InícioEditorialPolítica NacionalLula já passou 20 dias fora do Brasil e é o presidente...

Lula já passou 20 dias fora do Brasil e é o presidente que mais viajou ao exterior desde a redemocratização

“Olha o Lula indo, olha o Lula vindo”. As recentes viagens internacionais do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não passam despercebidas pelos internautas – e eleitores, que comentam nas redes sociais sobre os períodos do mandatário fora do Brasil. “Viagens de Lula já somam quase duas voltas ao mundo”, disse um seguidor no Twitter, identificado como Gerson Vieira. De fato, desde o início do governo, o presidente já deu quase duas voltas ao mundo. A soma é de mais de 80 mil quilômetros em viagens internacionais. Dados de um levantamento feito pelo site da Jovem Pan mostram que o número de compromissos internacionais do petista, nos primeiros cinco meses de governo, já representa um recorde entre os governos anteriores, incluindo o próprio Lula, se comparadas as gestões iniciadas em 2003 e 2010. Neste ano, Lula já visitou oito países, sendo eles: Argentina, Uruguai, Estados Unidos, China, Emirados Árabes Unidos, Portugal, Espanha e Reino Unido. Somadas, as viagens representam 20 dias fora do território brasileiro. E o número pode ser ainda maior, já que Lula viaja para o Japão ainda neste mês, entre os dias 19 e 21 de maio. Nos governos anteriores, durante os primeiros 150 dias de gestão, Jair Bolsonaro (PL) se ausentou por 17 dias; Michel Temer (MDB), por 15 dias; e Dilma Rousseff (PT), por 12 dias no primeiro mandato e 8 dias no segundo.

Desde a redemocratização do Brasil, essa é a primeira vez que um chefe do Executivo Federal pode passar mais de 20 dias fora do país antes de chegar aos primeiros 150 dias de gestão (veja relação abaixo). Considerando os governos anteriores, o ex-presidente José Sarney, empossado em 15 de março de 1985, viajou por três dias. Fernando Collor esteve fora do país por nove dias, enquanto seu sucessor, Itamar Franco, viajou por sete dias. Já Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 1995, viajou por 12 dias em cinco meses, e em 1999, início de seu segundo mandato, ficou fora do país em seis dias. Esse número de viagens começa a aumentar a partir de 2003, justamente quando inicia o governo Lula 1. Nos primeiros cinco meses daquele ano, o petista visitou sete países e ficou 13 dias fora. Em 2010, logo no início de seu segundo mandato, ele viajou para nove países e ficou 15 dias fora. No total, durante os oito anos em que esteve à frente da Presidência da República, Lula fez 243 viagens, totalizando 80 países. Isso mostra que, de fato, antes mesmo de iniciar o terceiro mandato, Luiz Inácio já era o presidente que mais viajou na história recente da política brasileira. A nível de comparação, a agenda diplomática de Dilma Rousseff (PT) abrangeu, ao todo, 83 viagens, enquanto a de Michel Temer (MDB), 26, e Jair Bolsonaro, 33.

Presidentes que mais viajaram nos primeiros 150 dias de gestão:

  • Lula (2023): 20 dias
  • Jair Bolsonaro: 17 dias
  • Lula (2007): 15 dias
  • Michel Temer: 15 dias
  • Lula (2003): 13 dias
  • Fernando Henrique Cardoso (1995): 12 dias
  • Dilma Rousseff (2011): 12 dias
  • Fernando Collor: 9 dias
  • Dilma Rousseff (2015): 8 dias
  • Itamar Franco: 7 dias
  • Fernando Henrique Cardoso (1999): 6 dias
  • José Sarney: 3 dias

