InícioEditorialPolítica NacionalErro na troca do BC pode resultar em fiasco, diz Armínio Fraga

Erro na troca do BC pode resultar em fiasco, diz Armínio Fraga

Ex-presidente do Banco Central afirma que afrouxamento da política monetária aumenta a desconfiança com a moeda e o seu custo

Armínio Fraga (foto) defendeu voto em Lula na campanha de 2022 e disse não se arrepender, mas que “esperava mais” quanto à área econômica Bel Pedrosa/Fórum Econômico Mundial

PODER360 1.jun.2024 (sábado) – 22h32

O ex-presidente do BC (Banco Central) Armínio Fraga disse neste sábado (1º.jun.2024) que há “alguma insegurança” na troca do comando da autoridade monetária. Em entrevista à Folha de S. Paulo, Fraga afirmou que uma troca equivocada poderia resultar em um “fiasco político” com a alta da inflação e a perda de confiança do mercado.

“No que diz respeito ao Banco Central, já havia alguma insegurança com relação à troca no comando. É um momento importante. Se quem entrar se meter a besta, a inflação começar a subir e o mercado perder a confiança, vai ser um grande fiasco político, inclusive, e rápido”, respondeu sobre as causas que mais influenciam na expectativa de taxas futuras de juros mais altas.

O ex-presidente da autarquia afirmou que a reunião de maio do Copom e o “afrouxamento” da meta fiscal foram um sinal desse fiasco. Ele critica a posição do governo em relação à política monetária e fiscal.

“Esse discurso assim mais frouxo na política monetária só atrapalha, porque fica a desconfiança. Havendo desconfiança com relação à moeda, o custo aumenta. É uma tristeza ver como a coisa está sendo conduzida, as pressões políticas explícitas, os ataques ao Banco Central, a ideia de que responsabilidade fiscal é uma grande maldade”, declarou.

Em março, o Copom (Comitê de Política Monetária) projetava uma redução de 0,50 p.p (ponto percentual) da Selic. Contudo, a orientação não foi seguida. Em 8 de maio, o BC decidiu reduzir a taxa básica de juros em 0,25 p.p. e declarou que a diminuição será menor a partir de junho.

A taxa caiu de 10,75% para 10,50% ao ano. Os integrantes do Copom tomaram a decisão com 5 votos favoráveis à menor redução e 4 votos pelo patamar que vinha sendo seguido, de 0,50 p.p. O presidente do BC, Roberto Campos Neto, teve o voto de minerva (desempate).

Todos os que votaram para o corte de meio ponto percentual foram indicados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para o Banco Central.

Com relação à política fiscal, a dívida bruta da União, Estados, municípios e estatais registrou deficit nominal de R$ 1,034 trilhão nos últimos 12 meses. O montante equivale a 76% da dívida do PIB (Produto Interno Bruto) e é o maior nível desde abril de 2022, segundo o BC.

O atual presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, já defendeu que há incertezas em relação ao cenário externo, possibilidade de mudança da meta de inflação e dúvidas sobre a credibilidade do arcabouço fiscal.

Em outras ocasiões, Armínio Fraga, que foi presidente da autarquia de 1999 a 2002, no início do 1º governo Lula, já demonstrou insatisfação com a atuação do petista.

Declarou seu apoio a Lula em outubro de 2022, durante a campanha eleitoral, e apesar de já ter dito que não se arrependeu de seu voto, afirmou que tinha “expectativas maiores”.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Estudo identifica proteína que ajuda covid a fugir do sistema imune

Descoberta de novo mecanismo de evasão viral representa avanço na imunoterapia e perspectiva promissora...

Quem é Luciane, mãe de Matteus, também envolvida em polêmica de cotas

O ex-BBB Matteus Amaral virou assunto nesta sexta-feira (14/6) devido a fraude de cotas...

Movimento no União Brasil pode barrar candidatura de Elmar à Câmara

Parece que, além da resistência do governo em relação ao nome de Elmar Nascimento...

RECORDAR ENSINA – Os Estados Unidos não são um país sério

19:22 A comissão que investiga os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001...

Mais para você