InícioEditorialPolítica NacionalCarlos queria "Abin paralela" na gestão Bolsonaro, disse Bebianno em 2020

Carlos queria “Abin paralela” na gestão Bolsonaro, disse Bebianno em 2020

Em entrevista no “Roda Viva”, ex-ministro citou a suposta agência e disse que o ex-presidente não questionou a ideia

O ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência da República Gustavo Bebianno disse em 2 março de 2020 que o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), sugeriu a criação de uma “Abin [Agência Brasileira de Inteligência] paralela”.

Em entrevista ao programa “Roda Viva”, da TV Cultura, Bebianno disse que o ex-presidente lidou com o tema “de forma passiva” e não confrontou Carlos. Não explicou, porém, o papel da suposta agência.

“Um belo dia, o Carlos me aparece com o nome de um delegado federal e de 3 agentes, que seriam uma espécie de ‘Abin paralela’, porque ele não confiava na Abin”, disse Bebianno. Ele atuou no governo Bolsonaro de janeiro a fevereiro de 2019 e foi o 1º ministro demitido do governo. Morreu vítima de um ataque cardíaco 12 dias depois da entrevista.

Assista: 

Segundo o relato de Bebianno, ele e o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo, aconselharam Bolsonaro a não adotar a medida. Segundo eles, a instalação de uma agência de inteligência “paralela” poderia levar o ex-presidente a sofrer um impeachment.

“[Bolsonaro lidou] de forma passiva, desviando do assunto, e não enfrentou. A coisa foi sendo cozinhada, e o Carlos, depois, queria que contratassem um primo dele de qualquer maneira. O general Santos Cruz bloqueou a ideia”, disse na entrevista.

Bebianno não soube dizer se a ideia foi implementada depois que deixou o governo, nem detalhou a finalidade da suposta “Abin paralela”. Afirmou só que a iniciativa poderia ajudar no “ataque de adversários” e na “montagem de dossiês”. 

Essa não foi a única vez que integrantes do governo Bolsonaro mencionaram um esquema de inteligência próprio. Bolsonaro disse durante uma reunião ministerial, em abril de 2020, que tinha um sistema de inteligência “particular”. Não deu detalhes de como seria.

Na mesma ocasião, o então presidente criticou o sistema de inteligência brasileiro, em referência à Abin e à PF (Polícia Federal). Falou que ambos “desinformavam”.

“Sistemas de informações: o meu funciona. O meu particular funciona. Os ofi… que tem oficialmente, desinforma. E voltando ao … ao tema: prefiro não ter informação do que ser desinformado por sistema de informações que eu tenho”, declarou o então presidente da República –que estava em seu 2º ano de mandato.

Eis abaixo a íntegra da fala de Bebianno no “Roda Viva”: 

Gustavo Bebianno: “Um belo dia, o Carlos me aparece com o nome de um delegado federal e de 3 agentes para o que seria uma Abin paralela, porque ele não confiava na Abin. O general Heleno [ex-chefe do Gabinete de Segurança Institucional] foi chamado, ficou preocupado com aquilo, mas ele não é de confronto. O assunto acabou com o general Santos Cruz e comigo e nós aconselhamos o presidente que não fizesse aquilo de maneira alguma porque era muito pior que o gabinete do ódio, aquilo, sim, seria motivo para impeachment. Não sei se isso foi instalado ou não.”

Roda Viva: Mas o que faria exatamente essa Abin paralela?

Gustavo Bebianno: “Imagino que para ataque de adversários, montagem de dossiês. Eles não confiam em ninguém, existe ali uma paranoia familiar de não se confiar em ninguém, no fundo, ele não confia no general Heleno, no fundo, ele não confia no general Ramos [ex-ministro de Bolsonaro], ele não confia em ninguém.”

Roda Viva: Como o presidente reagiu quando essa ideia foi levada a ele?

Gustavo Bebianno: “[Bolsonaro lidou] de forma passiva, desviando do assunto, não enfrentou. A coisa foi sendo cozinhada, e depois o Carlos queria que contratassem um primo dele de qualquer maneira, mas o general Santos Cruz bloqueou.”

OPERAÇÃO QUE MIRA CARLOS A PF cumpriu nesta 2ª feira (29.jan) uma nova etapa da operação que apura suposta espionagem ilegal feita pela Abin durante a gestão de Alexandre Ramagem (PL-RJ), diretor do órgão no governo Bolsonaro. Um dos alvos é Carlos Bolsonaro.

Segundo apurou o Poder360, policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa de Carlos, em seu gabinete na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e na casa de praia da família em Angra dos Reis (RJ). O advogado do vereador, Antonio Carlos Fonseca, acompanha as buscas da PF. A defesa ainda não se pronunciou sobre a operação.

A PF investiga se Carlos recebia informações ilegais da Abin. Ao todo, a corporação realiza 9 buscas no Rio de Janeiro (5), Angra dos Reis (1), Brasília (1), Formosa (GO) (1) e Salvador (1). O objetivo é “avançar no núcleo político, identificando os principais destinatários e beneficiários das informações produzidas ilegalmente na Abin”, segundo comunicado.

Segundo dados da PF, a agência de inteligência agiu para ajudar a família Bolsonaro em diferentes investigações. A Abin teria preparado relatórios para ajudar os advogados do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) no caso das rachadinhas. Teria também tentado produzir provas a favor de Renan Bolsonaro no inquérito sobre suposto tráfico de influência.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Mega-Sena acumula novamente e prêmio chega a R$ 120 milhões

O último concurso da Mega-Sena não teve nenhum vencedor. Isso porque nenhum apostador conseguiu...

Tarcísio relembra ‘legado’ do governo Bolsonaro e agradece padrinho político: ‘Nos mostrou o caminho’

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP), discursou neste domingo, 25, durante...

Comprar Likes Instagram Portugal De Um Site Confiável 2024

Comprar Likes Instagram Portugal de um site confiável 2024 E alcance o crescimento máximo de forma muito conveniente

Mais para você