InícioEditorialPolítica NacionalCampos Neto diz que mudança na meta afeta política monetária

Campos Neto diz que mudança na meta afeta política monetária

“Quando tem problemas de credibilidade em algum dos lados, afeta o outro”, afirma em referência aos objetivos fiscais do governo

“Precisamos ter harmonia entre a política fiscal e a política monetária”, disse Campos Neto (foto) Sérgio Lima/Poder360 – 27.set.2023

Gabriel Benevides 17.abr.2024 (quarta-feira) – 22h20

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, voltou mostrar preocupação com a mudança da meta fiscal pela equipe econômica do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo o chefe da autoridade monetária, as alterações têm potencial de afetar a política monetária da instituição. 

“O Brasil tem um histórico fiscal há um longo tempo. E esse governo tem tentado muito lidar com esse problema […] Acabamos de ter a revisão de algumas das metas e a questão é: como isso afeta as variações que fazem parte do nosso campo de trabalho”, declarou em entrevista à emissora norte-americana CNBC exibida nesta 4ª feira (17.abr.2024). 

O governo apresentou o PLDO (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias) ao Congresso na  2ª feira (15.abr). Decidiu alterar o objetivo fiscal para 2025: saiu de um superavit primário de 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) para um deficit zero –a mesma meta de 2024

Campos Neto disse reconhecer os esforços do governo em equilibrar as contas públicas, mas apresentou ressalvas em relação ao atraso do superavit. 

“Precisamos ter harmonia entre a política fiscal e a política monetária. O problema quando a credibilidade da política fiscal é afetada são as consequências da política monetária ficarem maiores. Então, quando tem problemas de credibilidade em alguns do lado, você afeta o outro.”

O presidente do BC está em Washington, capital dos Estados Unidos. Participa de reuniões do G20, o grupo das 20 maiores economias do mundo, e de outros eventos, especialmente ligado ao FMI (Fundo Monetário Internacional).

JUROS NOS EUA Campos Neto disse haver mais dúvidas sobre quando o índice de preços norte-americano irá diminuir. Para ele, uma mudança no cenário sobre a inflação leva a mais discussões sobre a situação fiscal do Brasil. 

A premissa é que os Estados Unidos aumentarão seus juros para conseguir controlar a inflação. Como consequência, a dívida brasileira em dólar ficaria mais cara. 

“Se tivermos juros altos por mais tempos, então a sustentabilidade da dívida –não somente nos EUA, mas em vários outros lugares– o fiscal vai ser algo que os economistas vão falar muito nos próximos meses”, afirmou.

A taxa norte-americana está no intervalo de 5,25% a 5,50%. É a mesma desde julho de 2023. O pessimismo do mercado financeiro em relação à queda de juros nos EUA se dá pela atividade econômica forte, que refletiu na inflação anualizada norte-americana em março de 3,5%.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Durante tensão diplomática, Milei diz que viajará à Espanha

Presidente da Argentina pretende ir ao país europeu em 21 de junho para receber...

Vídeo: após TSE rejeitar cassação, Moro diz que julgamento foi técnico

VINÍCIUS SCHMIDT/METRÓPOLES 1 de 1 Imagem colorida do Senador Sérgio Moro (União-PR) deixa gabinete...

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

A desburocratização do acesso aos quatro principais fundos internacionais voltados para o financiamento de...

Companhias aéreas anunciam voos em Canoas como alternativa a Porto Alegre

As companhias aéreas Azul e Latam anunciaram a oferta de voos com origem ou...

Mais para você