InícioEditorialPolítica NacionalMinistério dos Povos Indígenas só se preocupou com festa e etnocídio continua,...

Ministério dos Povos Indígenas só se preocupou com festa e etnocídio continua, diz Daniel Munduruku

Foto: Divulgação

O escritor e ativista indígena Daniel Munduruku 12 de janeiro de 2024 | 19:48

O Ministério dos Povos Indígenas até agora se preocupou muito mais com “festas” e viagens internacionais do que com a atuação concreta em favor dos povos originários, afirma o escritor e ativista indígena Daniel Munduruku.

Na manhã desta sexta (12), em uma rede social, ele escreveu que “os dados sobre a saúde dos yanomami não deixam dúvidas: criar um ministério cirandeiro apenas para apagar incêndio é replicar a velha política do pão e circo”.

À reportagem, ele diz que a persistente crise que atinge os yanomamis dá a impressão de que “realmente o ministério se preocupou muito mais com a festa, com isso que eu chamei de cirandeiro, e menos com uma atuação prática”.

“A gente viu muito mais a ministra [Sonia Guajajara], sobretudo, andando por vários cantos do mundo e menos ela, de fato, atuando dentro do Brasil, dentro das áreas indígenas”, diz.

“Numa comparação boba, é como se eu me dedicasse mais a vender meus livros para que um público externo visse a beleza do que eu escrevo do que querer que meus livros tenham algum tipo de impacto dentro da sociedade brasileira”.

Ele reconhece que o ministério foi criado com pouco espaço orçamentário e elogia a atuação conjunta de algumas pastas, como a da Saúde. No entanto, diz que isso “não foi suficiente para criar aquilo que o presidente [Lula] havia dito que ia fazer, que era realmente um atendimento muito especial para a população yanomami”.

“Meu povo munduruku está ali, passando pela mesma situação dos yanomami. Eles estão vivendo o mesmo drama, que é a invasão garimpeira”, continua.

“Em todos os lugares do Brasil têm esses problemas acontecendo. E a gente não vê, de fato, uma mobilização para conter esse tipo de… continua sendo, né, um etnocídio. Agora dessa vez vindo de onde a gente menos espera, ou pelo menos sendo aceita de onde a gente menos espera”.

Na avaliação dele, o ministério deveria chamar as lideranças mais velhas para conversar e dar um protagonismo aos indígenas.

“Eu diria até que talvez uma das urgências seria reformular, refazer, recriar o conselho dos povos indígenas, e que pudesse ser um conselho deliberativo também, ouvir e se esforçar para cumprir aquilo que essa população tem e que é preciso para manter minimamente a sua cultura”.

“E veja que a questão aqui não é só demarcação de terra, aliás nós não tivemos quase demarcação de terra este ano, que era uma das promessas de campanha também. Então alguma coisa está fora da ordem”.

Mais cedo, o Ministério dos Povos Indígenas publicou em uma rede social um fio com as ações realizadas para enfrentar a crise dos yanomami e sobre a atuação da pasta.

Danielle Brant/Folhapress

Comentários

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Instabilidade na CBF não prejudica sediar Copa feminina, diz Ednaldo

Presidente da entidade retornou ao cargo por decisão liminar de Gilmar Mendes. O Brasil...

Conheça a importância dos ACE no combate à dengue em Teixeira de Freitas

Essenciais para a redução de incidência da dengue e demais doenças transmitidas pelo mosquito...

Vanessa Lopes recebe carinho das amigas após quadro psicótico agudo

Vanessa Lopes apareceu em fotografias no Instagram da mãe, Lica Lopes, nesta quarta-feira (21/2)....

Gisele Bündchen já elogiou Joaquim Valente em entrevista; saiba quem é

Os burburinhos sobre a vida amorosa de Gisele Bündchen ganharam um novo capítulo. De...

Mais para você