Embora não seja novidade, as idas e vindas de Lula neste mandato chamam atenção de internautas e políticos. Enquanto alguns questionam os valores empenhados, como o gasto de R$ 1,3 milhão para viagem à coroação do Rei Charles III, no Reino Unido, outros apontam para a falta de zelo com a política local – e as promessas de campanha ainda não cumpridas. Na quinta-feira, 11, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), ex-ministro da Casa Civil de Bolsonaro, afirmou que, cinco meses depois, o “governo que não começou só olha para trás ou para fora”. “Sete viagens internacionais e nenhuma agenda prioritária no Congresso. Projetos para criar emprego no Brasil? Não tem. Corte de despesas? Muito menos. Apertem os cintos, o piloto sumiu”, escreveu o ex-ministro do governo Bolsonaro no Twitter. Entre os seguidores do presidente, os compromissos fora do território brasileiro também são motivos de questionamentos e cobranças. “Lula, quando você vai visitar o Brasil?”, perguntou, ironicamente, um perfil. “Encontros e mais encontros. Trabalhar que é bom o senhor não quer?”, questionou outra seguidora, sendo respondida por outros internautas. “O nome desses encontros por sinal é trabalho”, justificou uma apoiadora.

É fato que as viagens de Luiz Inácio ao exterior não são a passeio. O fortalecimento das relações diplomáticas, bem como da melhora na imagem do Brasil no exterior, estão entre as prioridades do governo Lula 3. Ao mesmo tempo, a cada volta ao mundo, o petista tem trazido investimentos e acordos, que já somam mais de R$ 65,2 bilhões negociados. Contudo, mesmo entre os apoiadores, há quem entenda que o presidente deveria focar suas atenções para a política brasileira, especialmente às vésperas de votações importantes para o Planalto, como do novo arcabouço fiscal, da reforma tributária e até mesmo do PL das Fake News. “Está na hora do presidente Lula se dedicar à aprovação dessa PL 2630, e separar um tempo na agenda para correr atrás desses votos. Vejo as viagens, e sei de suas necessidades, mas vejo uma omissão em algo importante, e que demanda articulação dele”, escreveu um internauta, em resposta ao deputado federal Guilherme Boulos (Psol-SP). “Lula, em quatro meses de gestão, você fez cinco viagens internacionais. Aterrize no Brasil, trabalhe, cobre ação do seu ministério, pare com as cinematografias. O Brasil existe isso”, também cobrou publicamente o ex-ministro e ex-senador Arthur Virgílio Neto (PSDB), também no Twitter.

Outro fator que contribui para a defesa de que Luiz Inácio permaneça mais tempo no país é a articulação política. Às vésperas de votações importantes, o Palácio do Planalto ainda patina para consolidar maioria no Congresso Nacional, especialmente na Câmara, onde o governo Lula 3 sofreu duas derrotas consecutivas: adiamento da votação do PL das Fake News e aprovação do projeto de decreto legislativo (PDL) que derruba os decretos que alteraram as regras do Marco Legal do Saneamento Básico. Entre deputados, o entendimento é que a mesma atenção dada à política externa deve ser empenhada junto ao Parlamento. “Lula tem que articular, porque com ministério não está resolvendo. Ministério não conquista deputado. Lula tem que atrair os deputados, não os partidos, porque os parlamentares não estão se vendo representados [pelos ministros escolhidos]”, disse o deputado federal José Nelto (PP-GO), em entrevista ao site da Jovem Pan. Ainda que desagrade opositores e aliados, a expectativa é que Lula continue viajando, pelo menos por mais cinco vezes ainda em 2023. Neste mês de maio, o presidente deve passar dois dias no Japão para encontro do G7. Em julho, o petista visita a Argentina; em agosto, a África do Sul; e em setembro, para a Índia e para os Estados Unidos.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

EUA dizem que manterão apoio a Israel após ataque a refugiados

Casa Branca afirma que o país vai aguardar investigação israelense sobre bombardeio que matou...

Saidinhas: 3 candidatos à sucessão de Lira votaram contra veto de Lula

Apesar do forte apelo do governo, apenas dois dos seis principais pré-candidatos à sucessão...

Funcionário flagrado com diretor em camarim do SBT é comprometido

O alvoroço causado nos corredores do SBT por conta de uma aventura sexual entre...

Saiba quem era Arthur Virgílio Bisneto, ex-deputado federal morto aos 44 anos

O ex-deputado federal Arthur Virgílio Bisneto (PL) morreu nesta terça-feira (28), aos 44 anos, em Manaus. Filho...

Mais para você