InícioEditorialPolítica NacionalConfronto entre manifestantes e polícia pós-eleições na França

Confronto entre manifestantes e polícia pós-eleições na França

Conflitos se dão depois de a esquerda vencer pleito legislativo no país; em Paris, mais de 5.000 policiais foram mobilizados

Na imagem, apoiadores da coalizão Nova Frente Popular (esquerda) realizam celebração depois dos resultados das eleições Reprodução/X @C_OR3_ – 7.jul.2024

PODER360 7.jul.2024 (domingo) – 21h11

Manifestantes entraram em conflito com a polícia francesa neste domingo (7.jul.2024) depois de os resultados das eleições serem divulgados. No pleito, a coalizão de centro e esquerda saiu vencedora, alcançando a maioria dos assentos da Assembleia Nacional.  Por conta dos protestos, mais de 5.000 policiais foram mobilizados em Paris.

No resto do país, foram 25.000. Os incidentes começaram a eclodir quando manifestantes ostentando uma bandeira francesa e entoando frases de apoio à união da esquerda chegaram na Place de la République, segundo o Le Pariesien. A situação se agravou pouco antes das 22h do horário local (17h do horário de Brasília), com os primeiros confrontos entre a polícia e os indivíduos mascarados ou encapuzados.

Assista (43seg):

Place de la République, la police transforme son seum en violence.

Mauvais perdants on a dit.@xztim_ pic.twitter.com/4UAxThwCcr

— Marcel (@realmarcel1) July 7, 2024

Assista (26sg):

les forces de l’ordre procèdent à des interpellations de manifestants sur la place de la #Republique #legislatives2024 #Elections2024 #NouveauFrontPopulaire pic.twitter.com/8QvrQkv5uQ

— Timothée Forget (@xztim_) July 7, 2024

Assista (38seg):

Place de la République ce soir.

L’extrême-gauche est le pire ennemi de la France.

Elle gagne, elle détruit tout.

Elle perd, elle détruit tout.

Il faut éradiquer l’extrême-gauche islamo-collaborationniste. pic.twitter.com/D1uxwEwEGM

— Jean MESSIHA (@JeanMessiha) July 7, 2024

Medidas de segurança Para conter possíveis atos violentos nos próximos dias, as autoridades francesas manterão medidas de segurança, que incluem um maior efetivo policial em atividade, em vigor “pelo menos até 16 de julho”, indicando uma preocupação com a continuidade dos distúrbios.

Segundo a mídia francesa, o serviço de inteligência do país já antecipava um “endurecimento” das ações por parte de “movimentos extremistas”, independentemente do resultado das eleições.

A ELEIÇÃO NA FRANÇA

A direita saiu derrotada no 2º turno das eleições para a Assembleia Nacional neste domingo (7.jun.2024). Em 3º lugar, o RN (Reagrupamento Nacional, direita), partido de Marine Le Pen, e seus aliados conseguiram 143 assentos na Casa Baixa do Parlamento, segundo projeção do Le Monde. As urnas fecharam às 20h (15h no horário de Brasília).

O resultado, significativamente abaixo das expectativas depois do 1º turno em 30 de junho, onde se estimavam 297 cadeiras, mostra que a aposta do presidente francês Emmanuel Macron de convocar novas eleições legislativas depois do avanço da direita no Parlamento Europeu deu certo, e a aliança entre centro e esquerda foi crucial para impedir a vitória esperada do RN.

O “cordão sanitário”, que incentivou candidaturas menos competitivas a desistirem do 2º turno para reduzir as chances da direita, foi eficaz em barrar a ascensão de um primeiro-ministro do Reagrupamento Nacional. Jordan Bardella (RN, direita), era o mais cotado para assumir o cargo. No entanto, nem o centro, nem a esquerda alcançarão a maioria absoluta de 289 cadeiras das 577 necessárias para formar um governo sozinhos.

Assim, finalizada a apuração na França, a NFP (Nova Frente Popular), coalizão formada às pressas para derrotar Marine Le Pen (Reagrupamento Nacional, direita), conquistou 182 cadeiras das 577.

Eis como ficou o número de cadeiras por posição política:

esquerda – passou de 142 para 182; centro – passou de 246 para 168; direita – passou de 153 parlamentares para 188 (somando os 2 partidos). O futuro da coabitação entre os partidos na Assembleia Nacional ainda é incerto, mas Macron evitou uma derrota esmagadora, já que sua coalizão terá um desempenho superior ao da direita. No entanto, isso não representa exatamente uma vitória para Macron.

Quando o presidente francês dissolveu a Assembleia Nacional depois da derrota nas eleições para o Parlamento Europeu, disse que a medida era necessária para permitir que a população francesa escolhesse seus governantes. No 2º turno deste domingo (7.jul), sua coalizão ainda foi menos votada que a união de esquerda, e o descontentamento de segmentos franceses com seu governo ainda é visível.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Gestão de processos: conheça 8 vantagens

A gestão de processos é uma abordagem estratégica que visa otimizar as operações de...

Dicas para Implementar Práticas de ESG na Empresa

Implementar práticas de ESG (Environmental, Social, and Governance) em uma empresa não é apenas...

Kamala tem 44% dos votos contra 42% de Trump, diz pesquisa

Levantamento da “Reuters”/Ipsos foi feito após desistência de Biden e confirmação do ex-presidente como...

MP quer saber onde estão os animais do zoo de Beto Carrero World

Divulgação 1 de 1 Imagem colorida do Beto Carrero - Metrópoles ...

Mais para você