InícioEditorialPolítica Nacional‘Governo terá que reduzir despesas dos ministérios’, aposta senador Carlos Viana sobre...

‘Governo terá que reduzir despesas dos ministérios’, aposta senador Carlos Viana sobre orçamento de 2024

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan News, o parlamentar analisou a os planos do governo de zerar o déficit e fez um apelo pelo corte de gastos

Reprodução/Jovem Pan News

Senador Carlos Viana (Podemos) falou sobre o orçamento para 2024 em entrevista ao Jornal da Manhã

Ao menos R$ 24 bilhões em propostas que tramitam no Congresso Nacional, que ampliam as despesas ou reduzem a arrecadação, podem interferir nos planos do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, de zerar o déficit em 2024. Para explicar o rumo que o orçamento tem tomado para o ano que vem, o Jornal da Manhã, da Jovem Pan News, entrevistou o senador Carlos Viana (Podemos-MG), que é integrante da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização. O parlamentar aponta que o governo deve apertar as contas e promover cortes no orçamento: “Acredito que o governo terá que reduzir despesas dos ministérios e, para o ano que vem, já na LOA que vai ser votada neste ano, não ter as previsões que estão dentro do que o governo quer no PAC (…) Outro ponto que o governo conta muito é a possibilidade aumentar impostos sobre fortunas e a questão da transferência de heranças, que vai ser um passo seguinte à reforma tributária, mas a reforma vai demorar (…) Não há outra saída senão a de redução de despesas para 2024”.

A lista de propostas que podem influenciar nos planos orçamentários de Haddad inclui a prorrogação da desoneração da folha de pagamento de 17 setores (R$ 9,4 bilhões) e a desoneração da contribuição previdenciária de prefeituras (de R$ 7,2 bilhões a R$ 9 bilhões). Viana acredita que ambas devem ser aprovadas no Congresso e que o governo deve buscar outras formas de fechar a conta: “Na questão da desoneração dos setores, o Congresso, em sua maioria, é favorável (…) Ou seja, o governo vai ter que buscar outra saída. O que está sendo proposto é a pressa na questão de taxar offshores, os investimentos no exterior. Outro ponto que eu vejo com muita restrição que o governo consiga convencer, especialmente o Senado, nessa aprovação de taxar o que está no exterior”. O senador ainda analisou que o governo errou ao apostar em um aumento de arrecadação para 2023.

“O governo fez uma aposta muito firme no aumento da arrecadação, o que não aconteceu. Pelo contrário, com a PEC da Transição, aprovada pelo Congresso em fevereiro, o déficit, que já era de R$ 35 bilhões previstos no governo Bolsonaro subiu para quase R$ 80 bilhões e agora já está quase dobrando, chegando a R$ 145 bilhões previstos na estimativa dos dois últimos meses. A despesa do Governo Federal também aumenta porque é natural que um governo queira fazer agrados a toda a sua base na liberação de recursos (…) Governo no orçamento terá que ter muita responsabilidade com relação aos gastos deste ano, para que no ano que vem o orçamento esteja pelo menos sob controle”, argumentou. Confira a entrevista completa no vídeo abaixo.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

STF valida uso de vestimenta religiosa em fotos oficiais

Por unanimidade, Corte estabeleceu que é constitucional o uso de acessórios de cunho religioso...

PETO recupera veículo, onde vítima chegou a ser baleado durante assalto

Nesta quarta-feira (17) de abril, militares do PETO conseguiram recuperar um veículo com restrição...

Com plenário vazio, deputados veem futebol em meio a articulação quente entre Lira e governo Lula

Foto: Levy Teles/Estadão Deputados assistem à cobrança de pênaltis entre Manchester City e...

Regulamentos sobre a nova Lei de Licitações e Contratos Administrativos

A Lei Federal nº 14.133/2021 representa um marco importante no cenário das licitações públicas...

Mais para você