InícioNotíciasPolítica“Há 4 anos não tenho vida social”, diz promotor alvo de plano...

“Há 4 anos não tenho vida social”, diz promotor alvo de plano do PCC

São Paulo – O promotor de Justiça Lincoln Gakiya, do Ministério Público de São Paulo, afirmou que há quatro anos não tem vida social e que não pode viajar com a família por causa do histórico de ameaças que vem sofrendo da facção Primeiro Comando da Capital (PCC).

Nesta quarta-feira (22/3), a Polícia Federal deflagrou uma operação para prender membros da facção, que estaria articulando um plano para sequestrar e matar Gakiya e o senador e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro (União-PR).

“Há quatro anos, praticamente, não tenho mais vida social, não posso viajar de férias com meus familiares, só se for fora do Brasil. (Mas não posso), por exemplo, fazer uma viagem para a Amércia do Sul, para o Caribe. O que nos preocupa hoje é a ousadia, a falta de pudor e limite dessas organizações”, afirmou o promotor em entrevista para a BandNews TV.

Sergio moro e Lincoln Gakiya – Metropoles

Sergio Moro e Lincoln GakiyaRafaela Felicciano/Metropoles e Alesp

operação da PF

Polícia Federal faz operação nesta quarta-feira (22/3) contra PCC, que pretendia matar promotor e senador Sergio MoroPF/Divulgação

operação da PF

Dinheiro apreendidoPF/Divulgação

operação da PF

Carro de luxo na casa de um dos alvosPF/Divulgação

operação da PF

Operação ocorre em vários estadosPF/Divulgação

De acordo com Gakiya, que há 18 anos atua no combate ao PCC em São Paulo, a principal motivação para o plano de assassiná-lo é uma retaliação ao pedido feito por ele, em 2018, para isolar lideranças do PCC, como Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, em presídios federais.

Marcola foi transferido do sistema penitenciário paulista para um presídio federal em Brasília em fevereiro de 2019. Meses depois, foi removido para uma unidade em Rondônia e depois voltou para a capital federal.

“Por conta dessa remoção, já havia e há diversos planos para me matar. Mas durante essas investigações, que já temos aqui em São Paulo, surgiram informações sobre atentados a outras autoridades. E foi por isso que a gente compartilhou essas informações com a Polícia Federal, que deu início à operação deflagrada hoje”, explicou Gakiya.

O promotor disse ainda que os ataques seriam executados por um setor específico do PCC chamado de “Sintonia Restrita”, que o promotor batizou de “departamento de homicídios e atentados da fação paulista”.

“É um setor dentro da facção, com criminosos que têm expertise no manejamento de armamento pesado, geralmente envolvidos em roubos a bancos, de extrema periculosidade. Eles são destacados de outras funções dentro da facção para ficar à disposição apenas para a prática de atentados, sequestros e de resgates, como o que estava sendo planejado para o Marcola“, afirmou.

Fim das visitas íntimasGakiya disse também que a Polícia Federal ainda deve esclarecer as principais motivações da facção criminosa, mas acredita que Sergio Moro tenha entrado na mira do PCC após uma portaria baixada por ele, enquanto ministro da Justiça no governo de Jair Bolsonaro, que extinguiu as visitas íntimas para presos isolados no sistema penitenciário federal.

“Inclusive, há algumas semanas, o STF acabou arquivando uma ação que atacava justamente essa portaria. A ação pretendia que se voltassem as visitas íntimas aos presos isolados em presídios federais. Uma parte dessa portaria foi recepcionada pela Lei Anticrime e hoje, através de lei, essas visitas íntimas a presos como Marcola e outras lideranças estão proibidas no sistema penitenciário federal”, disse.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Entenda a negociação entre Brasil e Paraguai sobre Itaipu

Governos dos 2 países discutem tarifas de 2024 e revisão do chamado anexo C...

Mendonça dá 60 dias para empresas renegociarem acordos com Lava Jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu prazo de 60 dias...

Moraes derruba decisões de Receita e Carf contra Globo e atores

Depois de decisões favoráveis do ministro Cristiano Zanin e da Primeira Turma do STF,...

Canadá propõe regras para atuação de plataformas digitais

A Lei de Danos On-line foi apresentada ao Parlamento pelo governo de Justin Trudeau;...

Mais para você