos o compromisso do México em continuar os seus esforços ao nosso lado e com outros”.

O problema da imigração nos EUA será um dos tópicos que devem pautar os debates das eleições presidenciais do país neste ano, marcadas para 5 de novembro. Joe Biden deve concorrer à reeleição contra o ex-presidente Donald Trump.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Funcionário flagrado com diretor em camarim do SBT é comprometido

O alvoroço causado nos corredores do SBT por conta de uma aventura sexual entre...

Saiba quem era Arthur Virgílio Bisneto, ex-deputado federal morto aos 44 anos

O ex-deputado federal Arthur Virgílio Bisneto (PL) morreu nesta terça-feira (28), aos 44 anos, em Manaus. Filho...

55% dos católicos e 27% dos evangélicos aprovam Lula, diz PoderData

Esses são os piores percentuais de aprovação do petista desde a posse entre os...

Que tal privatizar praias?

Getty Images 1 de 1 movimento nas praias do Rio RJ aglomeracao pandemia coronavirus...

Mais para você