InícioEditorialPolítica NacionalGoverno cogita pedir ao STF mais prazo para desoneração

Governo cogita pedir ao STF mais prazo para desoneração

Planalto estuda aumentar a alíquota da CSLL aos bancos em 1 p.p. para conseguir recursos necessários; medida deve conceder até RS$ 17 bilhões

“A proposta de aumentar em 1 p.p. a CSLL foi o que a Fazenda e a Receita conseguiram encontrar. É uma exigência do Supremo. Caso não seja possível ter um acordo nesta semana, uma possibilidade é pedir uma prorrogação do prazo”, declarou Randolfe Sérgio Lima/Poder360 – 30.mar.2023

Fabricio Julião 10.jul.2024 (quarta-feira) – 0h23

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cogita pedir ao STF (Supremo Tribunal Federal) para atrasar o prazo em 1 ou 2 meses para tentar encontrar uma fórmula com o Congresso para compensar a perda de receita com a desoneração da folha de pagamentos dos 17 setores da economia e dos municípios.

Para conseguir os recursos necessários, o Planalto estuda aumentar a alíquota da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) só para os bancos em 1 p.p. (ponto percentual), o que resultaria em cerca de R$ 17 bilhões. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), resiste à medida.

“A proposta de aumentar em 1 p.p. a CSLL foi o que a Fazenda e a Receita conseguiram encontrar. É uma exigência do Supremo. Caso não seja possível ter um acordo nesta semana, uma possibilidade é pedir uma prorrogação do prazo. Ou seja, ir ao Supremo e pedir mais 1 ou 2 meses para que se encontre uma solução sobre onde encontrar o dinheiro para compensar o custo da desoneração”, afirmou o líder do Governo no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), ao Poder360 na 3ª feira (9.jul.2024) à noite, durante festa do PSD.

Atualmente, os bancos pagam 21% sobre a CSLL, enquanto outras instituições financeiras, como corretoras de câmbio, companhias de seguro e de capitalização pagam 16%. Já para as empresas de indústria, comércio e prestação de serviços, a alíquota é de 9%.

O ministro do STF Cristiano Zanin deu prazo de 60 dias para o governo e o Congresso chegarem a um acordo para compensar a desoneração, que será prorrogada. O prazo termina em 19 de julho.

Durante a busca por uma solução, Pacheco anunciou 4 propostas para a compensação:

equalização de dívidas; repatriação de recursos; atualização de ativos; taxação dos jogos de azar. Apesar de dizer que a Fazenda aceitou as propostas, o acordo não foi para frente. Com o prazo apertado, Pacheco não é um entusiasta da medida proposta pelo ministério, mas pode ceder para que o acordo seja firmado e, assim, o cronograma para a reoneração gradual até 2028 seja cumprido.

Segundo o Ministério da Fazenda, o governo precisa aumentar R$ 26,3 bilhões na receita para compensar a desoneração. Só a alíquota maior da CSLL resolveria mais da metade do valor.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Diretora do Serviço Secreto dos EUA é intimada pelo Congresso

Kimberly Cheatle confirma que testemunhará na sessão marcada por comitê republicano para a próxima...

Laudos de câncer atrasados chegam a 1 mil e HUB pede ajuda a hospitais

A Divisão de Apoio Diagnóstico e Terapêutico (DADT) do Hospital Universitário de Brasília (HUB-UnB)...

“Tudo bem corintiano bater em mulher, Lula?”, diz Ciro Nogueira

Senador afirma ser “inaceitável” fala do presidente “perdoando” violência doméstica praticada por torcedores do...

Sem furar bolha da esquerda, Boulos anuncia 8º partido em coligação

São Paulo – Polarizando com o prefeito Ricardo Nunes (MDB) nestas eleições, o deputado...

Mais para você