InícioNotíciasPolíticaCelular Seguro bloqueia mais de 4 mil aparelhos em uma semana

Celular Seguro bloqueia mais de 4 mil aparelhos em uma semana

Lançado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) há uma semana, o programa Celular Seguro bloqueou 4.349 aparelhos perdidos, furtados ou roubados. A pasta divulgou os dados a pedido do portal G1.

O estado de São Paulo tem a maior quantidade de bloqueios. Até a manhã desta quarta-feira (27/12), 1.125 ocorrências haviam sido registradas. As únicas unidades da Federação que se aproximam deste número são Rio de Janeiro, com 494 bloqueios; Pernambuco, 308; e Minas Gerais, 287.

Ainda de acordo com os dados divulgados, a iniciativa teve, até o momento, 579.883 celulares inscritos; 797.353 Cadastros de Pessoas Físicas (CPFs);e 528.836 registros de pessoas de confiança.

O serviço Lançado em 19 de dezembro deste ano, o Celular Seguro promete facilitar o bloqueio de celulares roubados, o que pode inibir esse tipo de crime no Brasil, segundo o MJSP. O serviço, que conta com aplicativo e site, viabiliza junto à operadora telefônica o travamento da linha e impede o acesso a serviços bancários inseridos no aparelho.

O governo também quer ampliar a parceria com outras operadoras para expandir ao bloqueio de chips e não apenas do celular. Além disso, a expansão do serviço prevê o impedimento de que o usuário receba mensagem de recuperação de senha nos aparelhos bloqueados, o que deve ser implementado até 9 de fevereiro de 2024.

Para participar, o usuário deve ter um perfil ou fazer cadastro na plataforma gov.br. Lá, é possível notificar casos de perda ou roubo e ainda registrar “pessoas de confiança”. É preciso lembrar que o bloqueio não ocorre imediatamente. Algumas operadoras dão prazo de até um dia útil, e bancos, até 30 minutos.

Até agora, apenas o Google, entre os principais desenvolvedores, assinou protocolo para adesão ao projeto, que contará no futuro com a possibilidade de bloqueio total do aparelho registrado.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Mais para você