InícioNotíciasPolíticaChoram e estrebucham os órfãos da terceira via, mas o eleito foi...

Choram e estrebucham os órfãos da terceira via, mas o eleito foi Lula

De novo o choro dos órfãos da terceira via, desta vez porque a esquerda em São Paulo terá um candidato forte a prefeito da capital, e a direita, à sombra de Bolsonaro, terá outro. A ser assim, se repetiria a polarização política que só faz mal ao país. É o que dizem.

A propósito: a eleição para presidente mais polarizada da história foi a de 2006, Lula (PT) contra Alckmin (PSDB), a 5ª sob a Constituição de 1988. Juntos, no primeiro turno, os dois atraíram 90,25% dos votos. No segundo, Lula venceu com 60% dos votos.

O que impede o surgimento de um outro nome com chances de se eleger em 2026? O que impede que a dita direita liberal e civilizada se una em torno desse nome? Simples: ela não tem sozinha votos suficientes para enfrentar a parada nem mesmo para prefeito de São Paulo.

Em 2018, juntou-se a Bolsonaro para derrotar Lula que, preso, não pôde concorrer e lançou de última hora Fernando Haddad, o mais tucano dos petistas. A Lava Jato estava no seu auge. Era preciso tirar Lula do mapa e enfraquecer ainda mais um PT carente de pai e mãe.

Foi por isso. Não foi porque a direita liberal e de punhos de renda acreditou na fake news do economista Paulo Guedes de que Bolsonaro se convertera ao liberalismo e às leis do mercado. A intenção de vulto que movia Bolsonaro era só uma: destruir a democracia.

Quatro anos depois, dado ao desastre que ajudara a bancar, ela tapou o nariz, brandiu um exemplar da Constituição e votou em Lula. Embora cobrem de Lula e do PT a autocrítica por seus graves erros do passado, na verdade a direita almofadinha jamais fez a dela.

Vocifera desde então sempre que Lula faz algo que a contraria. Ora, o eleito foi ele, e não importa por quantos votos. Se Bolsonaro tivesse vencido, como estaria o país hoje? No mínimo, com 4 ministros bolsonaristas de um total de 11 no Supremo Tribunal Federal.

E no máximo? Com o ministro Alexandre de Moraes preso ou enforcado em praça pública, segundo ele; um Congresso submisso a dizer amém a todas as vontades do ex-capitão travestido de ditador; e uma mídia acuada ou simplesmente conivente.

Chorar não adianta. Tudo passa, passará. Bolsonaro já começou a passar, o extremismo, não. Lula passará, embora possa demorar um pouco. A terceira via, de preferência com outro nome porque com esse não irá a lugar algum, poderá ressurgir com força a partir de 2030.

Mas há que mostrar serviço desde já. E ter paciência. O mundo gira e a lusitana roda. Se o galo não for extinto, ele continuará a cantar ao amanhecer

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Alckmin volta a dizer que Lula “salvou” a democracia

Presidente em exercício declarou que só é democrata quem...

Exclusivo! Ex-BBB Maycon alfineta Thaís Fersoza: “Falta competência”

Nesta terça-feira (28/2), a coluna Fábia Oliveira bateu um papo exclusivo com o ex-BBB...

Governo federal cria casa em Roraima para atender povo Yanomami

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assinou decreto, nesta quarta-feira (28/2), que...

Mais para você