InícioEditorialInvestigadores não descartam hipótese de morte de jornalista e indigenista

Investigadores não descartam hipótese de morte de jornalista e indigenista

As autoridades responsáveis pela investigação do desaparecimento do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira promoveram nessa quarta-feira (8/6), em Manaus, uma coletiva de imprensa para prestar esclarecimentos a respeito do caso. Os investigadores disseram não descartar nenhuma linha de investigação, inclusive a possibilidade de homicídio.
O secretário estadual de Segurança Pública do Amazonas (AM), General Mansur, afirmou que as autoridades encontraram um material relevante, que está norteando uma linha de investigação. Segundo ele, um perito está a caminho para integrar a equipe e avaliar o que foi encontrado. O teor do material não foi especificado pelo secretário.
Além disso, o delegado Federal e superintendente da Polícia Federal (PF) no Amazonas, Eduardo Fontes, confirmou que o servidor da Funai desaparecido havia sofrido ameaças, como denunciado antes por organizações indígenas. Quando questionado a respeito da identidade dos criminosos, Almada preferiu não divulgar as informações.

Suspeito preso

 
As autoridades também declararam que não foi confirmada nenhuma ligação direta entre o suspeito preso ontem (8/6) e o desaparecimento da dupla. De acordo com eles, o homem foi detido em flagrante porque carregava munições e drogas. As outras cinco pessoas ouvidas pela polícia eram testemunhas.
Apesar das explicações concedidas pelas equipes de investigação, o General Mansur disse não haver ainda fortes indícios de crime e que tem esperança de encontrar Phillips e Pereira ainda com vida.
Eduardo Fontes também lembrou que se trata de região fronteiriça perigosa, onde há tráfico internacional de drogas, garimpo ilegal, assim como pesca e extração de madeira clandestina.

Aumento da violência

Homologada em 2001 por decreto do então presidente Fernando Henrique Cardoso, a Terra Indígena do Vale do Javari é o segundo maior território indígena do Brasil, com 8,5 milhões de hectares. A região fica localizada no oeste do Amazonas e é integrada também pelos municípios de Atalaia do Norte – cidade para onde Phillips e Pereira retornavam – e Guajará.
A terra indígena faz fronteira com dois países: Peru e Colômbia. Essa circunstância acende o alerta dos especialistas e das autoridades para as rotas internacionais de narcotráfico próximas à região.
De acordo com uma nota divulgada na terça-feira (7/6) pelo Centro de Trabalho Indigenista (CTI), o desaparecimento de Dom Phillips e de Bruno Pereira ocorre em um contexto de crescente violência no Vale do Javari.
Ao jornal Correio Braziliense, o coordenador executivo do CTI, Jaime Siqueira, declarou que o Estado está ausente na região no que se refere às ações de fiscalização do território e assistência básica à saúde. “No entanto, tentam dificultar justamente as atividades que minimizem a ausência do poder público. Colocam uma série de restrições para os trabalhos que realizamos, bem como de outros parceiros da Univaja. Obviamente, os povos isolados precisam de proteção especial, mas o que observamos é que a Funai de hoje não está preocupada com a real situação desses povos”, disse.
O Centro também traz o histórico de crimes cometidos na região nos últimos anos. A nota relembra o caso do colaborador da Funai Maxciel Pereira dos Santos, que foi assassinado em setembro de 2019, em Tabatinga (AM), cidade próxima à Terra Indígena do Vale do Javari. Segundo o CTI, Maxciel, assim como Bruno, atuava para conter invasões na área dos indígenas.
Em 2019 e 2022, a Associação dos Kanamari do Vale do Javari (Akavaja) também denunciou invasões de garimpeiros na terra demarcada.

Área complexa

As buscas estão sendo realizadas em conjunto por um gabinete de crise composto pelo Exército Brasileiro, Marinha, Polícia Federal, Civil e Militar e pelo Corpo de Bombeiros da região. O trabalho teve início ainda no domingo (5/6), após denúncia de mais de 24 horas do sumiço da dupla.
Segundo as autoridades, está ocorrendo uma cooperação mútua, com troca de informações entre os órgãos envolvidos.
Durante a coletiva de imprensa, os representantes das agências reforçaram a complexidade da área onde o indigenista e o jornalista desapareceram. Além da dificuldade de acesso, o período climático torna a incursão dos agentes mais complicada. “O componente enchente dificulta. As técnicas são comprometidas pelo fator alagadiço”, afirmou o comandante geral do Corpo de Bombeiros, Coronel Muniz.
De acordo com o superintendente da PF, 250 funcionários estão alocados nas buscas. Muitos são agentes especializados em selva ou conhecedores da região. Duas aeronaves, três drones e 20 viaturas auxiliam na investigação.
* Estagiária sob a supervisão de Carlos Alexandre de Souza 
Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Ninguém cruza a linha sem pagar o preço, diz China sobre Taiwan

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores apela aos EUA para refletir “profundamente” sobre seu...

Lira indica data para anunciar seu candidato a presidente da Câmara

IGO ESTRELA/METRÓPOLES @igoestrela 1 de 1 imagem colorida mostra arthur lira - Metrópoles...

Presidente da Petrobras diz que ainda vai avaliar dividendos

Em fala a jornalistas, Magda Chambriard despista sobre distribuição dos proventos, mas garante que...

MPRJ perto de denunciar (ou livrar) Carlos Bolsonaro por rachadinha

A investigação da suposta rachadinha no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro chegou à reta...

Mais para você