InícioEditorialFlávio Dino diz que operação da PF prendeu 47 CACs e tem...

Flávio Dino diz que operação da PF prendeu 47 CACs e tem mais de 6.000 na mira

A Operação Day After, deflagrada pela Polícia Federal (PF) nesta quinta-feira, 4, prendeu 47 CACs (caçadores, atiradores e colecionadores) e possui 6.168 na mira da ação por não recadastrem armas de uso restrito na corporação. A informação é do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flavio Dino. O prazo para donos de armas de fogo fazerem o recadastramento no sistema criado pelo governo federal terminou na quinta-feira, 3. Segundo o ministro, os presos são CACs que fizeram o recadastramento das armas, mas tinham mandados de prisão em abertos. De acordo com o balanço, entre os 47 presos, 28 são acusados de terem cometidos outros crimes: homicídio (9), roubo (5), furto (3), tráfico de drogas (4), corrupção (1), crime ambiental (1), organização criminosa (1), violência doméstica (1), estelionato (1), constrangimento ilegal (1) e extorsão mediante sequestro (1) . A ação ocorre em todo o território nacional. “O alvo da Operação ‘Day After’, começada hoje, são exatamente CACs, possuidores de mandados em prisão em aberto, por vários crimes, essa é uma situação com uma contradição inaceitável. Uma pessoa tem uma arma supostamente legal, mas ela não é. São pessoas com mandados relativos a homicídio, roubo, furto, tráfico. Esse número vai ser atualizado dia a dia”, explicou o ministro durante coletiva na sede do Ministério.

Dino também anunciou que quase 1 milhão de armas de uso permitido foram recadastradas. Anteriormente o número era de 882.801 e, agora, são 894.890. Deste número, 44.264 armas são de uso restrito. “Nós tivemos, em relação às armas de uso restrito, praticamente uma taxa de quase 100%, se nós olharmos, em 50 mil previstas, 44 mil recadastradas. Portanto, ultrapassamos nossa previsão inicial de 80%”, afirmou. Ainda de acordo com o ministro, 6.168 armas de uso restrito não foram recadastradas e agora são alvos da operação iniciada nesta quinta-feira. O ministro afirmou que serão adotadas as providências legais. “Essas armas de uso restrito, que não foram recadastradas, estão agora integrando na operação que a PF começou hoje”. Anteriormente, as armas eram registradas no Sistema de Gerecimento Militar de Armas (Sigma). Agora, os registro estão no Sistema Nacional de Armas (Sirma) disponibilizado pela PF. A corporação, por usa vez, informou que essas pessoas correm risco de terem o porte ou registro cassados. Além disso, o Exército Brasileiro poderá ser comunicado sobre o cancelamento das autorizações dos CACs.

 

 

 

 

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Juíza abre ação e torna réus dois brasileiros acusados de elo com Hezbollah

A juíza Raquel Vasconcelos Alves de Lima, da 2.ª Vara Federal Criminal de Belo...

Entenda a negociação entre Brasil e Paraguai sobre Itaipu

Governos dos 2 países discutem tarifas de 2024 e revisão do chamado anexo C...

Mendonça dá 60 dias para empresas renegociarem acordos com Lava Jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu prazo de 60 dias...

Mais para você