InícioEditorialPolítica NacionalDeltan critica foro privilegiado: ‘Faz o crime compensar e aumenta os índices...

Deltan critica foro privilegiado: ‘Faz o crime compensar e aumenta os índices de criminalidade’

A Proposta de Emenda Constitucional que propõe o fim do foro por prerrogativa de função, chamado popularmente de foro privilegiado, está parada há 4 anos na Câmara dos Deputados. O texto prevê a extinção do foro em caso de crimes comuns, o que retira a competência do Supremo Tribunal Federal (STF) de julgar ações penais contra deputados, senadores, ministros de Estado entre outras autoridades. Para falar sobre o tema, o Jornal da Manhã, da Jovem Pan News, entrevistou o deputado federal e ex-procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol (Podemos). O parlamentar argumenta o foro privilegiado favorece a impunidade para quem está no poder: “Acaba ferindo o princípio da Justiça, porque quando você protege essas pessoas que cometem crimes graves e estão no andar de cima, o que acontece é que elas seguem nos governando e seguem fazendo crimes. Você estimula o crime no andar de cima, não rompe o círculo vicioso da corrupção e a impunidade, como vários estudos demonstram, acaba sendo um fator que estimula, faz o crime compensar e aumenta os índices de criminalidade”.

“Essa proposta, a PEC 333/2017 preserva o foro privilegiado para poucas autoridades, essas das quais dependem a estabilidade econômica e política do país. O que não faz sentido é que toda a autoridade tenha foro privilegiado (…) Você estabelece uma desigualdade injustificada, em que algumas pessoas são colocadas em uma posição privilegiada que acaba significando uma proteção especial contra a investigação, processamento e responsabilização dos crimes, o que é duplamente ruim. É ruim porque é desigual, estabelece uma aristocracia e fere princípios básicos da nossa constituição, como o princípio da igualdade e o princípio republicano de que você não tem mais castas, ou uma realeza, uma aristocracia”, argumentou. A proposta prevê que os únicos cargos nos quais seria mantido o foro por prerrogativa de função seriam os de presidente da República, vice-presidente da República, presidente da Câmara dos Deputados, presidente do Senado Federal e presidente do Supremo Tribunal Federal.

Para o deputado, apenas nos casos de funções que são essenciais para a estabilidade política e econômica do país o foro privilegiado se justificaria: “Esse argumento de que o foro privilegiado funcionaria para proteger autoridades altas contra perseguições políticas não se sustenta. Existe um segundo argumento, que diz que o foro privilegiado existe para proteger a estabilidade institucional do país contra investigações que podem se multiplicar na primeira instância com relação às pessoas que conduzem os negócios do país e as pessoas mais importantes do país. Esse argumento se justifica quando você fala de uma, duas, cinco ou dez pessoas, das quais dependem a estabilidade econômica e política do país”. De acordo com Deltan, em todos os outros casos o foro é um mecanismo que cria desigualdade entre os cidadãos e sobrecarrega o STF: “Veja que você está reduzindo de 57 mil pessoas, para 5 pessoas, se isso for aprovado. A gente vai estar seguindo o padrão mundial. Vai acabar com o foro privilegiado para promotor de Justiça, juiz, delegados, deputado federal, senador da república e muita gente”.

“Enquanto a Suprema Corte americana julga 100 casos por ano, a nossa julga 100 mil casos por ano, não tem como funcionar. O ministro demora dois, três ou cinco meses para fazer aquilo que um juiz faz em dois ou três dias. A investigação simplesmente não anda, não acontece e não vai a lugar nenhum (…) É um sistema que não funciona, estabelece uma desigualdade e não tem nada equivalente no mundo. No mundo, quando se dá foro privilegiado para alguém, são cinco ou 10 pessoas. Vários países não tem essa figura do foro privilegiado. E no Brasil sabe quantas pessoas tem foro privilegiado? Mais de 57 mil pessoas”, justificou.

Dallagnol também rebateu os argumentos de que as autoridades sem o foro privilegiado utilizariam de sua influência política para interferir nos processos em primeira instância: “Onde que os ministros, deputados e senadores tem mais acesso? Na primeira instância, que entram juízes técnicos e concursados, ou no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribunal de Justiça, onde entram juízes escolhidos politicamente? É claro que é nos tribunais superiores. Na primeira instância, você vê pessoas que passaram em concursos, técnicas. A razão de ser institucional da primeira instância é apurar fatos e aplicar a lei de modo muito firme. Como eu trabalhei na primeira instância posso dizer de boca cheia, você vê um monte de gente idealista, bem intencionada e que quer fazer a diferença. Pessoas que atuam politicamente na primeira instância vão ser a exceção da exceção. Já nos tribunais superiores e no próprio Tribunal de Contas, são tribunais escolhido politicamente, a realidade é outra”. O parlamentar acredita que o clima na Câmara é favorável para a aprovação da PEC e deu detalhes da tramitação.

“Já foi constituída a comissão especial, já foi aprovada em comissão especial. Falta agora só votar no plenário. Só é isso que falta. Se for votada no plenário, a gente vai acabar com essa excrecência no Brasil, que é o foro privilegiado. O pedido que fiz na Câmara é que ela seja colocada em votação pelo presidente da casa. Quem decide se ela entra em votação, ou não, é o Arthur Lira, ele tem o grande poder de agenda da Câmara dos Deputados e decide o que entra e o que não entra em votação”, explicou. Confira a entrevista completa no vídeo abaixo.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Fazer refeições mais cedo reduz risco de problemas cardiovasculares

Estudo mostra que quem come depois das 21h tem probabilidade 28% maior de desenvolver...

A avaliação do time de Lewandowski sobre o projeto que limita delações

Integrantes da cúpula do Ministério da Justiça veem com cautela o projeto de lei...

Após seca histórica, indústria do AM acende alerta para clima em 2024

Meses após a seca histórica no Rio Negro, em Manaus, capital do Amazonas, a...

Governador liga para Lewandowski após ataques com mortes no Ceará

Elmano de Freitas (PT) diz não descartar pedir apoio do governo Lula para reforçar...

Mais para você