InícioEditorialDia do Trabalho é marcado por protestos contra a reforma da Previdência...

Dia do Trabalho é marcado por protestos contra a reforma da Previdência na França

Milhares de manifestantes foram às ruas na França protestar contra a reforma da Previdência nesta segunda-feira, 1º, Dia do Trabalho. Foram registrados confrontos entre policiais e manifestantes em várias  cidades, como Paris e Nantes. A reforma foi aprovada pelo presidente Emmanuel Macron, em março, e eleva de 62 para 64 anos a idade de aposentadoria. As manifestações reuniram entre 782.000 mil e 2,3 milhões de pessoas, segundo as autoridades e o sindicato CGT, respectivamente, embora não tenham alcançado o nível de mobilização do começo de março. Segundo o ministro do Interior, Gerald Darmanin, 108 membros das forças de segurança ficaram feridos.  “É um grande 1º de maio. Não é o fim da luta, é o protesto do mundo do trabalho contra esta reforma”, disse o líder do sindicato CFDT, Laurent Berger, no começo do protesto, em Paris, por ocasião do Dia Internacional do Trabalhador. A França virou o centro das atenções do mundo desde o começo dos protestos, em janeiro deste ano. Tanto que representantes sindicais da Coreia do Sul, Turquia, Colômbia, Espanha, e de outros países, estiveram presentes em Paris. “Não se trata de preservar as aposentadorias na França, mas em todo o mundo. As pessoas deveriam poder se aposentar dignamente”, disse David Huerta, de 56 anos, representante do sindicato americano do setor de serviços SEIU-USWW, em entrevista para a Agência AFP.

Nos protestos desta segunda-feira, ativistas ambientais atiraram tinta na fachada da Fundação Louis Vuitton e na sede do Ministério da Justiça francês.  O intuito é denunciar uma “lei da Previdência climaticida”. O assunto está longe de ter um ponto final. Os sindicatos têm a expectativa de que o Conselho Constitucional valide na quarta-feira um pedido da oposição de esquerda para organizar um referendo que limite a idade da aposentadoria a 62 anos, após a rejeição a uma proposta similar. Por outro lado, Macron defende a reforma de evitar um déficit futuro no caixa previdenciário. Ele busca relançar seu segundo mandato até 2027. Entretanto, sempre é recebido com panelaços e vaias em suas viagens pela França. No entanto, o presidente francês pretende não ceder à pressão. Os sindicatos prometem continuar na luta contra uma reforma vista como injusta. As entidades avaliam que a reforma penaliza as mulheres que interromperam suas carreiras para cuidar dos filhos e aqueles que começaram a trabalhar muito jovens.

*Com informações da AFP

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Comunicado da EMBASA – População de Medeiros Neto

Para possibilitar manutenção emergencial no sistema de captação de água de Medeiros Neto, o...

Os benefícios do jogo responsável em cassino online – Como se divertir com segurança?

Os cassinos e as casas de apostas online se transformaram numa alternativa popular de...

Dicas para contratar uma empresa de Marketing que vai impulsionar o seu negócio

Na era digital, o marketing é fundamental para o sucesso de qualquer empresa. Mas...

Revolução dos Cravos faz 50 anos com direita no poder em Portugal

Movimento veio do descontentamento com o regime ditatorial do Estado Novo; marcou a derrubada...

Mais para você