InícioEditorialPolítica NacionalGoverno alerta para seca no Pantanal e na Amazônia e anuncia pacto

Governo alerta para seca no Pantanal e na Amazônia e anuncia pacto

Em evento pelo Dia Mundial do Meio Ambiente, a ministra Marina Silva anunciou um acordo com governos estaduais do Centro-Oeste e do Norte para prevenir incêndios nas regiões

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou da cerimônia que celebra o Dia Mundial do Meio Ambiente, no Palácio do Planalto. Assinou uma série de medidas para o setor ao lado da ministra Marina Silva (Meio Ambiente) Sérgio Lima/Poder360 – 05.jun.2024

Mariana Haubert Evellyn Paola 5.jun.2024 (quarta-feira) – 15h01

A ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, disse nesta 4ª feira (5.jun.2024) que o governo federal monitora a possibilidade de uma grande estiagem no Pantanal e na Amazônia que pode ter efeitos tão graves quanto aos das fortes chuvas que atingiram o Rio Grande do Sul e provocaram enchentes recordes. A ministra anunciou um pacto com os governos dos Estados no Norte e Centro-Oeste para prevenir e controlar incêndios nos 2 biomas.

“O que estamos vendo em chuva no Rio Grande do Sul e os efeitos dessas chuvas, vamos ver em estiagem na Amazônia e no Pantanal. E o que vamos ter como consequências, de desmoronamento, perda de lavouras, associadas às chuvas, vamos ter o fenômeno terrível que são os incêndios e queimadas. Não é por acaso que nós temos trabalhado incessantemente”, disse.

A ministra participou da cerimônia pelo Dia Mundial do Meio Ambiente, realizada no Palácio do Planalto. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou da 1ª parte do evento, em que a ministra fez um balanço de sua gestão à frente do ministério e apresentou novas medidas para o setor (leia ao final do texto). Leia a íntegra (6,8 MB – PDF) da apresentação feita pela ministra Marina Silva (Meio Ambiente).

Dentre os anúncios, está o pacto entre estados para prevenir incêndios no Pantanal e na Amazônia no período da seca, que vai de maio a setembro. De acordo com Marina, a preocupação central é manter o abastecimento de alimentos, medicamentos e combustíveis, especialmente para a populações ribeirinhas. A ministra destacou ainda a necessidade de antever os problemas para que o governo federal e as administrações estaduais possam mitigar seus efeitos ao invés de apenas reagirem a desastres.

A ministra defendeu a decretação antecipada de emergência climática em municípios que podem sofrer com desastres ambientais. De acordo com ela, a medida estaria sob o escopo do Estatuto da Emergência Climática para Áreas de Risco, instrumento que poderia agilizar a decretação de estado de calamidade e, por consequência, a liberação de recursos em casos de tragédias por causa de eventos climáticos. De acordo com Marina, há questões jurídicas a serem resolvidas ainda.

Ela disse que a medida poderia ajudar em uma inversão da lógica para que os governos passem a atuar na prevenção de desastres ao invés da reação quando acontecem.

“O que está acontecendo é que uma hora a gente está agindo na seca e depois tendo que agir na cheia. No caso da Amazônia, tem complexidade enorme e isso está sendo debatido dentro do governo. Quando eu falo em medida extraordinária, da necessidade de um instrumento que possa decretar emergência climática antecipada, ajudaria muito em relação a isso”, disse. O governo já mapeou mais de 1.000 municípios que correm algum tipo de risco.

Governadores dos 2 biomas e de outros Estados participaram da cerimônia, dentre eles, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB). No início de sua apresentação, Marina disse que todos os presentes eram solidários ao estado. “E você sabe quanto o povo brasileiro tem se unido ao povo gaúcho. Vamos enfrentar esse problema juntos”, disse.

Estiveram presentes os governadores:

Jerônimo Rodrigues (PT) – governador da Bahia; Antonio Denarium (PP) – governador de Roraima; Gladson Cameli (PP) – governador do Acre; Eduardo Riedel (PSDB) – governador do Mato Grosso do Sul; Eduardo Leite (PSDB) – governador do Rio Grande do Sul; Helder Barbalho (MDB) – governador do Pará. Ao final da apresentação de Marina Silva, Lula se retirou do evento e convidou os gestores estaduais para um café em seu gabinete. Leite tinha uma expectativa de se reunir a sós com o presidente para apresentar demandas do Estado, mas acabou participando apenas do encontro coletivo. Ao final, disse que entregou um ofício a Lula.

O presidente visitará o Rio Grande do Sul na 5ª feira (6.jun.2024) para avaliar os estragos causados pelas fortes enchentes que atingem as cidades gaúchas desde o fim de abril. Leite disse que voltará ao Estado de carona com Lula para que possam conversar.

DECRETOS E ATOS ASSINADOS PELO GOVERNO Lula, junto ao Ministério do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas, assinou uma série de decretos e atos nesta 4ª feira (5.jun.2024), dia em que é celebrado o Dia Mundial do Meio Ambiente. Leia:

reserva de vida silvestre do Sauim-de-Coleira (AM) – o decreto cria a Unidade de Conservação Refúgio da Vida Silvestre, com 15.300 hectares, no município de Itacoatiara (AM), para proteger áreas florestais para conservação do Sauim-de-coleira; monumento natural das cavernas de São Desidério (BA) – o decreto cria a Unidade de Conservação, com 16.000 hectares, para proteção das cavidades naturais no município de São Desidério (BA); prevenção e controle de incêndios com governadores do Pantanal e da Amazônia – o pacto entre o governo federal e os governos estaduais para o planejamento e implementação de ações de prevenção a incêndios florestais; programa nacional de conservação e uso sustentável dos manguezais – o decreto institui o ProManguezal, para orientar os esforços do governo federal na conservação e uso sustentável da biodiversidade; estratégia nacional da bioeconomia – o decreto coordena e implementa ações voltadas ao desenvolvimento da bioeconomia, e estabelece a elaboração do Plano Nacional de Desenvolvimento da Bioeconomia em 180 dias; lei de Gestão de Florestas Públicas – o decreto altera a regulamentação da lei e transforma o PAOF (Plano Anual de Outorga Florestal) em PPAOF (Plano Plurianual de Outorga Florestal); comitê interministerial sobre mudança do clima – o decreto acrescenta competências ao comitê para torná-lo mais ativo na Política Nacional de Mudanças do Clima; programa cidades verdes resilientes – o decreto aumenta a qualidade ambiental das cidades por meio da integração de políticas urbanas, ambientais e climáticas; COP30 – decreto cria assessoria extraordinária para a conferência no Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Damares quer youtuber petista no inquérito de milícias digitais

Senadora envia pedido para Moraes com base em reportagem que afirma que Thiago dos...

Prefeitura convida cidadãos para inauguração de chafariz no Kaikan Sul nesta quinta (13)

A Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas convida os cidadãos para a inauguração de...

Jean Wyllys diz que Grazi Massafera só existe porque ele estava no BBB

Jean Wyllys foi o campeão do BBB 5, ao desbancar Grazi Massafera na final...

Aluguel de loja e buraco na parede: como bando furtou 100 armas no DF

As investigações da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) revelaram que os criminosos responsáveis...

Mais para você