InícioEditorialPolítica NacionalEntenda a negociação entre Brasil e Paraguai sobre Itaipu

Entenda a negociação entre Brasil e Paraguai sobre Itaipu

Governos dos 2 países discutem tarifas de 2024 e revisão do chamado anexo C do tratado de construção da usina, que trata das bases financeiros do acordo

Os governos do Brasil e do Paraguai estão negociando novas regras para a usina de Itaipu, administrada pela estatal Itaipu Binacional e localizada na divisa entre os dois países, em Foz do Iguaçu (PR). As discussões passam pela definição da tarifa que será cobrada pela energia gerada em 2024, e pela revisão do chamado anexo C do tratado de construção da hidrelétrica.

A fixação da tarifa é o ponto mais urgente. A taxa, chamada de Cuse (Custo Unitário dos Serviços de Eletricidade), é definida todos os anos, em acordo entre Brasil e Paraguai. É cobrada em dólar pela energia gerada, num cálculo que considera, dentre outros pontos, as despesas operacionais da usina e parcelas das dívidas contraídas para construção da barragem.

O presidente do Paraguai, Santiago Peña, veio a Brasília em 15 de janeiro para uma reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), cuja pauta foi a negociação da tarifa da usina de Itaipu. O país quer aumentar a taxa dos atuais US$ 16,71 por kW/mês para US$ 20,75, ou seja, um reajuste de 24%.

Na ocasião, Lula reconheceu que há divergências entre os 2 países sobre o tema. O lado brasileiro se nega a dar qualquer aumento. O governo federal fez uma contraproposta, mas para reduzir a tarifa paga pela energia da hidrelétrica em 11,6%, indo para US$ 14,77.

Reuniões com negociadores dos 2 países sobre a tarifa têm sido feitas quase semanalmente. Do lado brasileiro, os ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Mauro Vieira (Relações Exteriores) participam ativamente das tratativas e já avisaram ao Paraguai que nenhum aumento será aceito.

O Poder360 apurou que o debate está longe de um consenso e não há prazo para o fim da negociação. Embora o desejo de Lula e do governo seja de reduzir a tarifa para baixar a conta de luz no país, diante da pressão paraguaia a tendência é que o Brasil aceite um acordo para manter a taxa atual.

Do lado paraguaio, Peña, que assumiu a presidência em agosto de 2023, quer aumentar a arrecadação federal vinda da usina para ajudar a financiar obras no país que foram prometidas em campanha.



Já o governo brasileiro tem ponderado 2 pontos. Em 1º lugar, Lula tem batido no custo da energia elétrica para os consumidores regulados, que são aqueles atendidos pelas distribuidoras locais. Um eventual aumento em Itaipu pioraria a situação, visto que esse contrato só é pago por esses consumidores.

Segundo cálculos feitos pelo sócio-fundador do Cbie (Centro Brasileiro de Infraestrutura) Advisory, Bruno Pascon, a proposta do Paraguai levaria a um aumento da conta de luz dos brasileiros em 1,4%. Já a oferta do governo Lula levaria a uma queda geral nos preços de 0,7%.

Em 2º lugar, o governo brasileiro entende que não há razão para aumentar a tarifa, uma vez que o custo de operação de Itaipu não subiu e que a dívida feita para construir a usina já foi paga. Por isso, na verdade, haveria espaço para reduzir a taxa.

A geração de energia da usina de Itaipu é dividida: 50% para cada país. Historicamente, porém, o Paraguai usa cerca de 17%. A sobra é vendida ao Brasil pelo valor do Cuse. Assim, além de pagar à usina a taxa referente à sua metade, o governo brasileiro injeta recursos no caixa paraguaio com a compra do excedente.

A previsão consta no chamado anexo C do Tratado de Itaipu, assinado entre Brasil e Paraguai em 1973, quando as duas nações firmaram uma sociedade binacional para a construção da usina. Em fevereiro de 2023, a empresa quitou as últimas parcelas da dívida contraída há 50 anos para erguer o empreendimento. 

Com o fim da dívida, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou a manutenção do valor do Cuse em US$ 16,71/kW para 2024, que vale até a definição final. O Cuse compõe 94,61% do preço de repasse da hidrelétrica, sendo que o restante era formado majoritariamente pelos pagamentos da dívida.

