InícioNotíciasPolíticaDrama do colapso do solo em Maceió se agrava; entenda as razões

Drama do colapso do solo em Maceió se agrava; entenda as razões

A desocupação forçada de áreas em Maceió (AL) nesta semana abriu novo capítulo no drama que atinge a capital alagoana há mais de cinco anos. A Justiça Federal, baseada em relatórios técnicos, determinou a inclusão de novas áreas na zona de risco para colapso em minas da Braskem, o que resultou na evasão de moradores da região afetada – mais de 60 mil pessoas já tiveram que sair, deixando bairros fantasmas na cidade.

A medida atende a pedido do Ministério Público Federal, da Defensoria Pública da União e do Ministério Público do Estado de Alagoas pela inclusão de mais áreas no programa de realocação da Braskem. A Justiça estabeleceu que o monitoramento também fosse intensificado.

O aumento da zona desocupada se dá no momento em que há um alerta de colapso iminente de uma mina da petroquímica Braskem na região do antigo campo do CSA, na Lagoa Mundaú, no bairro do Mutange.

A zona, segundo a Defesa Civil de Maceió, já estava praticamente desocupada. Diante do risco iminente de colapso, o órgão municipal pediu que embarcações e população evitem transitar na região até nova atualização do órgão.

De acordo com a Defesa Civil, as análises apontam que, em caso de colapso, há chances de surgimento de um sinkhole, fenômeno caracterizado pelo afundamento da superfície e formação de uma cratera, devido ao esvaziamento do subsolo.

Por causa da situação, a Prefeitura de Maceió decretou estado de emergência por 180 dias e criou um Gabinete de Crise para acompanhar a situação.

Veja o tamanho da região afetada pelo risco em Maceió e as novas áreas de monitoramento:

Governo federal preocupado “Orientei hoje os ministros Wellington Dias e Renan Filho a acompanharem de perto, em Maceió (AL), o risco iminente de colapso de uma mina da petroquímica Braskem na Lagoa Mundaú, no bairro do Mutange”, afirmou o presidente em exercício, Geraldo Alckmin (PSB), na noite de quinta (30/11). “Estamos atentos e de prontidão para as ações que forem necessárias e ajudar no que for preciso”, completou ele.

Também na quinta, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou ter entrado em contato com o ministro da Integração e Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, para falar sobre a emergência na cidade de Maceió.

No contato com o ministro, Lira solicitou “prontidão e alerta da Defesa Civil Nacional para acompanhar as graves consequências geradas pela exploração das minas pela Braskem”.

Problema antigo O problema em torno do afundamento na região em que estão localizadas 35 minas de sal-gema da Braskem só veio à tona em março de 2018, quando um forte tremor atingiu a região. Reportagem especial do Metrópoles mostrou a tragédia provocada pela mineração no local.

Mineradora Braskem em Maceió causa afundamento do solo e coloca bairros em risco. Maceió (AL), 04/05/2021

Terreno afundou em Maceió (AL) por causa da mineração de sal-gema Igo Estrela/Metrópoles

Mineradora Braskem em Maceió causa afundamento do solo e coloca bairros em risco. Maceió (AL), 04/05/2021

Desastre da Braskem em Maceió (AL) Igo Estrela/Metrópoles

Mineradora Braskem em Maceió causa afundamento do solo e coloca bairros em risco. Maceió (AL), 04/05/2021

Rua com deformações em Maceió

Mineradora Braskem em Maceió causa afundamento do solo e coloca bairros em risco. Maceió (AL), 04/05/2021

Bairros de Maceió estão afundando devido à mineração de sal-gema Igo Estrela/Metrópoles

maceio

Famílias perderam casas após afundamento de áreas Reprodução/Redes sociais

Desastre em mina de Maceio

Tremores de terra foram sentidos e relatados por moradores entre a segunda (27/11) e a terça (28/11). Itawi Albuquerque / Secom MCZ

O risco iminente de formação de crateras levou à saída emergencial de cerca de 55 mil pessoas da área. O problema, constatado por órgãos da esfera municipal, estadual e federal, se relaciona a minas de sal-gema da petroquímica Braskem exploradas no subsolo da área urbana da capital do estado.

O sal-gema é retirado de rochas a cerca de mil metros da superfície. Ele pode ser usado normalmente na cozinha, mas seu uso é importante em vários processos industriais, por exemplo, na produção de PVC e soda cáustica.

Como mostrou reportagem do Metrópoles, grandes quantidades de sal-gema foram encontradas no subsolo de Maceió na década de 1960, e, em 1976, a empresa Salgem — que passou ao comando da Braskem em 2002 — começou a cavar minas na região, com anuência das autoridades locais.

A mineração na região só foi paralisada em março de 2019, após ter sido confirmada a relação com o afundamento.

CPI travada No Senado Federal, o drama dos moradores de Maceió situação pode virar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), após requerimento apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). A questão, porém, ainda está travada.

“Estamos, em várias frentes, cobrando a responsabilização da empresa Braskem pelo maior crime ambiental urbano do mundo. Venho apelando, inclusive, em caráter humanitário. São mais de 200 mil vítimas de uma exploração mineral irracional e irresponsável que, literalmente, afundou vários bairros em Maceió, está se alastrando para outros bairros e agora o pânico dos abalos sísmicos”, disse o senador Renan Calheiros.

No último dia 24 de outubro, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), leu o requerimento. Ainda assim, a instalação formal da CPI ainda depende de acertos políticos, pois é preciso que os líderes partidários indiquem os participantes de cada bancada.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Lira e Juscelino comemoram São João em granja de Aguinaldo Ribeiro

Deputado recebe presidente da Câmara e ministro das Comunicações em Campina Grande, na Paraíba ...

Juliette não teve autorização da família Gonzaga para adaptar música

Daniel Gonzaga, neto de Luiz Gonzaga, decidiu se manifestar sobre a polêmica em torno...

Leilão do arroz: com polêmica, ministro pede saída de diretor da Conab

Com a polêmica da anulação do leilão de arroz, o ministro do Desenvolvimento Agrário,...

Tarcísio diz que escolas cívico-militares promovem “direitos humanos”

Governador de São Paulo defendeu modelo de educação em manifestação a Gilmar Mendes; STF...

Mais para você