InícioEditorialPolítica NacionalCommodities lideram exportação em 25 das 27 unidades da Federação

Commodities lideram exportação em 25 das 27 unidades da Federação

Brasil chega ao século 21 parecido com o de 500 anos atrás, como grande produtor de matérias-primas para o mundo, como soja e outros produtos agrícolas na liderança

O Brasil fechou 2023 com o maior saldo da balança comercial da história, de R$ 98,8 bilhões, amplamente comemorado pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A conquista, entretanto, esconde um recorde nas exportações de matérias-primas e produtos primários de baixo valor agregado. Em 25 das 27 unidades da Federação, os produtos mais exportados foram commodities. As mercadorias agrícolas lideraram com folga.

Campeã absoluta das exportações nacionais, a soja foi o principal item vendido pelo exterior em 11 unidades da Federação. O grão respondeu por 16% de todo o valor comercializado pelo Brasil, com R$ 53,2 bilhões em vendas e 101,8 milhões de toneladas exportadas. Para além da pujança do produto nos Estados do Centro-Oeste, a soja também é líder em partes do Sul, Norte e Nordeste.

Na lista dos produtos mais exportados pelo Estados há ainda outras commodities agrícolas, como açúcar e carne de aves; e extrativistas, como petróleo bruto, minério de ferro e madeira. O levantamento foi feito pelo Poder360 a partir dos dados fechados do comércio exterior de 2023, divulgados pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços).

Inicialmente, é importante explicar a definição do conceito de commodities reconhecida internacionalmente:

Commodity é uma palavra em inglês que é amplamente usada dessa forma em vários idiomas (no plural, usa-se commodities). Seu significado principal, em português, é “mercadoria”. No comércio internacional, o termo é usado para definir itens produzidos em larga escala, que podem ser estocados mantendo a qualidade e que servem como matéria-prima, com qualidade e características uniformes. Por exemplo, seja, milho, trigo, feijão, café, carnes, madeira ou minérios. Produtos com algum tipo de industrialização (como açúcar, suco de laranja, leite e combustíveis) também são considerados commodities porque seus preços são determinados pela demanda do mercado internacional.  Dessa forma, também são considerados commodities os óleos combustíveis, precificados pelo mercado internacional e que lideram as exportações na Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte, que contam com grandes refinarias de petróleo. É o mesmo caso do aço, líder em vendas para o exterior no Ceará e no Espírito Santo.

Há duas exceções. Uma delas é a Paraíba, que tem em 1º lugar a exportação de calçados. Mesmo não se enquadrando como commodity, trata-se de um produto de baixa tecnologia agregada e que somou apenas US$ 64,5 milhões em vendas. No Estado, os calçados representaram 34% das exportações, superando por uma mínima margem a venda de açúcar (33%).

No Amazonas, impulsionado pela Zona Franca de Manaus, a venda de itens classificados como “outros produtos comestíveis e preparações” somou 22% das transações. A nomenclatura abrange a fabricação de massas, biscoitos, chocolates, pratos prontos e molhos como ketchup e mostarda. Essas exportações totalizaram US$ 199 milhões, menos de 0,1% do total nacional.

Especialistas ouvidos Poder360 afirmam que a pauta exportadora baseada em matérias-primas e itens de baixo valor agregado é histórica no país. O Brasil nasceu sendo exportador de commodities. A partir dos anos 1500, quando os portugueses desembarcaram em terras tupiniquins, foi desenvolvida uma economia primária. Inicialmente, baseada na extração e exportação de pau-brasil e, posteriormente, de ouro, outros minerais e produtos agrícolas, como café e açúcar.

Esse cenário ainda prevalece em grande parte 500 anos depois, em pleno século 21. A economia brasileira não é mais 100% rural, mas também está longe de ser diversificada e tecnológica como a dos países de 1º mundo. Prova disso são as importações, lideradas por produtos manufaturados de maior valor agregado que, em muitos casos, tem produção interna próxima de zero.

Trata-se de uma combinação perigosa, segundo a economista Carla Beni, que é professora de MBAs da FGV (Fundação Getúlio Vargas). Ao exportar basicamente commodity, o Brasil assim fica refém dos preços mundiais e da variável demanda externa. Por outro lado, a dependência da importação de vários produtos industrializados carrega o risco de possíveis rupturas na cadeia global, uma vez que o país não desenvolveu a produção interna de itens essenciais.

