InícioEditorialPolítica NacionalIndicação política para comando do Dnit na Bahia provoca crise no órgão

Indicação política para comando do Dnit na Bahia provoca crise no órgão

A indicação de um político para comandar o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) na Bahia provocou uma rebelião na superintendência regional do órgão. Alertados sobre a iminente nomeação de Roberto Alcântara, ex-presidente da Câmara de Vereadores de Ribeira do Pombal, cerca de 60 servidores de carreira do Dnit no estado assinaram um manifesto de repúdio contra a inclusão do cargo nas costuras do Palácio do Planalto para garantir apoio ao presidente Lula (PT) no Congresso. Segundo apurou a Satélite, Alcântara é apadrinhado pelo deputado federal Ricardo Maia (MDB), ex-prefeito de Pombal, que cobra o controle do Dnit para aderir à base governista na Câmara.

Rota de contramão 
No manifesto, o grupo de servidores, grande parte em cargos de chefia, não faz referência explícita o nome, apenas que se trata de um político fora dos quadros do órgão e sem formação exigida para posto de superintendente. O que contraria as regras impostas desde 2019 pelo Ministério da Infraestrutura.

Ressaca junina
Irregularidades no convênio firmado em 2009 com o Ministério do Turismo para o lançamento do São João da Bahia em Belo Horizonte levaram os ministro da 2ª Câmara do Tribunal de Contas da União (TCU) a punir a ex-presidente da Bahiatursa no primeiro governo Jaques Wagner (PT), Emília Maria Salvador, com a devolução de R$ 110 mil aos cofres públicos, corrigidos monetariamente a partir de maio de 2010. Na decisão, o TCU determinou que a soma deve ser restituída em conjunto com o governo do estado, que responde pela Bahiatursa desde que ela foi extinta. Além da quantia, Emília Maria também foi condenada a pagar duas multas no valor total de R$ 15 mil.

Socorro de Sergipe
Diante dos problemas enfrentados pelo governo Lula por falhas na articulação política, o ministro da Casa Civil, Rui Costa (PT), nomeou o ex-deputado federal sergipano Antonio Carlos Valadares Filho (PSB) para coordenar a Assessoria Especial de Assuntos Parlamentares e Federativos da Presidência da República. Com bom trânsito nos mais variados núcleos de poder, Valadares Filho foi escolhido para aparar arestas com lideranças de partidos do centrão, sobretudo, os da bancada nordestina.

Alta tensão
Deputados da base aliada e da oposição na Assembleia Legislativa articulam uma ofensiva para emparedar a Coelba, cuja concessão sobre os serviços de energia elétrica no estado vence em 2027. O pano de fundo é a recusa da companhia em direcionar recursos para ampliar a rede de distribuição em áreas com baixa oferta de eletricidade. Especialmente, no Oeste baiano, que vem perdendo sucessivos investimentos pela falta de matriz energética capaz de atender empresas interessadas em se instalar na região.

Curto-circuito
A princípio, o cerco à Coelba terá como trincheira a subcomissão criada anteontem na Assembleia para fiscalizar a concessionária. O objetivo é gerar desgaste contínuo para impedir que ela consiga renovar o contrato.

Eu não quero crer que seja porque o prefeito é do PSDB, de um partido de oposição. A gente não entende o critério usado para dar esse apoio pífio ao São João de Santo Antônio de Jesus Alan Sanches, líder da oposição na Assembleia,  ao criticar o repasse do governo do estado para os festejos da cidade, bem abaixo da média

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Lula diz que lançará consignado para todos os trabalhadores

Em entrevista à “RedeTV!”, o presidente afirmou que mais de 40 milhões de pessoas...

Distrito Federal ultrapassa 100 mil casos de dengue em 2024

O Distrito Federal atingiu a marca de mais de 100 mil casos de dengue...

PEC que amplia isenção tributária para templos religiosos avança em comissão da Câmara

A comissão especial da Câmara dos Deputados encarregada de avaliar a Proposta de Emenda...

8 de Janeiro me preocupa mais que golpe militar de 1964, diz Lula

A 1 mês dos 60 anos da tomada de poder pelos militares, presidente declarou...

Mais para você