InícioEditorialPolítica NacionalEleição na França tem quase 60% de participação com polarização

Eleição na França tem quase 60% de participação com polarização

Em 2022, taxa de comparecimento às urnas no mesmo horário era de 38,1%; votos por procuração quadruplicaram neste ano

A França tem registrado um elevado comparecimento eleitoral neste domingo (7.jul.2024), dia em que o país decide a nova configuração da Assembleia Nacional, a Casa Baixa do Parlamento. Os franceses têm demonstrado interesse maior do que o comum nesta eleição fora de época, realizada em meio a um cenário de alta polarização e tensão política. 

De acordo com o Ministério do Interior da França, às 17h (horário de Paris, 12h no horário de Brasília) deste domingo, 59,7% dos eleitores tinham participado do 2º turno das eleições legislativas. Em 2022, o comparecimento no mesmo horário era de 38,1%.

O voto no país é facultativo. No entanto, existe a figura do voto por procuração, permitindo que uma pessoa autorize outra a votar em seu lugar. Nesta eleição, o número de votos por procuração registrados até as 17h foi recorde e 4 vezes maior do que o de 2022.

Com a participação elevada até as 17h, a tendência é que o comparecimento neste 2º turno supere com folga a taxa de 66,7% registrada no 1º turno, há uma semana. Há chances, inclusive, de o país ultrapassar o maior índice de participação eleitoral das últimas décadas, em 2007: 73,3%. As urnas fecham às 20h, pelo horário local. 

Esta é uma eleição diferente na França. Foi convocada antecipadamente pelo presidente Emmanuel Macron quando ele dissolveu o Parlamento francês depois do seu partido, o Renascimento (centro), ter sido derrotado pelo RN (Reagrupamento Nacional, direita), de Marine Le Pen, nas eleições para o Parlamento Europeu. Segundo Macron, a medida era necessária para permitir que a população francesa escolhesse seus governantes.

VITÓRIA DA DIREITA No último domingo (30.jun), os franceses votaram no 1º turno e deram vitória à direita. O RN obteve 33,2% dos votos. A NFP (Nova Frente Popular, esquerda), de Jean-Luc Mélenchon, teve 28% dos votos. A coalizão Juntos (centro), da qual faz parte o Renascimento, partido de Macron, obteve 20% dos votos.

Depois do resultado, o centro e a esquerda se uniram na chamada “frente republicana” na tentativa de barrar a ascensão de um primeiro-ministro de direita. A coalizão orientou seus candidatos com poucas chances de vitória, estejam eles em 2º ou 3º lugares, a desistirem de concorrer. O movimento tem o objetivo de concentrar todos os votos da esquerda e do centro em 1 único nome contra a direita. 

O prazo para retirar a candidatura acabou na 3ª feira (2.jul). Ao todo, foram 224 desistências, a maioria para aderir à “frente republicana”, conforme dados do Ministério do Interior. Como resultado, das 306 disputas entre 3 candidatos que poderiam ocorrer, sobraram 89.

A França, diferentemente do Brasil, tem um sistema semipresidencialista. O presidente é eleito diretamente, mas divide parte da responsabilidade com o primeiro-ministro, escolhido pelo Legislativo. Hoje, o primeiro-ministro francês é Gabriel Attal, do mesmo partido de Macron.

Para indicar alguém para o cargo de primeiro-ministro, é necessário que o partido ou a frente tenha pelo menos 289 deputados. Caso a direita vença as eleições deste domingo (7.jul), a França entraria num sistema conhecido como “coabitação”: um presidente de centro (Macron) e um premiê de direita.

Macron foi eleito em abril de 2022 e seu mandato é de 5 anos. Ficará no cargo até 2027.

POSSÍVEIS CANDIDATOS A PREMIÊ Leia sobre os possíveis candidatos ao cargo de primeiro-ministro da França:

DIREITA: JORDAN BARDELLA, RN

Parlamento Europeu – 14.dez.2022

O eurodeputado, Jordan Bardella

Juntou-se ao partido de Le Pen aos 16 anos. Sete anos depois, em 2019, foi escolhido para liderar o RN nas eleições europeias. Em 2022, tornou-se presidente da sigla.

Aos 28 anos, Bardella apresenta-se como um potencial “primeiro-ministro do poder de compra”, com promessas como a redução do IVA sobre energia e combustível e do imposto de renda para os jovens.

O jovem político usa o TikTok para atrair eleitores. Ele tem um perfil com mais de 1,9 milhão de seguidores. Opositores criticam sua falta de experiência e planos econômicos irreais.

CENTRO: GABRIEL ATTAL, JUNTOS

reprodução/Instagram @gabrielattal – 5.out.2023

O primeiro-ministro da França, Gabriel Attal

Apelidado de “bebê Macron”, Attal foi nomeado primeiro-ministro em janeiro deste ano. Com 35 anos, é o mais jovem a ocupar o posto até então e o 1º premiê do país assumidamente homossexual.

Attal entrou aos 17 anos na política como integrante do Partido Socialista e teve ascensão meteórica sob Macron. Tornou-se amplamente conhecido depois de atuar como porta-voz do governo durante a pandemia de covid-19. Também foi ministro do Orçamento e da Educação antes de assumir a liderança do governo.

O atual primeiro-ministro foi escalado para lidar com a insatisfação dos franceses em relação a Macron, que muitas vezes é visto como indiferente às necessidades do povo.

ESQUERDA A esquerda é formada por uma ampla aliança e ainda não indicou 1 único nome para o cargo de primeiro-ministro. A seguir estão alguns dos prováveis indicados.

Wikimedia Commons

Da esquerda para a direita: Jean-Luc Mélenchon, Raphael Glucksmann e Laurent Berger

JEAN-LUC MÉLENCHON, FRANÇA INSUBMISSA – aos 72 anos, atua há décadas na política. Concorreu à presidência 3 vezes (2012, 2017 e 2022) e vem melhorando seus resultados a cada pleito. No último, ficou em 3º lugar, atrás de Macron e Le Pen;

É descrito por muitos como um político de “extrema-esquerda”. Tem propostas de redução de impostos para os mais pobres e aumento de investimentos, retórica de guerra de classes e posições controversas na política externa, especialmente em relação à guerra em Gaza; RAPHAEL GLUCKSMANN, PARTIDO SOCIALISTA – o jornalista de 44 anos encabeçou a lista de candidatos às eleições europeias de junho e conquistou cerca de 14% dos votos.

Seu partido comandou a França nas últimas décadas, mas teve uma recente queda vertiginosa. Defende um forte apoio europeu à Ucrânia na guerra contra a Rússia; LAURENT BERGER, SINDICALISTA – presidente da Confederação Europeia de Sindicatos e ex-líder da Confederação Democrática Francesa do Trabalho, um dos principais sindicatos da França. Berger tem 55 anos e histórico de oposição ao RN.

Já disse que não pretende ser primeiro-ministro, mas seu nome tem sido cogitado como uma alternativa popular e mais moderada do que Mélenchon.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Sophia Valverde se revolta com o SBT: “Dez anos jogados no lixo!”

Contratada do SBT entre 2016 e 2022, Sophia Valverde detonou a emissora de Silvio...

Jovens são indiciados por homicídio doloso após acidente que matou motorista de app em Guarulhos

A Polícia Civil de São Paulo indiciou dois jovens por homicídio com dolo eventual...

Celso Amorim se reúne com autoridade dos EUA para discussão bilateral

O assessor especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais, Celso Amorim, se reuniu...

Mais para você