InícioNotíciasPolíticaMauro Cid cita em delação conselheiro de Bolsonaro da ala ideológica

Mauro Cid cita em delação conselheiro de Bolsonaro da ala ideológica

Ao apontar novos nomes na delação que fez junto à Polícia Federal e foi homologada pelo STF, Mauro Cid citou Filipe Martins, que ocupou o cargo de assessor especial de Bolsonaro para assuntos internacionais.

Além da tarefa que exercia oficialmente no governo, Filipe Martins também costumava elaborar estratégias digitais e de comunicação em redes sociais. Segundo fontes a par da investigação, o depoimento de Cid detalha a atuação de Martins justamente nessa segunda função.

Mauro Cid filipe martins

Filipe Martins ao lado do ex-presidente Jair Bolsonaro Reprodução/Redes sociais

Mauro Cid Filipe Martins fez um gesto associado a supremacistas brancos durante uma audiência no Senado

Filipe Martins foi acusado de fazer um gesto associado a supremacistas brancos durante uma audiência no Senado, mas acabou absolvido pela Justiça TV Senado/Reprodução

Jair Bolsonaro e Mauro Cid

Bolsonaro e Mauro Cid: militar apontou o dedo para ex-assessor Reprodução

***olavo-de-carvalho-morte (9)

Filipe Martins era adepto da ala ideológica do governo, encabeçada pelo filósofo Olavo de Carvalho, que faleceu em janeiro de 2022 Instagram/ Reprodução

Mauro Cid deixa Batalhão de Polícia do Exército

Mauro Cid deixa Batalhão de Polícia do Exército Hugo Barreto/Metrópoles

Filipe Martins acompanha Bolsonaro no Flow

Assessores Filipe Martins e Mateus Diniz acompanham Jair Bolsonaro no podcast Flow Reprodução/Twitter

Mauro Cid Filipe Martins

Filipe Martins Reprodução/Instagram

mauro-cid-anotações-cpi-8-de-janeiro

Anotações de Mauro Cid para CPI da CLDF Reprodução e Breno Esaki/Metrópoles

Imagem colorida de Mauro Cid ao lado de integrante do Exército, fardado

Mauro Cid no Batalhão de Polícia do Exército Hugo Barreto/Metrópoles

Bolsonaro e Mauro Cid

Jair Bolsonaro e Mauro Cid Alan Santos/PR/Divulgação

Foto-Mauro-Cid-diz-que-permanecerá-em-silêncio-durante-CPI-2

Mauro Cid é alvo de diferentes frentes de investigação envolvendo Bolsonaro Breno Esaki/Metrópoles

Na CPI da Covid, Filipe Martins figurou na lista de indiciados pela suposta prática de incitação ao crime, artigo 286 do código penal. O relatório final da comissão, redigido por Renan Calheiros, apontou Martins como integrante de um “núcleo formulador de fake news”.

Esse grupo, que ficou popularmente conhecido como “Gabinete do Ódio”, teria atacado em redes sociais pessoas com posicionamentos contrários aos de Bolsonaro e do governo. Filipe Martins sempre negou envolvimento na prática.

Procurado, o ex-assessor especial da Presidência não retornou o contato. O espaço segue aberto.

Polêmica no Senado Filipe Martins chegou a balançar no cargo que exercia na Presidência após se envolver numa polêmica no Senado em março de 2021. Durante sessão do parlamento que ouvia o então ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, Martins fez com a mão um gesto considerado racista pelo Ministério Público Federal.

Em meio à pressão, Bolsonaro manteve o auxiliar no cargo. O assessor especial só foi exonerado em janeiro deste ano, pelo ministro petista Rui Costa (Casa Civil), após a transição de governo.

Sete meses após a representação do MPF, em outubro de 2021, o juiz Marcus Vinicius Bastos, da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, julgou a acusação improcedente e absolveu Filipe Martins.

Como mostrou a coluna, Mauro Cid incluiu, no acordo de colaboração premiada, personagens até então fora do radar da Polícia Federal ou que figuravam apenas lateralmente nas investigações.

A inclusão de novos nomes foi essencial para a celebração do acordo, uma vez que PF e Alexandre de Moraes acreditavam há haver elementos suficientes para condenar Bolsonaro no caso das joias.

Competência para julgar Bolsonaro Jair Bolsonaro se diz vítima de perseguição e pleiteia que o julgamento deixe o âmbito do STF e ocorra na primeira instância, uma vez que, por ter deixado a Presidência, não é mais detentor de foro por prerrogativa de função.

Já Alexandre de Moraes argumenta que, como há senadores e deputados envolvidos nas diferentes investigações que cercam Bolsonaro, a competência para julgar o ex-presidente é do Supremo Tribunal Federal.

Essa questão deverá ser avaliada pelos onze ministros da Corte, embora ainda não haja uma data definida para que isso ocorra.

Além das joias sauditas, outras investigações que levam dor de cabeça a Bolsonaro envolvem suposta articulação para tentar viabilizar um golpe de Estado e fraudes em cartões de vacinação.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Prefeito de Porto Alegre agradece Nunes por doações da Virada Cultural para o RS

O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB), enviou um vídeo ao prefeito de...

Líderes europeus criticam imigração ilegal em evento em Madri

Premiê da Itália e a deputada francesa Marine Le Pen pediram fortalecimento das fronteiras...

Espanha exige desculpa de Milei por xingar esposa do primeiro-ministro

Tomas Cuesta/Getty Images 1 de 1 Foto colorida de Javier Milei, presidente da Argentina...

Paulo Pimenta expõe divergências com Eduardo Leite sobre as enchentes no RS

O ministro Paulo Pimenta, designado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para coordenar...

Mais para você