InícioEditorialPolítica NacionalMoraes abre investigação sobre big techs após ofensiva contra PL das Fake...

Moraes abre investigação sobre big techs após ofensiva contra PL das Fake News

Magistrado atendeu pedido da Câmara dos Deputados e determinou que diretores do Google e do Telegram terão de depor; inquérito da PF terá duração inicial de 60 dias

TON MOLINA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Presidente do TSE, Alexandre de Moraes, durante reunião no Palácio do Planalto, em 18 de abril

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira, 12, a abertura de um inquérito da Polícia Federal (PF) para investigar as ofensivas do Google e do Telegram contra o PL das Fake News. Magistrado atendeu a pedido da Câmara dos Deputados e determinou que diretores das big techs terão de depor. “Diante do exposto, nos termos requeridos pela Procuradoria-Geral da República, determino a instauração de inquérito em face dos diretores e demais responsáveis da Google Brasil e do Telegram Brasil, que tenham participado da campanha abusiva contra o Projeto de Lei n. 2.630/2020”, decide Moraes. Ele também determina a identificação e oitiva dos representados das plataformas digitais, que tenham participado das ofensivas contra o projeto de lei e estabelece a duração inicial de 60 dias do inquérito. A decisão de Alexandre de Moraes acontece após presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), encaminhar uma notícia-crime à Procuradoria-Geral da República (PGR) em face dos diretores e demais responsáveis do Google Brasil e do Telegram. A PGR, por sua vez, enviou o pedido para abertura da investigação à Suprema Corte.

O pedido da Câmara dos Deputados cita o levantamento realizado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) que teria captado um direcionamento, nos resultados do buscador Google, quando se pesquisa termos sobre o tema do “PL 2630”, levando quem faz tal consulta, diretamente, para o link de um post do blog da própria empresa com inúmeras críticas ao projeto. Como o site da Jovem Pan mostrou, após medida cautelar imposta pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), vinculada ao Ministério da Justiça, o buscador retirou da página inicial o texto com a descrição de que “PL das Fake News pode aumentar a confusão sobre o que é verdade ou mentira no Brasil”. Já o Telegram entrou na mira dos parlamentares após disparar uma mensagem aos usuários do aplicativo contra o Projeto da Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet. No texto, retirado do ar após decisão do ministro Alexandre de Moraes, a plataforma digital dizia que “a democracia está sob ataque no Brasil” e acusa o projeto de dar “poderes de censura sem supervisão judicial prévia”.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Prefeitura de Teixeira de Freitas descumpre contrato para cirurgias ortopédicas e provoca desassistência

A Prefeitura de Teixeira de Freitas tem descumprido o contrato assinado com a Secretaria...

Brasileiros preferem Michelle a Janja, diz Paraná Pesquisas

Dos entrevistados, 43% dizem gostar mais da ex-primeira-dama do que da atual; 16% não...

Exclusivo: prima de cantora famosa estará em game show da Record

As gravações do novo game show da Record, o Acerte ou Caia, que será...

Entidade israelista no Brasil critica Lula: “Michel ficou para trás”

Instituições e movimentos israelitas no Brasil divulgaram notas em que lamentam a morte do...

Mais para você