InícioNotíciasPolicialExército vetou remoção de golpistas de QG do DF, diz Ibaneis

Exército vetou remoção de golpistas de QG do DF, diz Ibaneis

O governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), negou nesta sexta, 13, em depoimento à Polícia Federal, “qualquer tipo de conivência” com os atos radicais em Brasília e afirmou que foi a favor da remoção dos acampamentos bolsonaristas em frente ao Quartel-General na capital federal, mas o Exército foi contra. A área é jurisdição das Forças Armadas.

Ibaneis foi ouvido por cerca de duas horas e meia sobre a invasão e depredação das sedes dos três Poderes por apoiadores radicais do ex-presidente Jair Bolsonaro. Questionado sobre as concentrações na porta do quartel, o governador afastado disse que defendeu a retirada das estruturas antes da posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 1.º. Partiu do acampamento a marcha de radicais que vandalizaram Congresso, Supremo Tribunal Federal e Palácio do Planalto.

O delegado questionou se Ibaneis sabia dos protestos e do risco de atos violentos. Ele negou ter sido omisso e afirmou que não tinha conhecimento da possibilidade de ações extremas. Segundo ele, os órgãos de segurança do DF estavam cientes da manifestação e prepararam um protocolo integrado de ações. Disse ainda que, como gestor, não participou das reuniões para elaboração desse plano e não tinha a atribuição de “examinar em minúcias” questões operacionais de segurança.

Ibaneis também relatou que, pouco antes da invasão, recebeu a informação de que a situação estava controlada. Em áudio, compartilhado com os investigadores, o então secretário da Segurança em exercício, Fernando Oliveira, diz que a mobilização transcorria de forma “tranquila”. Ibaneis declarou que recebeu mensagens do ministro da Justiça, Flávio Dino, alertando sobre a chegada de ônibus a Brasília, e que a informação foi repassada à Secretaria de Segurança.

TV

O governador afastado declarou que acompanhava os atos pela televisão e, assim que a manifestação começou a sair do controle, imediatamente deu ordem para que todas as providências fossem tomadas para esvaziar o prédio do Congresso e prender os vândalos.

Ibaneis foi questionado sobre a atuação das forças de segurança do DF, que teriam sido lenientes com os extremistas. Ele afirmou que foi “surpreendido” pela conduta de alguns PMs, mas que não poderia ser responsabilizado pela “sabotagem”. Sobre seu ex-secretário Anderson Torres, declarou que “perdeu a confiança” no auxiliar porque ele estava “ausente” no dia dos atos.

O depoimento foi marcado a pedido da defesa de Ibaneis. Os advogados Cleber Lopes e Alberto Zacharias Toron disseram que entregaram documentos que comprovam as informações prestadas. Ibaneis foi afastado por ordem do ministro do STF Alexandre de Moraes.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Alvo de Aras, jornalista tenta tirar vice do ex-PGR de ação no STF

O jornalista André Barrocal, alvo de uma ação movida pelo ex-procurador-geral da República Augusto...

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Ação protocolada pelo PT defende que grupo tenha acesso assegurado aos serviços públicos de...

Silvio de Almeida é aplaudido em culto evangélico ao falar de aborto

São Paulo — O ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida, participou, na noite dessa...

Renascer: abandonada por Rachid, dona Patroa tem virada inédita

Reprodução/Globo 1 de 1 Foto colorida de Dona Patroa (Camila Morgado), em Renascer -...

Mais para você