InícioNotíciasPolíticaDecisões do STF favorecem Torres para manter salário durante prisão

Decisões do STF favorecem Torres para manter salário durante prisão

O STF decidiu pelo menos nove vezes nos últimos cinco anos que o servidor público alvo de processo criminal não pode ter o salário reduzido. Os precedentes do tribunal foram citados na última semana pela defesa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres à Justiça, em um processo em que Torres busca manter os R$ 87 mil que recebeu quando ficou preso.

A Polícia Federal (PF), órgão em que Torres é servidor de carreira, tem tentado reaver o salário pago a Torres durante sua prisão. A corporação cita uma nota técnica do Ministério da Economia de 2020, no governo Bolsonaro, um ano antes de Torres assumir o Ministério da Justiça. Contudo, a defesa de Torres citou pelo menos nove casos do Supremo que contrariam essa tese.

Dos nove julgamentos desde 2019, dois foram no plenário, quatro na Segunda Turma, e outros três na Primeira Turma. As duas decisões do plenário foram unânimes e citaram que o entendimento é “pacífico”. Na mais recente, o relator do caso, ministro Nunes Marques, escreveu em março do ano passado:

“Ao prever que o servidor criminalmente processado já poderá ficar sem remuneração em virtude de decisão de autoridade administrativa, o dispositivo viola a cláusula do devido processo legal porquanto priva o servidor de um de seus direitos mais básicos da relação estatutária, que é o estipêndio [salário], antes mesmo da conclusão do processo criminal”. No caso em questão, os ministros derrubaram uma norma da Polícia Civil do Paraná que questionava a remuneração dos agentes detidos.

Em novembro de 2019, o relator foi o ministro Luís Roberto Barroso. Ao julgar uma regra do governo do Pará, Barroso afirmou:

“Tal norma viola os princípios constitucionais da presunção de inocência e da irredutibilidade de vencimentos”, afirmou, completando: “É inequívoco que a redução de vencimentos de servidores públicos pelo simples fato de serem processados criminalmente infringe artigos da Constituição, os quais abarcam os princípios da presunção da inocência, da ampla defesa e da irredutibilidade de vencimentos”.

Torres foi preso preventivamente no ano passado por quatro meses, por ordem do ministro Alexandre de Moraes, por supostos crimes no 8 de janeiro. O Ministério Público ainda não ofereceu denúncia contra o ex-ministro. Desde maio, quando foi solto, Torres segue usando tornozeleira eletrônica e cumprindo medidas cautelares.

O ex-ministro da Justiça é alvo de uma série de processos. Um deles tramita no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e apura supostos crimes ambientais. Como mostrou a coluna na semana passada, Torres afirmou à PF que seu pássaro mais valioso sumiu do Ibama, onde suas aves estão apreendidas há dez meses. Outros 16 pássaros de Torres morreram sob a guarda do órgão ambiental.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Flávio Dino toma posse como ministro do Supremo Tribunal Federal

Novo membro assumirá cargo na Corte três meses após ser indicado pelo presidente Luiz...

Polícia Civil de São Paulo prende suspeitos de sequestrar idoso

A Polícia Civil de São Paulo prendeu nesta quinta-feira, 22, mais três suspeitos de...

Valdemar e Anderson Torres rompem silêncio e prestam depoimento à Polícia Federal

O presidente nacional do Partido Liberal, Valdemar Costa Neto, e o ex-ministro da Justiça...

Mais para você