InícioEditorialPolítica NacionalDepoimentos de Mauro Cid à PF somam 33 horas; veja como foram...

Depoimentos de Mauro Cid à PF somam 33 horas; veja como foram divididos

Foto: Edilson Rodrigues/Arquivo/Agência Senado

O tenente-coronel Mauro Cid 12 de março de 2024 | 09:44

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), depôs por mais de nove horas à Polícia Federal (PF) nesta segunda-feira, 11. O depoimento começou às 15 horas de segunda e só terminou às 00:20 de terça, conforme apurado pelo Estadão.

Apesar da extensão, não se trata da audiência mais longa de Cid com os investigadores da PF. É o sétimo depoimento do tenente-coronel à corporação, que totalizam 33 horas. Além disso, Cid prestou uma delação premiada de termos que tramitam em sigilo.

Cid depôs à PF sete vezes

3 de maio de 2023: não falou;

18 de maio de 2023: não falou;

6 de junho de 2023: não falou;

25 de agosto de 2023: 2 horas;

28 de agosto de 2023: 10 horas;

31 de agosto de 2023: 12 horas;

11 de março de 2024: 9 horas.

Cartão de vacina e invasão ao CNJ

Mauro Cid foi preso pela PF no dia 3 de maio, durante as diligências da Operação Venire, investigação sobre uma possíveis fraude nos cartões de vacinação de Jair Bolsonaro e sua filha Laura. O tenente-coronel foi convocado a depor em três ocasiões: no dia 3 de maio, no dia 18 de maio e no dia 6 de junho. Nas três oportunidades, optou por permanecer em silêncio.

Cid integrou a equipe de ajudância de ordens de Bolsonaro e, após a deflagração da Venire, se viu envolvido em mais diligências contra o ex-presidente. Em agosto de 2023, o tenente-coronel foi questionado no bojo da investigação sobre a invasão aos sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para inserção de mandado de prisão falso contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. O pivô do caso é Walter Delgatti Neto, o “hacker da Vaza Jato”. Cid falou à PF sobre o caso do hacker em 25 de agosto, por 2 horas, e voltou a depor três dias depois, quando falou por 10 horas.

‘Caso das joias’

O ex-ajudante de ordens foi vinculado a outra investigação, o caso das joias sauditas. , com a deflagração pela PF da Operação Lucas 12:2. Segundo as diligências, aliados do ex-presidente teriam vendido joias e outros objetos de valor recebidos em viagens oficiais da Presidência da República.

Cid é suspeito de ter participação das negociações ilegais. Um dos presentes vendidos é uma estatueta de coqueiro, que teria sido negociada pelo tenente-coronel e seu pai, o general Mauro Cesar Lourena Cid. Mauro Cid, o filho, voltou a prestar depoimento à PF em 31 de agosto, quando falou por 12 horas, depoimento de maior duração até aqui.

Acordo de delação

Após os seis depoimentos, Cid fechou um acordo de cooperação com os investigadores para prestar delação premiada. Os termos do acordo tramitam em caráter de sigilo. Sabe-se, entretanto, que alvos da Operação Tempus Veritatis foram citados por Cid na delação. São os casos de Filipe Martins e Walter Braga Netto. A delação do tenente-coronel também mencionou a existência da “minuta golpista”, elemento-chave do inquérito sobre uma tentativa de golpe de Estado.

Juliano Galisi/Estadão Conteúdo

Comentários

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Zona Franca de Manaus mantém benefícios fiscais com reforma tributária

Proposta de regulamentação da reforma tributária dá incentivos para a produção industrial e para...

Governo consegue adiar sessão sobre derrubada de vetos de Lula, evita derrotas e contraria Lira

Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira...

Contratadas! Fernanda e Pitel ganham programa no Multishow

Instagram/Reprodução 1 de 1 Fernanda e Pitel posam juntas durante festa no BBB24 -...

DF: Receita desarticula esquema de sonegação com rombo de R$ 98 mi

Divulgação / Secretaria de Economia 1 de 1 Viaturas da Receita do DF -...

Mais para você