A taxa para este ano, no entanto, segue sem uma resposta final. O mesmo dilema foi enfrentado em 2022 e 2023, mas em proporções menores. A diferença é que desta vez o Paraguai vinha se recusando a assinar o documento responsável por permitir que a usina funcione provisoriamente enquanto as partes chegam a um consenso. 

Diante do impedimento, o orçamento da estatal binacional para 2024 ficou bloqueado, o que só foi resolvido na última semana. Por causa disso, tanto o Brasil como o Paraguai estavam impedidos de pagar seus fornecedores, até mesmo os funcionários. 

Sem o orçamento final para 2024, que depende da fixação da tarifa, os planos de investimento da estatal também ficam em stand-by. É o caso da possibilidade de patrocínio à COP30, a Conferência do Clima da ONU (Organização das Nações Unidas). Como mostrou o Poder360, o governo Lula espera R$ 1 bilhão da usina para o evento, que será em Belém (PA), em 2025.

O anexo C A discussão entre Brasil e Paraguai, no entanto, vai além da fixação das tarifas para 2024. Os países também precisam redefinir os termos do anexo C do Tratado de Itaipu, que estabelece as bases financeiras do acordo. 

Trata-se de uma discussão menos urgente, que o Brasil defende que só seja feita após a definição da tarifa de 2024. O Paraguai, por outro lado, quer que ambas as decisões sejam tomadas ao mesmo tempo.

O anexo C foi assinado em 26 de abril de 1973 e tinha validade de 50 anos, tendo expirado no ano passado. Dentre os pontos que eram definidos pelo documento e que precisam ser revistos, está a metodologia de cálculo do Cuse. Eis as íntegras do anexo C (PDF – 88 kB) e o seu regulamento (PDF – 235 kB).

Pelas regras do anexo, o cálculo deveria ser feito considerando:

As potências anuais a serem contratadas;  A energia a ser gerada a cada ano;  Os montantes anuais correspondentes aos rendimentos de capital (lucro), aos “royalties” e ao ressarcimento dos encargos de administração e supervisão; Os montantes anuais do serviço da dívida de Itaipu; O serviço da dívida decorrente dos investimentos remanescentes, em cada ano; As despesas anuais de exploração;  O saldo da conta de exploração do exercício anterior. Os documentos especificam a forma de cálculo do fator de reajuste de cada um dos itens acima. Os chamados “royalties” são compensações financeiras que os governos brasileiro e paraguaio recebem pela utilização do potencial hidráulico do Rio Paraná para a produção de energia.

O anexo C também inclui as condições de suprimento, como a regra de que o Paraguai é proibido de vender o excedente energético para outros países, sendo obrigado a repassá-lo ao Brasil a preço de custo. Isso porque o Paraguai entrou em dívida com o Brasil no processo de construção da usina.

“A energia produzida pelo aproveitamento hidrelétrico será dividida em partes iguais entre os dois países sendo reconhecido a cada um dos mesmos o direito de aquisição da energia que não seja utilizada pelo outro país para seu próprio consumo”, diz trecho do regulamento do anexo C.

No ano passado, Santiago Peña chegou a afirmar que não pretendia retirar a cláusula de exclusividade de venda do excedente, o que já chegou a ser considerado pelo país no passado.

No entanto, caso o governo brasileiro se mantenha irredutível de rever os valores, os paraguaios podem acabar optando pelo fim da obrigação em busca de um país que pague mais pela sua energia.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Comissão dos EUA diz que Moraes “censura” oposição ao governo Lula

Relatório de deputado pró-Trump diz que ministro do STF tenta “forçar” o X (ex-Twitter)...

Ato de Bolsonaro no Rio no dia 21 terá governadores e parlamentares: veja quem vai

Foto: Divulgação Jair e Michelle Bolsonaro 17 de abril de 2024 | 21:45 ...

Veja momento em que câmeras espiãs são encontradas em casa de deputada

Um vídeo mostra o momento em que as câmeras instaladas no apartamento alugado pela...

Campos Neto diz que mudança na meta afeta política monetária

“Quando tem problemas de credibilidade em algum dos lados, afeta o outro”, afirma em...

Mais para você