InícioNotíciasPolíticaGolpista do Grindr extorquia e ameaçava gays em encontros sexuais no DF

Golpista do Grindr extorquia e ameaçava gays em encontros sexuais no DF

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga Túlio Moreira Soares por usar o aplicativo Grindr para atrair homens e lhes extorquir dinheiro com uso de violência e ameaças. Pela plataforma, o suspeito marca encontros na casa das vítimas usando fotos falsas e, quando chega ao local, ameaça quebrar móveis e agredir os homens caso não paguem uma determinada quantia.

Sozinhas em casa, as vítimas tiveram até facas apontadas para elas. Ao fazer a transferência, o número do Pix é um celular de outro estado e o agressor ainda dizia ter comparsas dentro do condomínio. Para acessar a portaria, dava nomes falsos ou alegava ter acesso ao local, por ter uma parente vizinha da vítima. Não só a violência no dia, mas também a sensação de vulnerabilidade aterrorizou os jovens.

Histórias de pessoas diferentes mas com o mesmo roteiro foram relatadas à polícia e ao Metrópoles. O Grindr é um aplicativo de relacionamento voltado ao público LGBTQIA+ e há estigmas dentro da própria comunidade quanto ao uso do app. Os nomes das pessoas ficarão em sigilo nesta reportagem, assim como alguns detalhes para que não ninguém seja identificado, apenas o suspeito. As histórias foram misturadas para que Túlio não saiba quem, de fato, o denunciou. A apuração está na 11ª Delegacia de Polícia (Núcleo Bandeirante), que confirmou investigar o caso.

golpista grindr

Investigado usava o grindr para atrair vítimass Reprodução/Internet

golpista grindr2

Ele marcava encontro com as pessoasReprodução/Internet

golpista do grindr é investigado pela polícia

Túlio é investigado pela polícia civil PCDF / Reprodução

golpista grindr3

Em seguida, bloqueava as vítimas pelo aplicativoReprodução/Internet

Em tramas vilanescas parecidas, Túlio assumia um outro nome dentro do Grindr. Lá, em conversa rápida, ele insistia para marcar um “date” sempre na casa da vítima. A pessoa então aceitava, mas quando o criminoso chegava ao apartamento, a vítima percebia que o homem também usava fotos falsas.

AmeaçasAs vítimas, então, relataram questionar o fato de Túlio ser outra pessoa da que se apresentou antes, pelo aplicativo. Nesse ponto, há uma diferença do desenvolvimento da história: quem negou e quem aceitou o encontro.

Nos casos das recusas, Túlio usa de alguma desculpa, como pedir para entrar para beber água. Dentro da casa, ele começa as ameaças. “Ele inventou que era garoto de programa e que não iria embora enquanto não recebesse pagamento pelo programa, mas em nenhum momento, segundo as vítimas, teria sido abordado o assunto a respeito de um encontro com um acompanhante, pois tratava-se de um encontro consensual, sem pagamento de qualquer valor”, afirmou uma das vítimas.

“Ele segurou minha televisão e fez que ia jogar. Se eu não pagasse, ele dizia que ia quebrar ela. Meu computador também. Fiquei desesperado”, contou outra vítima.

O pânico durava no ambiente. O homem ameaçou bater e empunhou facas. As vítimas negociaram um valor e acabaram fazendo o Pix. Os dados bancários eram de um outro nome e com número de fora do Distrito Federal. A principal suspeita é de que seja um comparsa de Túlio.

“Até na rua eu tenho medo”Após sair de dentro do lar da vítima, Túlio deixava marcas. Vítimas se sentiram vulneráveis e inseguras. “Até na rua eu tenho medo”, contou uma das pessoas extorquidas por Túlio.

Uma das vítimas fez uma conta falsa para tentar acompanhar os passos de Túlio, depois de ser bloqueada por ele. “Eu consegui ver que ele estava a dois quilômetros da minha casa e isso por alguns dias”, relatou.

As vítimas registraram queixas na PCDF e aguardam a solução do caso por parte dos investigadores. O Metrópoles procurou a Polícia Civil do Distrito Federal para saber o andamento das investigações, mas a única resposta que obteve é que o caso está em apuração.

O Metrópoles também procurou os representantes do Grindr  no Brasil e no exterior, e questionou sobre a política do aplicativo nesses casos e como os usuários são protegidos. Porém, até a última atualização deste texto não houve resposta.

No site, o Grindr informa que o compromisso da empresa é “criar um espaço seguro e totalmente verdadeiro, sem golpistas, contas falsas nem conteúdos indesejados”. Em seguida, a plataforma lista diversos golpes que já ocorreram por meio do aplicativo.

No relatório, são eles: o golpe do namoro virtual, do sugar daddy, da chantagem (também conhecida como sextorsão), de investimentos, do pagamento antes do encontro, do cadastro em app, do código de verificação, do link para terceiros, do golpe do suporte do Grindr. Veja neste link as orientações de como agir em caso de cada um deles.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Mulher é presa por atacar jovem com soda cáustica por ciúme

A Polícia Militar do Paraná prendeu a suspeita de atacar a jovem Isabelly Aparecida...

Magda é a 12ª chefe da Petrobras desde o 1º mandato de Lula

Em média, comandantes da maior estatal do Brasil têm se segurado no cargo por...

As duas prefeituras de capital que o PT espera vencer em outubro

O PT espera vencer em duas capitais este ano, o que representaria um crescimento...

Inspetor da Civil pesquisou nome do pai de Marielle Franco, um mês antes de crime

Um relatório da Polícia Federal divulgado nesta sexta-feira (24) revelou novas informações sobre as...

Mais para você