InícioEditorialPolítica NacionalMedidas às empresas são insuficientes e não chegam, diz Fecomércio-RS

Medidas às empresas são insuficientes e não chegam, diz Fecomércio-RS

O presidente da entidade, Luiz Carlos Bohn, afirmou que, apesar dos anúncios feitos pelos governos, novas medidas precisa ser implementadas para ajudar a recompor a economia do Estado

O presidente da Fecomércio do Rio Grande do Sul, Luiz Carlos Bohn, disse ao Poder360 que os anúncios das 3 esferas de governo não se tornaram efetivos para as empresas gaúchas afetadas pelas chuvas. Segundo ele, os empréstimos subsidiados não estão disponíveis com facilidade para os empreendimentos.

Bohn criticou as medidas de prorrogação de pagamento de impostos. Citou que a economia do Estado foi amplamente afetada. Muitos empresas devem ficar de 1 a 2 meses sem funcionamento. Para ele, o Rio Grande do Sul só conseguirá se reconstruir com facilidade com dinheiro a fundo perdido, ou seja, com empréstimos sem a obrigação de pagamento.

“Nada saiu do papel, nada se tornou ato. [Medidas] anunciadas existem, realmente, mas nada de efetivo. Estamos aflitos em busca de recursos para iniciar a retomada”, disse. “Precisamos de dinheiro”, afirmou.

Assista à íntegra da entrevista (35min54s): 

O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou ao menos 3 medidas de prorrogação de tributos, que, para a Fecomércio-RS são insuficientes:

Simples Nacional – a parcela de maio foi adiada para junho; a de

julho, para agosto; FGTS – as parcelas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço de abril, maio, junho e julho foram adiadas para pagamento para a partir de outubro (dividido em 4 parcelas sem juros); dívidas com a Procuradoria da Fazenda – as parcelas de abril, maio e junho passam a contar com novas datas: julho, agosto e setembro. A avaliação dos empresários é de que as medidas são insuficientes. Todas as dívidas deverão ser pagas pelas empresas ao fim do novo prazo previsto. Duas medidas de crédito também foram divulgadas, mas está difícil conseguir acesso, segundo o presidente da Fecomércio-RS. 

“É muito anúncio e pouco resultado. Fiz contato com o meu banco, o que aconteceu: tudo o que estamos ouvindo falar, não existe escrito para nós. Então, realmente, [para as empresas] aconteceu pouco”, afirmou.

Empresários querem “Perse” O presidente da Fecomércio-RS disse que solicitou ao governo federal a aplicação de um plano similar ao Perse (Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos), com redução ou suspensão de impostos para empresas gaúchas. Segundo ele, a medida é urgente para a reconstrução da economia estadual.

Explica que o programa seria aplicado para os tributos estaduais e recolhidos pela União. Citou: Imposto de Renda, PIS (Programa de Integração Social), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), Contribuição Social sobre o Lucro e IPI (Imposto sobre produtos industrializados). Não houve respostas sobre a solicitação, falou. 

“As empresas e as pessoas pagam mais de R$ 60 bilhões [em impostos] por ano, e isso não retorna integralmente. Estamos propondo várias medidas […] Entendemos que isso precisa ser feito para que as empresas possam retornar com seus empregos mantendo os empregos das pessoas”, disse. 

O Perse foi criado na pandemia para mitigar os impactos econômicos ao setor de cultura e turismo. Definiu, na época: 

redução de alíquotas de tributos a 0%; renegociação de dívidas; indenização.  Em 22 de maio, o texto foi alterado e prorrogado até 2026 para 30 atividades econômicas. 

Pior que a pandemia As perdas de empresas gaúchas podem chegar a R$ 10 bilhões, segundo a Fecomércio-RS. Ao todo, 661 mil companhias estão situadas nas cidades em situação de emergência. O alagamento do Estado impactou ao menos 66.000 empreendimentos diretamente. Eis a íntegra (PDF – 118 kB)

O empresário explica que a situação econômica atual do Rio Grande do Sul está mais “agravada” do que a registrada durante a pandemia de covid-19. Na avaliação dele, muitas empresas afetadas com a catástrofe não vão retornar seus trabalhos. 

O cenário acontece no momento em que o Estado vinha registrando crescimento de empresas. Em abril desde ano, antes da enchente, o Rio Grande do Sul registrou crescimento de 12% no número de abertura de companhias.

“Na pandemia não foi tão grave quanto agora. Na pandemia, a gente deixou de se encontrar, deixou de fazer negócio, mas não perdemos patrimônio”, disse. 

Afora, o setor de varejo foi o mais atingido, disse o empresário. 

“Se nós não olharmos para as empresas, as pessoas terão um problema muito grande pós-catástrofe, que é o desligamento, a não continuidade dos empregos […] Mesmo em locais onde a água não chegou, as lojas não estão vendendo nada”, afirmou. 

3 anos para a reconstrução  A Fecomércio-RS projeta demora de 3 anos para uma reconstrução concreta do Rio Grande do Sul se houver grandes medidas para ajudar as empresas.

“Imaginamos que nestes 3 anos a gente possa retornar a uma situação próxima daquela que tínhamos antes dessa catástrofe […] Se nós não olharmos para as empresas agora, as pessoas terão um problema muito grande pós-catástrofe, que é o desligamento, a não continuidade dos empregos”, disse.

Eleições municipais  Bohn disse que a discussão do governo federal em adiar as eleições municipais não favorece o Rio Grande do Sul no processo de reconstrução da economia do Estado.

“Não é a prorrogação das eleições que vai resolver o problema. O que vai resolver o problema é o recurso financeiro. Se de fato esta prorrogação de eleição fosse para colocar o recurso que se gasta [no período eleitoral], ainda assim eu teria dúvida se justifica. A democracia, as eleições, são uma das nossas coisas consolidadas e acho que o processo eleitoral não muda o cenário.”

Leia mais:

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Lula disse que não quer confusão na Petrobras, diz Magda Chambriard, em cerimônia de posse

“A missão dada pelo presidente foi a de movimentar a Petrobras, porque ela impulsiona...

Autor do PL do Aborto diz não abrir mão do texto, mas admite ajustes

Durante entrevista para jornalistas nesta quarta-feira (19), o deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), que é...

CCJ do Senado aprova liberação de cassino, bingo, jogo do bicho e corrida de cavalos

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira (19) o...

Mais para você