InícioNotíciasPolíticaInteligência do PCC mapeou rotina de delegado da PCDF que investigou facção

Inteligência do PCC mapeou rotina de delegado da PCDF que investigou facção

A atuação estratégica e efetiva da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) no combate ao crime organizado despertou a fúria de integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Documentos obtidos com exclusividade pela coluna apontam que um delegado da corporação entrou na mira do alto escalão da facção. Investigações revelam que o policial, que comandou grandes operações contra organizações criminosas, teve a vida devassada por integrantes da Sintonia Restrita do PCC – núcleo de inteligência do bando.

O grupo de inteligência tem ligação direta com os líderes da facção e, do lado de fora dos presídios, recebe instruções por meio de interlocutores, como advogados, para promover levantamento de autoridades. Após a apuração de dados, que inclui vigilância, aluguel de imóveis e veículos para perseguir alvos, a Restrita delega missões para os executores – ladrões e homicidas com vasta ficha criminal. O objetivo é claro: gerar terror. Os criminosos que se recusarem a obedecer as ordens da Sintonia podem pagar com a própria vida.

Conforme a coluna Na Mira revelou, a Sintonia Restrita conta com uma estrutura de inteligência sofisticada e tem orçamento especial para aperfeiçoamento tecnológico e para treinar os encarregados das missões, como táticas de guerrilha com fuzileiros bolivianos.

Tais recursos auxiliaram no levantamento clandestino de dados do delegado da PCDF. O policial investigava ameaças à vida de uma juíza. Durante as diligências, os investigadores identificaram uma advogada que estaria participando da troca de mensagens entre os integrantes da organização criminosa. Ela era responsável por passar ordens de dentro para fora dos presídios. A profissional atuava na defesa da cúpula do PCC no DF, tanto em âmbito distrital como na esfera federal.

Os advogados que prestam serviço para o PCC são denominados “gravatas” e, em algumas ocasiões, excedem à defesa técnica e passam a atuar como verdadeiros transmissores de ordens e recados entre os faccionados, uma linha tênue entre a advocacia legal e a efetiva atuação no crime organizado. Segundo o organograma da facção, os “gravatas” estão vinculados diretamente à cúpula da facção, a Sintonia Final.

Em 2019, os investigadores constataram que a advogada exerceu papel que vai além da transmissão de mensagens entre membros da organização criminosa, uma vez que, conforme os levantamentos, a mulher era responsável por levar ordens, até mesmo de decretos de morte, para a Sintonia Restrita.

Na ocasião, os soldados da inteligência do crime chegaram a levantar o nome completo e imagem na rede social do delegado de polícia responsável pelas investigações envolvendo o PCC no Distrito Federal.

Em um diálogo interceptado pela polícia, uma presa da facção chega a desabafar com a advogada, se referindo ao policial, dizendo que “está assustada com o cretino” e que “já vai resolver a dele”.

Na conversa, a advogada chega a afirmar que foi até mesmo em uma “mãe de santo” e que a mulher teria dito que “não sabia de nada e que ia fazer um negócio lá”. Logo em seguida, dados do delegado foram repassados para comparsas do Paraná e de São Paulo. A advogada em questão chegou a ser condenada, em um processo de 2016, por integrar o PCC.

Cerco fechadoNo Distrito Federal, a Delegacia de Repressão ao Crime Organizado, vinculada ao Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco/Decor) é a responsável por coibir o avanço de facções na capital federal. Em novembro do ano passado, foi deflagrada a Operação Saturação.

A ação buscou a contenção de uma célula do PCC com atuação no DF e Entorno. No total, foram expedidos 21 mandados de prisão preventiva e 22 mandados de busca e apreensão, conforme decisão proferida por Colegiado Instaurado pelo Juízo da 1ª Vara Criminal de Brasília.

As ordens judiciais foram cumpridas em diversas regiões no Distrito Federal e nos estados de Goiás, São Paulo e Minas Gerais, contra integrantes da facção em liberdade e membros que continuaram vinculados ao grupo criminoso, embora já estivessem presos.

A operação foi resultado do monitoramento realizado ao longo de aproximadamente um ano e seis meses de investigação, permitindo a identificação de, pelo menos, 27 componentes ativos da organização criminosa, responsáveis por práticas criminosas diversas e por estabelecer as condições para o desenvolvimento e a expansão do grupo no DF.

Em entrevista à coluna, o delegado-chefe da Draco, Rafael Póvoas ressaltou que o trabalho do Decor, por meio da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), é diário e ininterrupto, com monitoramento dos membros catalogados, identificação de cooptação de novos integrantes e mapeamento de áreas.

“O cumprimento de medidas judiciais requeridas e a deflagração regular de operações policiais contribuem para inibir a estruturação, a expansão e o fortalecimento da organização. Vale salientar que nem mesmo a transferência de Marcos Willians Herbas Camacho, mais conhecido como Marcola, foi suficiente para que a célula da organização criminosa se instalasse efetivamente na Capital Federal”, afirmou

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Damares quer youtuber petista no inquérito de milícias digitais

Senadora envia pedido para Moraes com base em reportagem que afirma que Thiago dos...

Prefeitura convida cidadãos para inauguração de chafariz no Kaikan Sul nesta quinta (13)

A Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas convida os cidadãos para a inauguração de...

Jean Wyllys diz que Grazi Massafera só existe porque ele estava no BBB

Jean Wyllys foi o campeão do BBB 5, ao desbancar Grazi Massafera na final...

Aluguel de loja e buraco na parede: como bando furtou 100 armas no DF

As investigações da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) revelaram que os criminosos responsáveis...

Mais para você