InícioEditorialPolítica NacionalDerrapadas desgastam governo Lula na disputa política sobre a guerra Israel-Hamas

Derrapadas desgastam governo Lula na disputa política sobre a guerra Israel-Hamas

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação/Arquivo

O presidente Lula 19 de outubro de 2023 | 12:54

O governo Lula e aliados vêm derrapando na disputa política quando o assunto é a guerra Israel-Hamas, provocando assim um desgaste para o governo.

Oscilações no discurso sobre o Hamas e a Palestina, embate do PT com a embaixada de Israel e demissão de presidente da EBC por postar nas redes críticas a apoiadores de Israel são alguns dos episódios desde que a guerra eclodiu em 7 de outubro.

Relembre episódios:

OSCILAÇÃO NO DISCURSO

Na primeira manifestação do presidente Lula sobre a guerra, ele condenou os atentados contra Israel. O mandatário disse ter ficado chocado com os ataques contra civis em Israel, que ele descreveu como “terrorismo”.

Sem mencionar o grupo islâmico extremista Hamas, que assumiu a autoria dos ataques, o mandatário afirmou que o Brasil não pouparia esforços para evitar uma escalada no conflito.

O presidente, por outro lado, também defendeu ações que garantissem a existência de um Estado Palestino.

Deputados e senadores exploraram, em particular, a proximidade ideológica de alguns parlamentares do PT com a causa palestina. Alguns aliados de Lula chegaram a defender o Hamas no passado, o que ampliou o potencial de desgaste para o governo.

Também buscaram explorar o que consideram complacência do atual governo por não considerar o Hamas como um grupo terrorista. O Brasil adota a posição histórica de seguir a classificação ditada pela ONU (Organização das Nações Unidas), que não incluiu o grupo nessa categoria.

Parlamentares do PT, incluindo os atuais ministros Alexandre Padilha (Secretaria de Relações Institucionais) e Paulo Pimenta (Secretaria de Comunicação Social), chegaram a assinar em 2021 uma nota em apoio ao Hamas, quando o Reino Unido decidiu classificá-lo como uma organização terrorista.

EMBATE PT E EMBAIXADA DE ISRAEL

O PT subiu o tom contra Israel nesta terça-feira (17) em uma troca de críticas públicas com a embaixada do país em Brasília. Com isso, ampliou a pressão sobre o governo no embate político sobre a guerra contra o grupo terrorista Hamas.

As declarações do partido —que disse que o representante de Israel no país “não tem autoridade moral para falar em direitos humanos”— levou aliados de Lula a tentar nos bastidores descolar o governo da troca de acusações.

Na segunda-feira (16), o PT divulgou uma resolução sobre o conflito em que disse rechaçar “todo e qualquer ato de violência contra civis, venham de onde vierem”. “Por isso, condenamos os ataques inaceitáveis, assassinatos e sequestro de civis, cometidos tanto pelo Hamas quanto pelo Estado de Israel, que realiza, neste exato momento, um genocídio contra a população de Gaza, por meio de um conjunto de crimes de guerra”.

A acusação de que Israel comete crimes de guerra e genocídio provocou uma resposta da missão diplomática. Em uma rede social, a embaixada falou em “extrema falta de compreensão da atual situação”.

CASO EBC

O presidente da EBC (Empresa Brasil de Comunicação), Hélio Doyle, foi demitido nesta quarta-feira (18) após compartilhar em redes sociais publicações críticas a apoiadores de Israel.

A demissão foi confirmada nos bastidores por assessores palacianos. No entanto, o governo federal articulou uma saída para que o próprio Doyle anunciasse que ele pediu para deixar o cargo.

A demissão acontece horas após Doyle usar sua rede social para repostar publicação em que chama os apoiadores de Israel de “idiota”. “Não precisa ser sionista para apoiar Israel. Ser um idiota é o bastante”, diz a postagem.

Mas essa não foi a única. O ex-presidente da EBC publicou nas redes uma série de críticas a Israel ao longo dos últimos dias. Em uma de sua autoria, ele critica veículos de mídia por sua cobertura no conflito.

CELSO AMORIM

No Congresso brasileiro, foram preparados requerimentos de convocação para o assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Celso Amorim, e para o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira.

O requerimento de convocação de Amorim na Câmara dos Deputados tem como justificativa pedir que ele explique fala dada em entrevista ao Painel, da Folha, no qual afirmou que o ataque do Hamas teve como origem “anos de tratamento discriminatório” de Israel contra palestinos.

Três deputados do PL ainda solicitaram aprovação de moção de repúdio a Amorim pela declaração.

PADILHA E REUNIÃO COM PALESTINOS

O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), afirmou que irá se encontrar com o presidente da Conib (Confederação Israelita do Brasil), Claudio Lottenberg, em novembro.

O anúncio foi feito após repercussão negativa do encontro de Padilha, antes da eclosão do conflito, com integrantes do Instituto Brasil Palestina e com o chefe da representação do Brasil na Cisjordânia, Alessandro Candeas.

Padilha também foi criticado por receber, na ocasião, um assessor parlamentar que, no dia dos ataques, debochou nas redes sociais de uma das vítimas israelenses. Sayid Tenório acabou exonerado do cargo que ocupava no gabinete do deputado Márcio Jerry (PC do B-MA).

Folhapress

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Holocausto “não pode ser comparado a nada”, diz chanceler alemã

Annalena Baerbock está no Brasil para o encontro de ministros do G20 e foi...

Grupo que matou jovem fez outra vítima com “mesmo modus operandi”

Os envolvidos na morte do vendedor Matheus Silva Cruz (foto em destaque), 23 anos,...

Rio de Janeiro decreta epidemia de dengue

O Estado do Rio de Janeiro decretou nesta quarta-feira, 21, epidemia de dengue em...

Tudo acordado com o Executivo sobre emendas foi sancionado, diz Haddad

“Isso foi reconhecido pelo próprio Arthur Lira”, afirma o ministro da Fazenda em relação...

Mais para você