InícioEditorialEsportesJuiz bom apita certo quando o Vitória joga

Juiz bom apita certo quando o Vitória joga

Age bem todo e qualquer juiz de futebol se e somente se o resultado de sua arbitragem coincide com placar generoso e favorável ao Vitória, não importa se contingente ou necessária, a relação de causa e efeito entre apito e números.

Aprenda o imperativo rubro-negro, misturando intenção e consequência, dedicado aos broders apitador e bandeirinhas, sem deixar alternativa exceto demorados aplausos ao trio da segunda goleada do Decano.

Afinal, não se tem memória a última vez de um time fora de casa, diante de torcida toda contra e em estádio modesto, ter duas penalidades a favor no segundo tempo. A média dá 0,0000000000000000000001 a cada mil jogos.

Aos divergentes e ressentidos, contrapõe-se a luzidia clarividência do camarada Botelho, um dos mais respeitados estudiosos da arbitragem e estatístico campeão do Bahia City.

Botelho passou o cleanner na arbitragem de Natal e mandou seguir o baba. O homem tem vasta coleção de experiências (empeiria) de onde alcançou a dimensão da técnica (techné) ou arte do apito.

Foi legal o lance da expulsão pelo segundo cartão do atacante abecedista, bem como veio o especialista a “apro-VAR” a marcação das penalidades convertidas por Léo Gamalho.

Justifica-se, portanto, o aplauso à gestão baiana da nossa querida CBF, ponto de parada atual, para quem embarca no trem do tempo da arbitragem, a fim de verificar quanto progredimos.

Encontram-se primeiros vestígios quando escavamos, ao método arqueológico, verificando nos atuais babas o fóssil da pré-história do futebol: os próprios jogadores marcam faltas e laterais – às vezes decidindo na pór-rá-da.

Os primeiros juízes eram tirados dos times envolvidos em algum certame, quando um deles folgava na tabela. Assim, o time do Santos Dumont foi campeão de 1910, ao vencer o Victoria e passar o São Paulo-Bahia.

Este jogo decisivo somente foi possível depois de o Pai da Aviação reivindicar a anulação da partida na qual perdera para o mesmo Victoria, quando serviu de referee um jogador paulista, portanto, interessado no resultado.

Foi um avanço, quando nas ligas ordeiras, e até na dita “oficial”, a função de conduzir o clássico passou para notórios pernas-de-pau sem aptidão para o trato da bola, mas bons apitadores à sobeja.

O tipo ideal dos anos 1940/50 era o do conhecedor das regras, disposto a aplicá-las evitando afinidades, superdotado de um corpo parrudo, peitoral e bíceps avantajados de um lutador de greco-romana.

Afinal, não se tinha policiamento, e a turma do deixa-disso vacilava quando a bola errava em pardieiros e arapucas, campinhos carecas e esburacados; anexos a galinheiros ou arquibancadas de compensado.

Quando entrou o golpe… destacou-se Armando Rosa Castanheira Marques, o juiz amigava-se aos entes tchutchuca do poder; vieram Wright, o “Senhor Serra Dourada”; Arnaldo César Coelho; e Romualdo Arppi Filho, o rei dos empates…

Tal como o jornalista não escreve sozinho, o juiz não marca sozinho… Dirigentes, torcedores, mães dos juízes, mercadores, rentistas, apostadores… são muitos os grupos sociais – alguns na surdina – a incomodar sua senhoria!

Nossos parabéns ao valente trio de Natal, todos assim, bendita CBF!

Paulo Leandro é jornalista e professor doutor em Cultura e Sociedade.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Fazer refeições mais cedo reduz risco de problemas cardiovasculares

Estudo mostra que quem come depois das 21h tem probabilidade 28% maior de desenvolver...

A avaliação do time de Lewandowski sobre o projeto que limita delações

Integrantes da cúpula do Ministério da Justiça veem com cautela o projeto de lei...

Após seca histórica, indústria do AM acende alerta para clima em 2024

Meses após a seca histórica no Rio Negro, em Manaus, capital do Amazonas, a...

Governador liga para Lewandowski após ataques com mortes no Ceará

Elmano de Freitas (PT) diz não descartar pedir apoio do governo Lula para reforçar...

Mais para você