InícioEditorialEstudo da UFMG estima 18% de subnotifcações de mortes por COVID

Estudo da UFMG estima 18% de subnotifcações de mortes por COVID

Pesquisadores analisaram atestados de óbitos de causas relacionadas à COVID-19 no início da pandemia e estimaram subnotificação de ao menos 18% no número de mortes no Brasil. Os resultados foram divulgados na revista PLOS Global Public Health. A investigação foi coordenada pelo Grupo de Pesquisas em Epidemiologia e Avaliação em Saúde (Gpeas), da Faculdade de Medicina da UFMG.

Entre as causas relacionadas, que podem ter ocultado casos de morte pela COVID-19, estão a síndrome respiratória aguda grave (SRAG), pneumonia não especificada, sepse, insuficiência respiratória e causas mal definidas. No estudo, foram analisados 1.365 casos de óbitos ocorridos entre fevereiro e junho de 2020, em Belo Horizonte, Salvador e Natal.

Após cruzamento das bases de dados sobre mortalidade, a equipe de pesquisa coletou dados de prontuários médicos, exames e outras informações sobre cada caso e analisou se o registro deveria citar como causa básica a COVID-19.

“Muitas vezes, o óbito ocorreu antes de os exames ficarem prontos, de forma que o médico assistente declarou como causa básica um fator mal definido ou uma doença que, na verdade, foi uma intermediária no processo mórbido. Em outros casos, a demanda de trabalho para as equipes de saúde era tão grande que ocorreram erros no registro das causas de morte, como a inversão de causas intermediárias com a causa básica”, explica a professora aposentada da Faculdade de Medicina Elisabeth França, que atua na pós-graduação em saúde pública e coordenou o estudo.

Com a referência em mãos, foi estimada a subnotificação para o perfil epidemiológico do país, considerando idade, estado de residência e causa específica registrada nos sistemas oficiais de mortalidade. Após essa análise, os pesquisadores chegaram à estimativa de subnotificação de 18% das mortes por COVID-19 no ano de 2020. Os pesquisadores observaram maior subnotificação entre idosos (25,5%) do que em pessoas com menos de 60 anos (17,3%).

O estudo contou com a colaboração da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Norte e das secretarias municipais de Saúde de Belo Horizonte e de Salvador. O financiamento foi da Vital Strategies.

Os resultados confirmam estimativa elaborada recentemente pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que apontou um número total de mortes pela COVID-19 superior àquele divulgado pelos órgãos oficiais dos países. (Com informações da Agência UFMG)
* Estagiário sob supervisão do editor Álvaro Duarte
Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Fazer refeições mais cedo reduz risco de problemas cardiovasculares

Estudo mostra que quem come depois das 21h tem probabilidade 28% maior de desenvolver...

A avaliação do time de Lewandowski sobre o projeto que limita delações

Integrantes da cúpula do Ministério da Justiça veem com cautela o projeto de lei...

Após seca histórica, indústria do AM acende alerta para clima em 2024

Meses após a seca histórica no Rio Negro, em Manaus, capital do Amazonas, a...

Governador liga para Lewandowski após ataques com mortes no Ceará

Elmano de Freitas (PT) diz não descartar pedir apoio do governo Lula para reforçar...

Mais para você