É o caso dos fertilizantes. Apesar do agro pujante, que bate recordes anuais e sustenta as exportações do país, o Brasil depende de adubo estrangeiro para a sua safra. O item liderou as importações de 7 Estados. Foram gastos US$ 14,6 bilhões para adquirir 40,9 milhões de toneladas de fertilizantes, que somaram 6,1% das compras nacionais no exterior.

“O Brasil não produzir adubos e fertilizantes no volume que o agro necessita é um verdadeiro enigma. Temos condições para isso. A necessidade ficou totalmente exposta depois da pandemia com a guerra da Rússia com a Ucrânia, que eram nossos principais fornecedores. Ficamos expostos por não termos nos preocupado em desenvolver isso localmente”, diz Carla Beni.

As importações do país totalizaram US$ 240,8 bilhões em 2023. Considerando o valor comprado, os combustíveis lideram com 7,2% das compras do exterior. Os fertilizantes aparecem em 2º, seguidos por produtos da indústria de transformação. China, Estados Unidos e Alemanha foram os principais fornecedores.

As exportações somaram R$ 339,6 bilhões. Os óleos brutos de petróleo foram o 2º produto mais vendido, com 13% do total. Só perde para a soja, que respondeu por 16% do total exportado. China e Estados Unidos foram os principais destinos, seguidos da Argentina.

Somadas, as 5 principais commodities exportadas (soja, óleo bruto, minério de ferro, açúcar e milho) respondem por 46,6% de tudo o que o Brasil vende para o exterior.

“O Brasil continua se mantendo em um histórico agrário exportador. E este resultado específico se deve pelo recorde de exportação para China, que teve um crescimento da sua atividade econômica muito maior do que se esperava em 2023. O agro vem crescendo, mas ainda responde por cerca de 5% do PIB. Já a indústria, mesmo perdendo força, ainda tem 25%”, diz Beni.

FALTAM INVESTIMENTOS De acordo com Sabrina Navarrete, professora especialista em comércio exterior e coordenadora da pós-graduação em Negócios Internacionais da Fecap (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), o Brasil precisa de uma política de investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação para ampliar a diversificação da pauta exportadora.

Ela cita o exemplo da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), que nas últimas décadas viabilizou o aumento da produtividade no campo e que continua apresentando inovações, como a variedade de soja mais resistente à seca que vem sendo testada.

“Depende de investimento em tecnologia e inovação, de ter um bom ambiente de negócios e uma infraestrutura que dê competitividade. Isso vai permitir uma diversificação e condições de entrarmos no mercado internacional com esses produtos, além do abastecimento interno. Afinal vimos com a covid como as cadeias globais ficaram desabastecidas e como ser muito depende do mundo é um risco“, diz.

A força do agro na exportação é justificada pelas boas condições do país, avalia Navarrete, que afirma que a discussão não é sobre o país deixar de exportar commodity, mas sim fazer um trabalho de diversificação para ampliar a participação de produtos de maior agregado.

“O Brasil tem um cenário muito favorável para produzir commodities, como a extensão territorial, terras férteis e bom regime de chuvas e condições boas para colheita e pecuária. Na década de 1970, a gente também teve um investimento para desenvolvimento da produção de soja. O setor do agro como um todo é muito beneficiado pelo desenvolvimento tecnológico”, diz Navarrete.

Trata-se de um trabalho que precisa ser ampliado para outros setores, segundo Carla Beni, mas também reforçado no agro. Ela lembra que a China tem investimento pesado em tecnologia para produção de alimentos na África.

A área de savana do continente tem clima e solo parecidos com a região de Cerrado no Brasil. Os chineses, assim, podem ter num futuro não tão distante um mercado fornecedor mais perto por um preço menor, uma ameaça para o agro brasileiro.

“A China, vale lembrar, fez um programa de investimento de 2006 a 2020 em pesquisa e desenvolvimento, aplicando 2,5% do PIB ao ano. Foi uma política robusta e de longo prazo que permitiu que agora o país seja reconhecido pela inovação e não mais o país da cópia. É só assim que aumenta a produtividade”, afirma Beni.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Lewandowski determina inspeções em penitenciárias federais

Ministério da Justiça diz que câmeras defeituosas devem ser substituídas e o efetivo de...

Pomba ou rola? Chico Pinheiro detona Silas Malafaia. Entenda!

Chico Pinheiro virou assunto nesta quarta-feira (21/2), depois de fazer uma publicação bastante polêmica...

TV Globo toma atitude após atraso no pagamento de figurantes

Depois da coluna Fábia Oliveira noticiar que figurantes da TV Globo estavam reclamando da...

Mais para você